3 respostas para “VATICANO II – UMA HISTÓRIA NUNCA ESCRITA”

  1. RETRATO DE UM PETISTA, EQUIVALENTE A MEMBROS DA TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO, A QUAL É UM DOS SUBFRUTOS DE INTERPRETAÇÕES PROPOSITAL-FRAUDULENTAS DO VATICANO II

    Começam as atividades nas universidades, em geral são tipos malandros, preguiçosos e rebeldes, apreciando quem os ajude nos trabalhos escolares, de classe media ou média baixa, e gostam de se passar por cultos e admirados; nunca se candidatam à engenharia, medicina e semelhantes.
    Entram na universidade sempre em cursos sem concorrencia, como historia, serviços sociais etc., e logo mostram a que vieram se infiltrando nos DCEs, como estudiosos de Marx, Lênin e seus 10 mandamentos e no “heroismo” de ditadores comunistas com mais de 150 000 000 de mortos no século passado pela luta contra o “capitalismo”, músicas do Chico, etc., e se comportando à Fidel Castro-Che Guevara: barbudos, mal vestidos e cheios de trecos nas bolsas com fotos ou frases chamativas desses ídolos revolucionarios.
    São materialistas e ateus mas adotam a Teologia da Libertação que é a heresia proveniente da doutrina da Igreja católica reformulada em cartilha comunista sob aparencias religiosas, reformulada nos laboratorios de engenharia social; aliam-se a muitos traidores de Cristo e da Igreja, como sacerdotes e leigos que servem à causa como agentes comunistas e propagadores da doutrina marxista, atuando em locais favelados e aparentando defender a causa deles, usando a “NOVILINGUA DO PT, falam uma mas significa outra, como camuflando que os pobres não passam de “idiotas-úteis” para chegarem ao poder, sempre insistindo que tal miseria decorre da democracia, do capitalismo e dos ricos, fomentando a luta de classes, atiçando a inveja e o ódio aos mesmos.
    Há um problema: defendem um discurso, do igualitarismo, mas logo que tomam o poder enriquecem-se rapidamente; Lula é o clássico exemplo, urrava contra os ricos ladrões e diz a Forbes, possui mais de U$ 2,000,000,000 de fortuna; querem apenas trocar as riquezas de mãos: agora passar para o Estado e aos donos do partido.
    Finalmente, os ex barbudos e sujos transformam-se em doutores arrogantes e opressores, frequentando os ambientes mais sofisticados e vivendo como milionarios, a NOVA ELITE DE ESQUERDA e os que cairam sob o seu jugo são contados apenas como materia prima de trabalho sob condições a serem determinadas por dirigentes materialistas e ateus.
    China, Cuba e Coreia do Norte são ótimo exemplos desses “defensores do pobres” e os eleger é assinar a propria sentença de morte.

  2. Prezado Stefan,
    Salve Maria.

    Se você notar, este post não é específico sobre o comunismo e nada fala do PT, mas sobre alguns dos aspectos em que a multifacetada heresia modernista triunfou oficialmente no Concílio Vaticano II. O vil comunismo é apenas uma das facetas da heresia modernista de que te falo. Mas as ideologias de direita também são uma outra face do modernismo e, portanto, igualmente problemáticas. Basta ver os frutos da RCC e correlatos, tanto no aspecto religioso (infiltração da doutrina protestante na Igreja e nas Missas, falsos êxtases e aparições, etc.) como no temporal (eleição de políticos liberais como o Chalita e a bajulação até de petistas). Isso, para não te falar dos “conservadores” que confiam piamente no abortista Serra, entre outros…

    Sobre teu comentário, embora fuja um pouco do assunto do post, ele mostra um aspecto interessante da infiltração da ideologia de esquerda nas universidades que já conheço de perto. Mas tem muitas generalizações e alguns mitos a esse respeito. Conheço proeminentes médicos que aparentemente fogem desse padrão de profissional, são até bem sociáveis e estudados e, no entanto, são petistas “desde criancinha”. Também a Arquitetura me é um curso bem puxado mas, no entanto, conta com parcela importante de professores esquerdistas (e vários acadêmicos são seus entusiastas). Não podemos também desprezar aos cursos “menos concorridos”, embora sofram mais com a influência da esquerda; conheci e conheço profissionais das áreas econômicas e sociais que, na contramão do “estereótipo petista”, são excelentes e mesmo de ideias contrárias à “esquerda-direita”, profissionais estes que também são um produto (embora desprezado) destes cursos.

    Grande abraço.
    In Christo et Maria,
    Marcel Ozuna.

  3. A paz de Cristo.

    De fato há várias publicações de terceiros contra o Vaticano II. Tanto há tradicionalistas extremados que baseados em suas interpretações querem usar a Tradição contra o Vaticano II, quanto há progressistas que querem interpretar o Vaticano II como um superdogma que elimina toda Tradição anterior. Ambas as interpretações estão bem distantes do que ensina o legítimo e autêntico Magistério da Igreja.

    O Papa Bento XVI, quando cardeal, já havia explicado: “Em primeiro lugar, é impossível para um católico tomar posição a favor do Vaticano II contra Trento ou o Vaticano I. Quem aceita o Vaticano II, assim como ele se expressou claramente na letra, e entendeu-lhe o espírito, afirma ao mesmo tempo a ininterrupta tradição da Igreja, em particular os dois concílios precedentes. E isto deve valer para o chamado ‘progressismo’, pelo menos em suas formas extremas. Segundo: do mesmo modo, é impossível decidir-se a favor de Trento e do Vaticano I contra o Vaticano II. Quem nega o Vaticano II, nega a autoridade que sustenta os outros dois Concílios e, dessa forma, os separa de seu fundamento. E isso deve valer para o chamado ‘tradicionalismo’, também ele em suas formas extremas. Perante o Vaticano II, qualquer opção parcial destrói o todo, a própria história da Igreja, que só pode subsistir como uma unidade indivisível”.

    Ou, resumindo…

    “Surge a pergunta: por que a recepção do Concílio, em grandes partes da Igreja, até agora teve lugar de modo tão difícil? Pois bem, tudo depende da justa interpretação do Concílio ou como diríamos hoje da sua correcta hermenêutica, da justa chave de leitura e de aplicação.”
    http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/speeches/2005/december/documents/hf_ben_xvi_spe_20051222_roman-curia_po.html

    “Só é autêntica e autoritativa a interpretação dada pelo Magistério, que é assim o
    intérprete de seus próprios atos : pois os textos conciliares não são os escritos de tal ou
    tal perito ou de quem quer que seja que tenha podido contribuir para sua origem, eles
    são documentos do Magistério.”(Carta do Cardeal Ratzinger a Dom Lefebvre, em nome de Sua Santidade Papa João Paulo II)

    Rui

Os comentários estão desativados.