Papa convoca católicos à 'luta' contra o casamento gay


Sem citar a palavra homossexual e sem fazer julgamento sobre a homossexualidade, ele atacou claramente a legalização do casamento gay Foto: AP



Sem citar a palavra homossexual e sem fazer julgamento sobre a homossexualidade, ele atacou claramente a legalização do casamento gay


O papa Bento XVI se mostrou combativo nesta sexta-feira ao convocar os católicos para “lutar” contra o casamento gay, em um contexto de mobilização da Igreja em todos os grandes debates da sociedade. Em seu discurso de fim de ano à Cúria Romana, o Papa criticou duramente as novas concepções da família que não se baseiam na união entre um homem e uma mulher e afirmou que “na luta pela família está em jogo a essência do ser humano”.
Sem citar a palavra homossexual e sem fazer julgamento sobre a homossexualidade, ele atacou claramente a legalização do casamento gay e a adoção por esses casais na França, Estados Unidos e em outros países. A posição do Vaticano sobre o casamento homossexual não mudou, mas o tom endureceu.
No momento em que os países ocidentais adotam reformas sobre o casamento homossexual, o “Ano da Fé”, lançado em outubro pelo Papa, parece ser a ocasião de combate sobre essas questões morais. Alguns movimentos católicos organizaram uma grande manifestação contra o casamento gay na França em 18 de novembro. Uma outra manifestação nacional está prevista para 13 de janeiro.
Os representantes das grandes religiões da França (católica, islâmica, protestante, judaica), criticaram o projeto do governo socialista, mas insistiram na natureza específica de seus argumentos.
Bento XVI, em uma rara mensagem publicada quinta-feira no Financial Times, convidou os cristãos a se engajarem nas áreas da justiça, da paz, da vida e da família. Segundo o Papa, os cristãos devem ser coerentes com a fé católica, disse, citando os políticos que são encarregados de votar a favor ou contra os projetos de lei de um governo.
Ele propôs uma “aliança” entre fiéis de diversas religiões e ateus sobre os temas essenciais de defesa da justiça, da paz, da família e da vida, que seria possível em razão de serem “leis naturais” as quais todos podem aderir. Em virtude desta lógica, ele citou longamente, e de maneira inédita, o grande rabino da França, Gilles Bernheim, muito crítico ao projeto de legalizar o casamento e a adoção para os homossexuais.
O Papa elogiou o trabalho do rabino Bernheim, que demonstra que “atentar contra a autêntica forma da família, constituída por um pai, uma mãe e uma criança (…) coloca em jogo a própria visão do ser humano”. “Se até o momento percebíamos como a causa da crise da família a incompreensão sobre a essência da liberdade humana, agora está claro que o que está em jogo é a própria visão do ser humano, o que significa em realidade o fato de ser uma pessoa humana”, observou Bento XVI.
“A criança perdeu a posição a que pertencia até o momento e a dignidade particular que lhe é própria”, prosseguiu o Papa. “Bernheim mostra como, de sujeito jurídico independente em si mesmo, ele se transforma necessariamente em um objeto, que é e tem o direito, e como um objeto de direito, pode ser obtido”.
Com a rejeição do casamento tradicional, acrescentou, “desaparecem as figuras fundamentais da existência humana: o pai, a mãe, o filho: as dimensões essenciais da experiência de ser uma pessoa humana estão desabando”. Neste discurso, no qual costuma explicar as principais preocupações da Igreja, o Papa lamentou a “profunda falsidade” dos estudos de gênero, que consideram que o sexo de uma pessoa é determinado, na realidade, pela sociedade e educação.
O Papa insistiu ao Financial Times que a “luta” pacífica que ele convocou ultrapassa as fronteiras da Igreja: os princípios que ela defende “não são verdades de fé, estão inscritas na própria natureza humana, identificável pela razão, e, portanto, comum a toda a humanidade”, seja no casamento, no começo e fim da vida, e na bioética, afirmou o Papa. Sua transformação causará “prejuízo grave para a justiça e a paz”, acrescentou.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/europa/papa-convoca-catolicos-a-luta-contra-o-casamento-gay,f9da6d44edcbb310VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html

    Governante húngaro diz que moral católica pode salvar a Europa‏




    A Europa deve retornar ao Cristianismo para que a regeneração econômica seja possível, disse o Primeiro Ministro Viktor Orban da Hungria numa conferência na última semana. De acordo com Orban, a crescente crise econômica na Europa é originada na [crise] espiritual, não na ordem econômica [propriamente dita]. Para solucionar esta crise, ele propôs uma renovação da cultura e política baseada em valores cristãos, para salvar a Europa do colapso econômico, moral e social. 


    “Uma melhora econômica é possível para a Europa e Hungria somente se as almas e corações se elevarem também,” disse Orban no XIV Congresso de Católicos e Vida Pública na “Esperança e Resposta Cristã para a crise.” 


    Por trás de cada economia bem sucedida, disse Orban, há “um tipo de força espiritual no comando.” 


    “Uma Europa governada de acordo com os valores cristãos se recuperaria.” 


    “A crise europeia,” disse ele, “não surgiu por acaso, mas pela negligência e descuido das responsabilidades dos líderes que questionam precisamente as raízes cristãs. Aquela força de comando foi quem permitiu a coesão, a família, o trabalho e o crédito à Europa. Estes valores foram as antigas forças econômicas continentais, graças aos quais principalmente o desenvolvimento daqueles dias estão pautados de acordo com [estes] princípios.” 


    Info Catolica, um site de notícias em língua espanhola, mencionou frases de Orban [ressaltando] que mesmo a crise de crédito foi conduzida pelo abandono dos princípios cristãos. A Igreja Cristã antes da Reforma, disse ele, sempre se opôs àusura (cobrança de juros exorbitantes para os empréstimos) – uma prática que levou à massiva quantidade de débitos insolúveis tanto nacionais quanto individuais, [prejudicando] o nível [financeiro] das famílias. 


    Numa Europa cristã os excessos que criaram a crise econômica não teriam sido possíveis, ele disse. “Uma Europa cristã teria notado que cada Euro é fruto do trabalho. Uma Europa cristã não teria permitido países inteiros afundando na escravidão do crédito.” 


    Orban, mesmo sendo protestante, declarou que a Reforma Protestante foi a pioneira na era da usura, e libertou a ganância na qual o crédito tem sido desprovido de sua dimensão moral. Referindo-se às severas “medidas de austeridades” impostas pelos EUA à Grécia e à Itália, que resultaram num desemprego generalizado e privação econômica, ele disse que os líderes políticos abandonaram os “aspectos humanos” da economia nos esforços de conter o acúmulo massivo de débitos nacionais de governos socialistas durante o último século. 

    http://www.montfort.org.br/governante-hungaro-diz-que-moral-catolica-pode-salvar-a-europa/



    PAPA VAI À PRISÃO E ANISTIA O MORDOMO






    Em visita na manhã de hoje à prisão onde já cumpria sentença penal Paolo 

    Gabriele, o Papa 

    Bento XVI lhe confirmou a anistia do crime de extravio e divulgação de 

    documentos sigilosos 

    da Santa Sé, do qual recebera 18 meses de reclusão em regime fechado. O 

    perdão, contudo, 

    não garante mais a residência do ex-mordomo no Vaticano, tampouco o seu 

    trabalho em 

    algum organismo da Santa Sé.


    Mesmo assim, não deixa de ser belo e comovente o gesto de Bento XVI, pois não 

    é apenas 

    aquele perdão esperado sobre a ofensa, ao qual somos exortados a praticar como 

    cristãos, mas 

    um indulto de um Chefe de Estado, e comunicado por ele mesmo, sobre um 

    criminoso que, 

    recluso do convívio social, deveria pagar por seu crime.

    "SALVAI ALMAS" – QUANDO O CÉU SE ENGANOU!



    Caríssimos,
    Salve Maria!
    Aproxima-se o “fim-do-mundo” para os hereges do “Salvai Almas” e eles começam a ficar confusos!..Logo abaixo um comunicado que a matéria colocada no site, atribuída a Jesus, já não é mais de Jesus ….Foi um engano! Aí o profeta Claudio manda retirar do site!…Só que outros copiaram. Então postamos o comunicado desmentindo ser de Jesus a dita mensagem e, abaixo, a mensagem…É prá acabar com o mundo mesmo!…
    Observação:
    A matéria Diga não à Comunhão na mão, foi retirada do Site por ordem de Cláudio,
    apesar de estar de acordo com o desejo do Santo Padre. Quando colocada em oração,
    o Céu informou que a mensagem não era de Jesus e, que, portanto as promessas não são válidas. Pedimos escusas pelo erro que deve ser imputado somente a mim Pedro Longo.

    http://www.salvaialmas.com.br/?pagina=avisos

    ****
    Nunca comungue em estado de pecado grave e não mastigue a Santa Hóstia.
    Promessas de Nosso Senhor Jesus a quem não receber a Sagrada Comunhão na mão.
    Introdução
    Nosso Senhor manifestou-Se a uma alma privilegiada, concentrada em oração profunda, fazendo as seguintes promessas àqueles que não receberam o Seu Corpo Sagrado na mão.
    Por enquanto, decidiu-se não revelar a identidade desta pessoa, uma vez que estes fatos são muito recentes.
    Advertência
    Torna-se necessário deixar bem claro que estas promessas não são válidas para aqueles que comungarem em pecado mortal.
    Também comungará de forma delituosa quem, de forma consciente, mastigar a Hóstia ou triturar com os dentes.
    Promessas de Nosso Senhor Jesus Cristo:
    Àqueles que se abstiverem de receber com as suas mãos o Meu próprio Corpo, Sangue, Alma e Divindade, Eu prometo enchê-los das maiores bênçãos nas suas mãos, alma e em todo o seu ser.
    Prometo-lhes muitas mais graças na sua passagem pela Terra, com maiores garantias de salvação e aumento de Glória essencial e acidental, por toda a sua vida eterna, Comigo, nas moradas celestiais.
    Sentir-Me-ão na Comunhão, de tal forma e com tanta plenitude, que ficarão sem a vontade natural de Me tocarem.
    Aqueles que assim fizerem, com persistência, receberão grandes graças Minhas, assim como grandes benefícios para a sua casa.
    Também prometo, àqueles que fizerem corretamente aquilo que mais desejo, poderes especiais nas suas mãos contra os inimigos da alma e, a muitos, darei carismas de curar.
    Prometo que, se assim procederem de forma perseverante, chegarão, de todas as formas, com mais intensidade, na busca apenas de maior Honra e Glória Minhas, e Eu os exaltarei de forma especial por toda a eternidade.
    Concederei igualmente, a todos que, por amor, cumprirem os Meus desígnios, abstendo-se de Me receber nas mãos, por maior adoração, humildade e santo respeito, o dom do discernimento do espírito com maior intensidade.
    Os seus nomes estarão escritos de forma especial no Meu Coração se, para Me darem maior gosto, comungarem corretamente na língua e não na mão.
    Também prometo que os aumentarei em todas as virtudes, como recompensa a essa maior humildade que admite nunca ter as suas próprias mãos suficientemente puras para Me tocarem.
    Prometo ainda que facilmente propagarão a Minha doutrina e que vencerão com maior facilidade todas as tentações.
    Não conseguirão afastar de Mim as almas daqueles que Me receberem na língua e não nas mãos, se o fizerem com a reverência devida e viverem assim todos os dias da sua vida.
    Prometo, igualmente, que aqueles que, por delicadeza para com a Minha vontade, Me consolem recebendo-Me devidamente sempre na língua e não nas mãos, não terão as portas fechadas para o Meu Amor.
    Se assim perseverarem, para mais Me agradarem, comungando na língua, prometo que chegarão a trabalhar só pelo Meu Coração, com o Meu Coração, no Meu Coração e para o Meu Coração.
    Prometo ainda, àqueles que deste modo Me honrarem, que serão ouvidos de forma muito especial e com grande complacência.
    Se, neste pedido – comungar sempre na língua e nunca nas mãos – tão importante para Mim, Me fizerem a vontade, por Meu Amor, procurarão seguir sempre os Meus Divinos pedidos e Eu os alegrarei de forma especial, como prova da Minha complacência.
    Estes que assim atuarem farão sempre um grande bem às almas; pelo contrário, aqueles que insistirem no desejo de Me tomarem nas suas mãos, encontrarão a Minha Vontade endurecida em muitas coisas, e sentirão dificuldade em conhecer o Meu gosto, a Minha pregação, o Meu Magistério.
    Mas, aqueles que não tocarem com as suas mãos na Sagrada Forma, preparando-se, de forma especial, em todo o seu ser, para na hora de Me tomar em comunhão, Me pedirem que seja apenas Eu, e eles nada, prometo a graça de, em pouco tempo, alcançarem uma altíssima perfeição cristã, que procurarão o Meu Rosto com maior amor, de se esquecerem mais facilmente de si mesmos, de terem sempre o Meu Coração consolado por este gesto, e de receberem maiores Luzes celestiais e terão uma maior alegria eterna vinda do Meu Coração.
    Promessas a quem difundir estas mensagens:
    Àqueles que divulgarem estas promessas, prometo o dom do conhecimento dos corações. Alcançarão uma Glória excelsa no Céu.
    Terão uma vida espiritual, ainda que nem sempre material, tão intensa em tão poucos anos, como se tivessem vivido muitíssimos anos de santidade.
    Encherei de grandes bênçãos os seus familiares.
    Prometo ainda que quanto mais fizerem conhecer estas promessas, mais Me derramarei sobre eles.
    Farei com Me que sintam de modo intenso, numa plenitude crescente,
    Não permitirei que empreendam desígnios que não sejam do Meu agrado.
    Porei no seu caminho uma Luz tão forte de modo a que, com a Minha superabundante assistência, evitem o mal e façam não só o bom como principalmente aquilo que mais Me agrada.
    Dar-lhes-ei ainda mais graças, incontáveis, se as divulgarem com fervor. Será considerada uma grande omissão não dar a conhecer as Minhas promessas.
    Observação: Embora a pessoa que recebeu a mensagem não queira se identificar, ela está sendo postada com base no exemplo do nosso Santo Padre Bento XVI. Todos os que comungarem com ele deverão estar de joelhos e receber a Santíssima Eucaristia na língua.
    Fonte: http://rainhadetodosospovos.blogspot.com.br/2012/12/diga-nao-comunhao-na-mao.html

    Deputado gay no Brasil ofende o Papa após o seu primeiro tweet, católicos reagem





    BRASILIA, 19 Dez. 12 / 05:03 pm (ACI).- Após o primeiro tweet do Papa Bento XVI no dia 12 de dezembro, o deputado homossexual brasileiro Jean Wyllys publicou em sua conta de twitter várias ofensas ao Santo Padre, referindo-se a ele como “potencial genocida” e “hipócrita”. Diante das acusações de Wyllys, católicos no Brasil reagiram e pediram uma retratação do parlamentar por ter ofendido o líder da religião da maioria da população brasileira e um chefe de estado. 


    Esta não foi a primeira vez que o deputado e ativista das causas LGBT no Brasil insulta o Papa e levanta acusações à Igreja. Entretanto, os insultos do deputado não ficaram sem respostas por parte dos cristãos brasileiros.


    O blogueiro católico Vanderlúcio Souza escreveu ao deputado que com suas posturas ele “ofendia um Chefe de Estado”.  


    “Católicos pedem tolerância e que o deputado pare de semear o ódio”, escreveu Vanderlúcio.


    Em resposta, o deputado gay escreve: “No dia em que o papa deixar de “semear ódio” e intolerância nesses casos, eu deixarei de reagir; do contrário, não me calo”, e também publicou:

    “E vá ver o sentido de hipócrita para usá-lo corretamente: se há hipócrita, esse é o @pontifex”.


    Em outros tweets o deputado afirma ainda sobre o Papa Bento:

    “Um líder religioso que foi membro da juventude nazista e ofende os homossexuais e sua luta? Não merece respeito!”.

    “Genocida em pontencial* –> “Papa considera o casamento igualitário “uma ferida grave infligida à justiça e à paz”.

    (*NdE: erro de português cometido pelo deputado).


    O parlamentar brasileiro ainda levanta acusações contra a Igreja católicacriticando sua postura frente aos preservativos, acusando-a de fazer silêncio ante o casos de abusos sexuais por parte de alguns clérigos e de acumular dinheiro.


    “É lamentável a postura do deputado Jean Wyllys em semear o ódio ao chamar o líder máximo da Igreja Católica e chefe de estado, Bento XVI, de hipócrita. Ainda mais por meio de uma rede social”, disse a ACI Digital Vanderlúcio Souza.


    “Vale dizer que o povo brasileiro, majoritariamente religioso, é uma nação ordeira e que convive harmoniosamente com todos os segmentos e grupos da sociedade. Atitudes como esta do parlamentar apenas incita ao preconceito e à intolerância”, destacou o blogger.


    Por outra parte, a Dra. Renata Gusson, conhecida no meio católico e pró-vidapor um vídeo no Youtube no qual ela afirmou a membros da subcomissão permanente da defesa da mulher em Brasília que abortistas não representam as brasileiras, também se manifestou enviando uma cart

    a ao deputado Jean Wyllys.


    Na sua missiva a Dra. Gusson escreve ao deputado e ativista homossexual brasileiro:


    “O senhor, em uma clara mensagem que incita o ódio e a humilhação ao Papa, afirma diversas acusações contra a Igreja Católica. Duas coisas me chamaram a atenção: primeiro, o senhor, como uma pessoa pública e representante do povo brasileiro que o elegeu (este povo, que em último censo realizado pelo IBGE mostrou-se majoritariamente religioso), teve uma postura desrespeitosa e impertinente”.


    “Gostaria de lembrá-lo que o Papa é um chefe de Estado. Aos chefes de Estado deve-se o respeito e a consideração, por mais que discordemos de suas posturas éticas, filosóficas ou religiosas. O senhor, neste ponto, considerou-se acima do respeito devido a um chefe de Estado”.


    “Em segundo lugar, eu quero pedir-lhe que me envie as fontes “primárias” que comprovem TODAS as acusações que o senhor levantou contra a Igreja Católica”.


    “O senhor em seus comentários deveria, por força de justiça, junto com suas acusações à Igreja, dizer quais foram os bens legados e ainda hoje mantidos pela MAIOR INSTITUIÇÃO DE CARIDADE EXISTENTE NA FACE DA TERRA. Se não o fez, prova que a intenção não era a de simplesmente discordar da visão do Santo Padre e da Igreja Católica”, afirmou Renata Gusson, católica, mãe de família e membro do movimento pró-vida em São Paulo.


    “Concluo esta mensagem pedindo-lhe que venha a público desculpar-se pelo viés causado por suas mensagens e também pedir-lhe que, em uma próxima vez, lembre-se que com a fé das pessoas não se brinca; se respeita, por mais que dela discordemos”, finalizou a Dra. Gusson.


    Para manifestar-se contra as declarações do deputado Jean Wyllys sobre o Santo Padre os usuários podem ligar para o gabinete do parlamentar em Brasília: 

    Tel: (61) 3215-5646



    O twitter do deputado é: @jeanwyllys_real

    Fonte:  http://www.acidigital.com/noticia.php?id=24634