10 respostas para “A TOCA, SE TOCA E CAI NA DANÇA…….”

  1. Salmos 149.3

    Louvem a Deus, o Senhor, com danças e, em seu louvor, toquem pandeiros.

    (Salmo 149.3)

    Louvem o seu nome com flauta, cantem-lhe o seu louvor com adufe e harpa.

    A Bíblia fala sobre dança 28 vezes. Cada referência é uma celebração social de acontecimentos especiais, tais como uma vitória militar, um festival religioso ou uma reunião de família. As danças eram processionais, envolventes ou extasiantes, e praticadas principalmente por mulheres e crianças, que dançavam separadamente.

  2. A Mère Súperieure com cara de Sarney, além de “datada”, distorce contextos, como o reduzir a Liturgia a um contexto artístico profano, tal como o de uma dança de teatro qualquer.

    Mesmo as danças do rei Davi tinham um sentido simbólico e prefigurado que as danças atuais, que prezam pelo exibicionismo, não apresentam. Como também nas duas Alianças (a antiga e a nova), o ato litúrgico nunca empregou ordinariamente a dança como um recurso. Só um muito burro ou um mal estudado para não ver isso!

    O resto, é farisaísmo enquanto tenta reduzir a Lei a um “punhado de atos interpretativos” que “anulam” a Lei. Disse Jesus: “Não vim para abolir a Lei e os Profetas, mas para dar-lhes pleno cumprimento.”

    Quem puder entender, que entenda; quem não entender, obviamente será confundido tal como os fariseus de outrora que, vendo, não enxergavam.

  3. “Briga de comadres” entre D. Fellay e D. Williamson? Mas este já foi expulso da FSSPX. E não foi propriamente uma “briga”: o Superior proibia e seu subordinado fingia não entender ou não escutar (pois os Bispos na Fraternidade apareceram não para serem “cabeças coroadas”, mas para conferir a Ordem aos padres da Frat…). E até porque a FSSPX caminha para ser reintegrada à Hierarquia papal (Deus queira!), não é caso de anarquia ou de “desintegração”, como alguns tentam supor…

    Só um muito burro ou um muito malicioso para não entender isso.

  4. Senhora “Mère Súperieure”,

    Você se mostra hábil para criticar os de fora – no caso, os Tradicionais. Já que o post é sobre a “Toca que cai” (apegada à “tradição rccista”), responda-me: as freiras de teu convento têm comportamento igual ao do pessoal da Toca?

    Caso afirmativo, meus pêsames. Fontes seguras me contam coisas nada abonadoras sobre essa gente. E mais não digo.

  5. Marcelzinho, vc. estava lá das festas de Davi para saber se era no sentido simbólico as danças, e onde vc. leu que era “um sentido simbólico e prefigurado que as danças atuais, que prezam pelo exibicionismo, não apresentam.”
    A seita nunca será reintegrada? Vc. quis dizer integrada, reintegrada quer dizer que já foram, e agora vão retornar. Será?
    Infelizmente o excomungado lefbvre escolheu errado. Colocou a mão na cabeça de gente errada.
    O Espírito Santo Passou longe.
    Pedrinho pelo sobrenome parece que vc. tem pelo menos algo de bom, ser de descendencia Francesa.
    Notre monastère a beaucoup en commun avec le Terrier. Principalement l’humilité et la joie. Ce qui est nécessaire à la FSSPX.
    Les dépenses ainsi.

  6. Mère Súperieure (que finalmente tirou a horrível “cara de Sarney”, ufa!), não é preciso presenciar ao vivo a dança de Davi para saber. O Magistério da Igreja é que afirma isso. Se você estudar também sobre Liturgia – mas em fontes fidedignas, sem livros com os “lugares-comuns” do arqueologismo litúrgico, veja bem! nada de Yone Buyst et caterva, viu??? – você vai descobrir isso. O altar não é um palco da Broadway, nem muito menos a Missa um cover de “Cavalgada das Valquírias”…

    Mais atual que nunca é considerar que Cristo – o próprio Deus feito homem – morreu na cruz, para expiar nossos pecados. Ele mandou aos Apóstolos para tornar presente de novo esse sacrifício. Quem “dançava” (e gargalhava) no deicídio? Os fariseus! “Se tu és mesmo Filho de Deus, desce da cruz”, provocavam. Por isso, no contexto atual, é sacrílego o uso de danças na Missa, bem como nada tem a ver com a dança de Davi.

    Sobre a FSSPX, mantenho o que disse, até porque teus argumentos para desmentir o “eminente acordo” não têm consistência. Uma dica: não adianta ler o site “amai-vos”, ou a revista do IHU-Unisinos, ou o Golias (se é que você realmente entende francês), nem muito menos a dona Zenit (mantida pelos Legionário de Cristo – xiiii…) para tentar supor o futuro da FSSPX. Site da CNBB, nem pensar (vão te perguntar se a FSSPX é uma “entidade filantrópica”); também o Osservatore Romano já foi bom um dia, hoje quase não fala pela Igreja – digo isso porque elogiar o bruxo Harry Potter é o fim da picada… Em vez de procurar em ambientes progressistas ou “neoconservadores”, vá a fontes afins à Missa Tridentina; o blog Rorate Caeli e o Le Forum Catholique (francófono, viu?). “Fica a dica”.

    In Christo et Maria,
    Marcel.

  7. Marcel quem é?
    Donde é?
    Será que esse nome corresponde a alguém, ou por uma questão de anonimato intencional esconde alguem bem conhecido?
    O que pretende alcançar com o conjunto de acusações que proferiu, até do meu frances?

    Assume como fosse verdade tantas coisas que atribui a magistério da igreja que para o senhor tem mais verdades que a bíblia.
    Cita sites, permita-me de discordar liminarmente quanto ao grau do ajectivo por si optado, dado as afirmações que faz enfermerem de verdade.
    Assim, os factos a que se refere, só não são como os descreve, como também não ocorreu na Igreja primitiva.

    Numa primeira conclusão, o e-mail q nos dirigiu é perfeitamente descabido de fundamento.

    Quando ao desamor a Deus no próximo, mais não é do que reflexo de um orgulho eivado de petulância pela auto suposta superioridade moral e intelectual da qual apenas Deus é Único e Supremo Juiz; quando o uso obstinado da agressividade maldizente constitui, de per si, ânimo para a redação de todo um conteúdo acusatório referente a factos passados, e por si mal conhecidos em quase todos os seus contornos ab initio; quando a displicência pelo real conhecimento histórico dos factos ocorridos, em todas as suas vertentes, não constitui preocupação nem obrigação pessoal; quando a maldade assola ao cérebero das pessoas e delas faz arrancar sentimentos de um suposto elevado quilate da hierarquia de valores, suscitam o texto, que em consciência envergonha.
    Numa segunda conclusão, «ridículo» é concluir-se de que foi buscar lá e saiu tosquiado.

    Face á leviandade com que se dignou tratar de assuntos tão sérios almejando apenas “apontar o dedo” a outrem, nem tempo teve para reparar que ao apontar um dedo, houve três dedos que ficaram voltados para si!

    Face ao exposto, podemos concluir que:
    – Deus não o constituiu Juiz de tal causa, porque foi nítida a carência da “Graça de Estado”!
    – houve por má intenção e por obstinação no mal o redigir deste e-mail – o estilo quiçá jocoso o confirma!
    – a sua alma não saiu beneficiada porque é pecado (conhecimento, consentimento e praticou);
    – melhor fora, que em vez de repetir a atitude do “Fariseu” de que nos fala o Evangelho, houvesse por bem pedir perdão de algo menos correto que provavelmente haja praticado, em consciência, na sua vida. Mas ainda está a tempo…

    Quanto ainda às alusões que fez, à moral, à ética e às Escrituras Sagradas, permita-me um conselho, leia muito as Escrituras Sagradas, interiorize-as, implore ao Espirito Santo que lhe conceda o “conhecimento” das coisas do Alto, faça como Maria Santíssima seja submisso à Vontade de Deus e assim, a ética e a moral regressarão à sua alma e quando se der conta disso, seja humilde e, se não tiver pecados seus para pedir por eles perdão a Deus, peça pelos pecados dos outros, mas sem julgar e, muito menos, acusar quem quer que seja (nem mesmo com fundamento, quanto mais sem ele.

    Diz o Povo «quanto mais se mexe na porcaria mais mal cheira), e de fezes, que eu saiba, alimentam-se as hienas e não só!

    Pois «… busque as coisas do Alto e tudo o mais lhe será dado por acréscimo…!»

    Que Deus o abençoe e ilumine, a Virgem Santíssima o proteja, e São Miguel Arcanjo o defenda de todo o mal.

Os comentários estão desativados.