Card. Pell: “Haverá uma grande reforma na Cúria. Francisco quer o Vaticano como um lugar onde as pessoas levem à sério o serviço a Cristo e aos outros”




Cidade do Vaticano (RV) – O Cardeal-arcebispo de Sydney, George Pell, um dos oitos Cardeais nomeados como Conselheiro do Papa Francisco, prevê uma “mega reorganização da Cúria Romana” e espera que se encontrem métodos mais eficazes para a seleção de seus membros. Falando ao Vatican Insider, o Cardeal afirmou que “o Papa que temos agora é diferente e está realizando muitas coisas”.
O Cardeal considerou o encontro do Papa Francisco com os motociclistas das Harley Davidson como “emblemático”. “O Papa se sentiu completamente à vontade com eles e os abençoou – observou Pell. É um Papa que compreende a importância dos símbolos. Ele escolheu Francisco como nome. São Francisco de Assis caracterizou-se por muitas coisas, entre as quais um ditado atribuído a ele, em que, dirigindo-se a seus irmãos, disse: ‘Preguem o Evangelho com ações e se necessário, usem as palavras’. Acredito que o Santo Padre entenda muito bem tudo isto e por esta razão o seu estilo de ensino é bastante diferente daquele de Bento XVI. Alguém disse que Bento era um bom professor para os intelectuais, bispos e padres, mas Francisco é muito mais imediato e direto, e fala às pessoas comuns”, afirmou.
Sobre a decisão de Papa Francisco em permanecer na Casa Santa Marta, o Cardeal Pell afirmou que ele gosta de companhia e arriscou um palpite: “é a escolha de um homem que não quer ser controlado. E eu sou a favor dos Papas que agem como Papas”
Ao analisar os primeiros cem dias de pontificado, o Cardeal-arcebispo de Sydney mostrou alguma preocupação em relação à saúde de Francisco, especialmente devido ao seu ritmo de trabalho: “Penso que ele deveria cuidar de sua saúde. Não é mais jovem e está trabalhando sem descanso. Obviamente, que é muito forte, mas penso que todos estejam interessados de que ele não exagere, ou melhor, que trabalhe duramente mas de uma forma correlata às suas forças. Francisco está trabalhando num ritmo extraordinário”.
O Papa decidiu passar suas férias de verão no Vaticano. O Cardeal Pell afirmou que gostaria muito que Francisco fosse a Castel Gandolfo, mas “ele é um jesuíta do velho estilo, fez um juramento de pobreza e o está levando muito a sério”. Além disto, o purpurado também atribuiu a não ida de Francisco a Castel Gandolfo, à ida de Bento XVI, que poderá passar uma temporada na Casa de verão dos Papas.
Perguntado se o estilo de vida simples de Francisco faria com que tantos bispos e sacerdotes repensassem seu estilo de vida à luz deste modelo, o Cardeal-arcebispo de Sydney afirmou não ter dúvida quanto a isto: “o estilo de seu pontificado, seus ensinamentos e seu modo de viver, afetam a vida de toda a Igreja. Certamente, o Papa Bergoglio não quer que o Vaticano seja visto como uma corte renascentista ou do século XVIII, mas sim como um lugar onde as pessoas levam a sério o serviço a Cristo e aos outros”.
O Cardeal Pell é um dos oito cardeais escolhidos como conselheiro do Papa. Na sua opinião, ao invés de partir de uma grande reorganização da Cúria – que será realizada em grande parte -, deve-se “concentrar em alguns problemas concretos. Por exemplo, deveríamos nos perguntar se o Vaticano tem um número suficiente de transcritores e sobre o número de pessoas com doutorado que passam o tempo transcrevendo. Este é apenas um pequeno exemplo dos problemas práticos que existem hoje.”.
O Cardeal Pell também observou que é necessário melhorar “a disciplina e o aspecto motivacional”. “Eu acho que Francisco fez grandes progressos no que tange ao IOR, mas poder-se-ia fazer muito mais. Para ser mais específico, eu acho que se deveriam realizar inspeções externas a cada ano, como é feito em qualquer lugar no mundo anglo-saxão. Além disso, nas realidades vaticanas que lidam com a comunicação, existe uma falta de coordenação e se gasta muito em determinadas agências. Estes são alguns aspectos práticos que precisamos resolver”. (JE)


NEWS VA

STJ homologa anulação de casamento religioso decretada pelo Vaticano


 

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Felix Fischer, homologou sentença eclesiástica de anulação de casamento religioso, confirmada pelo Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica, no Vaticano, com base no que prevê o acordo firmado entre o Brasil e a Santa Sé, relativo ao Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil (Decreto 7.107/10). 
Este foi o primeiro pedido de homologação de sentença eclesiástica processado nos termos do estatuto. 
O decreto estabelece que as decisões eclesiásticas confirmadas pelo órgão superior de controle da Santa Sé são consideradas sentenças estrangeiras, que têm valor legal no Brasil. Com a decisão do STJ, os ex-cônjuges passaram de casados para solteiros, uma vez que a homologação da sentença eclesiástica resultou também na anulação do casamento em termos civis. 
Isso porque, segundo o artigo 12 do acordo Brasil-Vaticano, o casamento celebrado em conformidade com as leis canônicas, que também atender às exigências estabelecidas pelo direito brasileiro, produzirá efeitos civis. 
Declaração de nulidade
O Código de Direito Canônico, promulgado em 1983, exige que a declaração de nulidade, para ser válida e dar direito a um novo casamento, seja dada por, pelo menos, dois tribunais diferentes. Então, se o primeiro tribunal aprovou a declaração de nulidade, dentro de 20 dias ele é obrigado a encaminhar todo o processo a um segundo tribunal. Depois do tribunal de segunda instância, cabe ao Vaticano confirmar a sentença. 
Inicialmente, o marido pediu a anulação do casamento religioso ao Tribunal Eclesiástico Interdiocesano de Vitória, acusando a mulher de pedofilia. A sentença deferitória foi confirmada pelo Tribunal de Aparecida (SP) e, depois, pelo Vaticano. 
Ao homologar a sentença estrangeira, o ministro Felix Fischer considerou que o pedido não ofende a soberania nacional, a ordem pública nem os bons costumes.

Luan Santana, Fafá e Ana Maria Braga são algumas das atrações da JMJ

Os Atos Centrais da Jornada Mundial da Juventude contarão com a participação de Luan Santana, Fafá de Belém, Tony  Ramos, Cássia Kiss, Eriberto Leão, Murilo Rosa, Lívia Aragão, Ana Maria Braga e mais de 300 cantores da música católica mundial. A divulgação foi feita pela organização do evento durante uma coletiva realizada na manhã desta quinta-feira (27).
Os principais atos são a Missa de Abertura, Cerimônia de Acolhida, Via Sacra, Vigília e Missa de Envio. Copacabana, na Zona Sul, e Guaratiba, na Zona Oeste do Rio, serão os grandes palcos das atrações artísticas. A programação inclui uma série de atrações culturais, com música, dança e do teatro, envolvendo aspectos da cultura e da fé católica no Brasil e no mundo. No total, serão quase 800 artistas entre cantores, dançarinos, atores e músicos.
O que é a JMJ
Criada pelo Papa João Paulo II, em 1984, a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) é o maior encontro internacional de jovens com o Papa. A última edição, em 2011, reuniu mais de 2 milhões de pessoas em Madri. Realizado a cada três anos, o evento mudou de data para não coincidir com a Copa do Mundo, em 2014. Leia mais
Ulysses Cruz é o diretor artístico da Jornada Mundial e falou que a inspiração de todos os atos é a arte contemporânea. Segundo ele, Luan Santana foi escolhido porque é uma figura jovem. Além de cantar na Vigília, Luan será um dos 50 integrantes que montarão simbolicamente uma igreja, durante encenação no palco de Guaratiba. O ator Tony Ramos também estará em Guaratiba e abrirá um momento de reflexão.
Programação

Na Missa de Abertura, dia 23, os peregrinos contarão com shows do Ministério Shalom, a cantora Celina Borges e alguns artistas internacionais do mundo católico.

A chegada da Cruz Peregrina e do Ícone de Nossa Senhora também terão destaque. Os símbolos estão no Brasil desde setembro de 2011 e passaram por 250 dioceses de todos os estados do país. Eles serão recebidos pelos cantores que interpretarão a canção “Emanuel”, acompanhados da Orquestra Sinfônica de Barra Mansa e do Coral Carioca JMJ, formado por 100 vozes da música católica do Rio. Quem dará as boas vindas ao Papa é o padre Fábio de Mello, que cantará a música “Seja Bem-Vindo”, composta pelo próprio padre e que faz parte do CD “No coração da Jornada”.
Fafá de Belém vai cantar para o Papa no dia 25 de julho (Foto: Andressa Gonçalves/ G1)
Fafá de Belém vai cantar para o Papa no dia

25 de julho (Foto: Andressa Gonçalves/ G1)

Devota de Nossa Senhora de Nazaré, Fafá de Belém vai cantar no dia da Cerimônia de Acolhida do Papa, dia 25, uma música inédita composta pelo padre Fábio de Melo. Ela vai interpretar a canção-tema do Círio de Nazaré no momento em que serão apresentadas atrações regionais. A nova cantora católica Nazaré Araújo será apresentada no palco pela artista.
“Eu já me apresentei para João Paulo II, em 1997, e espero que também seja especial para o Papa Francisco. O Brasil sairá outro depois do dia 29 de julho”, disse a cantora por Skype, durante a coletiva.
No mesmo dia, também vão se apresentar o jovem tenor Jean William, a Banda Anjos de Resgate e Banda Dominos. “Eu cresci cantando na igreja. E ver a Jornada incluindo esses jovens artistas cristãos é muito bonito. Poder cantar na Jornada e rezalizar o meu sonho e o dos meus avós é um sonho para mim”, disse o jovem Jean William.
Via-Sacra na Jornada Mundial de Madri, em 2011 (Foto: Divulgação/JMJ Madri 2011)
Via-Sacra na Jornada Mundial de Madri, em 2011

(Foto: Divulgação/JMJ Madri 2011)

Via Sacra

A Via Sacra é um dos momentos mais esperados pelos peregrinos. A encenação em Copacabana, no dia 26, contará com a atuação da atriz Cássia Kiss, como Maria, mãe de Jesus, e a participação dos atores Eriberto Leão, Murilo Rosa, Lívia Aragão e da apresentadora Ana Maria Braga. As estações da Via Crucis serão representadas por 300 voluntários em 13 “quadros vivos” pela orla.

São 14 estações que ocuparão 900 metros da Avenida Atlântica numa encenação de 1 hora e 15 minutos. A última estação será representada no palco principal, o do Papa Francisco. Elas mostram os últimos passos de Jesus até a sua morte e Ressurreição. A encenação começar na Rua Paula Freitas, onde estará a Cruz peregrina.
Para marcar as estações, fragmentos da via dolorosa serão replicados numa estrutura de três metros de altura, criada pelo cenógrafo Abel Gomes. As réplicas serão preenchidas pelos “viajantes do tempo”. São 300 voluntários que encenarão formando um quadro vivo.
“Essa é a Via Sacra do Jovem Solidário, onde o jovem solidário é Jesus. As estações farão referência ao sofrimento de Jesus e o jovem hoje. A Via Sacra é radical e polêmica. Mas não é polêmica de forma vazia, é um radical para causar reflexão. Vamos defender a vida, por exemplo. Ficou mais bonito que eu sonhei”, disse Ulysses Cruz, diretor artístico da Jornada Mundial da Juventude.
A cena de cada estação encerra quando o quadro é completamente montado pelos voluntários. Nesse momento, um ator convidado lê um trecho bíblico feito pelos padres Joãozinho e padre Zezinho. Uma lista de 14 artistas conhecidos são responsáveis por esse momento, Ana Maria Braga, Murilo Rosa, Lígia Aragão e Eriberto Leão fazem parte do time. Eles não vão estar representando personagens, farão as reflexões como pessoas normais, sem figurino.
Ulysses disse ainda que a inspiração de todo o espetáculo é a arte contemporânea. “A Via Sacra é o grande dia de oração, reflexão e preparação do jovem. Mas eu me preocupei em fazer algo que os jovens não achassem chato. Trabalhamos com a ideia de Jesus de forma subjetiva. Não terá apenas um ator para representar Jesus.”
Após a reflexão, pessoas que se aproximam com a realidade do terma da estação farão uma meditação. Uma delas, será feira por um jovem que trabalha num presídio.
Na parte musical, vão se apresentar a Comunidade Canção Nova, Martín Valverde, Ziza Fernandes, Olívia Ferreira e atrações internacionais que também estarão presentes na Vigília.
Show de Luan Santana no São João da Capitá (Foto: Flávio Alves / G1)
Cantor vai cantar e participar de encenação

(Foto: Flavio Alves/ G1)

Guaratiba

Já em Guaratiba, dia 27, o cantor Luan Santana se junta ao time de artistas católicos, como padre Marcelo Rossi, padre Reginaldo Manzotti, Irmã Kelly Patrícia e Banda Dom, Tony Alisson. Ele vai cantar a Oração de São Francisco para homenagear o Papa. Serão 13 shows com cerca de 50 atrações reunidas.

“Luan é um dos voluntários da Jornada Mundial. Foi a forma que a igreja encontrou de ter uma participação jovem. Nós o convidamos porque ele é um exemplo, não está envolvido em escândalos, tem uma trajetória bonita, era um menino pobre e se superou. Como trabalhei no Criança Esperança, eu conheço todos esses artistas, mas ele eu sei que canta de verdade. Ele fará uma versão sinfônica, diferente de tudo que ele já fez. Os arranjos vêm lá do tempo de São Francisco e ”, disse o diretor Ulysses Cruz.
São esperados para os Atos Centrais mais de um milhão de peregrinos de mais de 170 países, entre os dias 23 e 28 de julho.

TOCA COM DANÇA NOVA: A MISSA DA MINHA VIDA

Caríssimos,
Salve Maria!
Mais uma vez  “os filhos de Francisco” chegam com seus musicais e danças, talvez escudando-se na antiga canção do ” Pai Francisco entrou na roda…” Agora a dança é noutro ritmo : a missa.
Um belo presente à Sacrosanctum Concilium, em seu jubileu?
Pe. Marcélo Tenorio.
“A Missa da Minha vida”. O novo musical da Toca de Assis, remontagem do que foi 

apresentado em 2005, aborda a mesma ideia com uma visão totalmente renovada. Quem 

assistiu o primeiro vai se surpreender com essa nova versão, totalmente reformulada e com 

uma linguagem muito mais contemporânea. “Convido você para que viaje comigo nessa 

aventura de olhar para dentro de si!” ( Ir. Tarcísio )

Terroristas das FARC na Câmara de Vereadores de Porto Alegre

Caros amigos e amigas, estou fora do RS desde o dia 30/05. –Porém, estava em Porto Alegre nos dias 24, 25 e 26 quando esse evento ocorreu, na Câmara de Vereadores da capital gaúcha, sem que a imprensa divulgasse nada.

As perguntas que se impõem e que todo Gaúcho, pelo menos medianamente politizado, deveria estar fazendo a si mesmo e ao governador Tarso Genro, são:
 
1) Por que essa reunião das FARC foi acolhida pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul? – O quê o Rio Grande do Sul tem  ver com as FARC colombianas? – OU – será que o atual governo tem muito a ver com esse movimento terrorista e narcotraficante? – O atual governador e seu partido devem algo às FARC colombianas e, consequentemente, ao tráfico de drogas? – Será este patrocínio ao evento,concedido que foi pelo governador Tarso Genro uma  RETRIBUIÇÃO???
 
2) Por que nenhum órgão de imprensa publicou o evento ou se o fez, foi sem o devido destaque para o indispensável conhecimento do povo gaúcho? – Se a imprensa se manteve calada foi por medo de algo por CONIVÊNCIA? – Se foi por medo, que imprensa é essa que se apequena e se submete sem qualquer reação? – Se foi por CONIVÊNCIA o que restará ao Povo Gaúcho a não ser revoltar-se, já que tanto a Imprensa como Autoridade alguma o fez e, assim, como se cordeiros fossem, permitiram essa absurda reunião das FARC, no recinto da Câmara de Vereadores de Porto Alegre, sem fazer qualquer comentário a respeito, e se alguma autoridade o fez, fê-lo tão timidamente que pode até ter parecido também uma CONIVÊNCIA, inclusive de Militares de quaisquer ramos das Forças Armadas que, em não tendo reagido, permitiram a violação do Território Nacional por Forças Militares estrangeiras. 

Afinal o evento e suas palestras de forte conteúdo ideológico revolucionário foram ministradas sob coordenação do ELN, (Exército de Libertação Nacional da Colômbia), uma Força Militar alienígena, portanto, que, em hipótese alguma, nossas Forças Armadas poderiam ter permitido que invadisse Solo Pátrio, uma vez que esse evento significou uma Invasão do Território Brasileiro, objetivando minar a já enfraquecida opinião política do brasileiro médio com ideias revolucionárias beligerantessorrateiramente disfarçadas sob uma proposta de PAZ(???)para a América Latina?

 3) Por que o evento foi organizado pelo governo do Estado e patrocinado pelo erário, obrigando o povo gaúcho a dele participar, financeiramente, mesmo sem ter conhecimento prévio algum dos objetivos do governo do Estado e, além disso, o que se sobrepõe, sem ter qualquer interesse direto em assuntos internos de um país estrangeiro, a não ser que o evento objetivasse estancar a sangria constante e crescente do Tráfico de Drogas oriundo da Colômbia e que invade nosso território, diariamente, com toneladas de drogas que acabam por resultar no aumento assustador da criminalidade em nosso país, sem falar na enorme influência desse mesmo tráfico no campo da política nacional, ajudando com significativos recursos Financeiros a decidir eleições?

 4) Por fim, estará o Povo Gaúcho disposto a patrocinar Forças Militares estrangeiras, Terroristas e Traficantes de Drogas permitindo, alienadamente, que o governador do Estado promova o furto sorrateiro de recursos públicos para viabilizar o aumento incessante da criminalidade no Estado e no País? – Por mais desinteressados e inconscientes, politicamente falando, que alguns filhos desta terra estejam precisamos unir forças a fim de reagir contra as ações ditatoriais, abusivas e desrespeitosas que o governador Tarso Genro vem adotando, desde o início de seu péssimo governo, a começar peladesordem que conseguiu impor nas finanças públicas e que vem, ao longo de muitos equívocos administrativos e demonstrações cabais de incapacidade gerencial sobre a coisa pública, concluir, agora, com o patrocínio, às expensas de nossa surrada guaiaca, de ações de Traficantes e Terroristas estrangeiros.

 Parece (apenas parece) que nossas Autoridades Civis e Militares depuseram as armas, pelo menos as da palavra; afirmo que parece, porque como poderiam depô-las se nem sequer as empunharam neste inaceitável caso de Abuso de Autoridade por parte do governador do Estado???

    Portanto, irmãos desta gloriosa terra, ou reagimos já, imediatamente, antes que o governador Tarso Genro comece a achar que é um novo Lenin ou Stalin encarnados porque, se não mostrarmos que o Rio Grande do Sul não aceita esse absurdo não poderemos mais ser chamados de GAÚCHOS uma vez que esse termo, de que tanto nos orgulhamos, somente pode merecer quem como GAÚCHO se conduz diante dos invasores desta terra que sempre foi nossa, e, portanto, sempre teve dono, desde muito antes de Sepé Tiarajú, mas ao que tudo parece, Tarso Genro, do alto de sua rompante incompetência administrativa, tudo leva a crer que pretenda entregar aos narcotraficantes da Colômbia ou a quaisquer outros que eventualmente paguem mais à “caixinha 2” das campanhas eleitorais do Partidão.

   Abraço a todos e vejam a matéria, abaixo, divulgada pelo Jornalista Políbio Braga, um dos poucos que não se cala diante dos desmandos do atual governador do Rio Grande.

Edgar P. Wieczorek
 
31 de maio de 2013
 
 
 
A mídia brasileira, inclusive gaúcha, não deu um pio acerca deste famigerado encontro em Porto Alegre. CLIQUE AQUI para saber mais. 

Entre os dias 24 e 26 de maio, a Câmara de Vereadores de Porto Alegre-RS serviu de palco para mais uma manifestação pró-FARC no “Foro pela paz na Colômbia”, promovido pela “Marcha Patriótica-Capítulo Brasil”, uma ONG das FARC que realiza o trabalho de massas. O evento contou com a presença de membros das FARC no Brasil, inclusive com status de “exilados”, como é o caso de Francisco Cadena Collazos, cognome “Oliverio Medina”, mas com esse evento em Porto Alegre tomei conhecimento de que há mais um exilado e é evidente que se trata de um membro das FARC.

O governo estadual do PT do RS pagou passagens e considerou hóspedes oficiais os mais representativos participantes do evento.

Na tarde do dia 25 estava programada uma vídeo-conferência entre os participantes do evento e os “negociadores da paz em Havana”. Entretanto, os “negociadores” ouvidos foram apenas os das FARC, evidenciando que não há interesse na paz da Colômbia, e sim respaldar e fortalecer politicamente o bando terrorista.

Também é importante notar que esse encontro contou com a presença de uma deputada do Euskal Erría, o partido político do bando terrorista ETA. 
 

A reunião de terroristas e simpatizantes das FARC, Colômbia, que saiu na Câmara de Vereadores de Porto Alegre nos dias 24, 25 e 26, foi apoiada decididamente pelo governo Tarso Genro. 
Tarso mandou pagar as passagens de dezenove integrantes de movimentos sociais e partidos de esquerda da América Latina.
Por videoconferência, desde Havana, dois terroristas das FARC falaram com os participantes da reunião.
Não satisfeito, o governador baixou decreto, considerando-os hóspedes oficiais do Estado. 
 
As relações entre o PT e as FARC são antigas e notórias, envolvendo até mesmo dinheiro do narcotráfico colombiano para o pagamento de campanhas eleitorais do Partido. Documentos secretos da ABIN, do próprio governo, desvendaram a cumplicidade e continuam causando escândalo. Em 2002, as FARC alcançaram US$ 5 milhões para as campanhas petistas. 
CLIQUE AQUI para examinar reportagem de Veja sobre o dinheiro e as relações carnais entre os terroristas das FARC e o PT.

Fonte:  Políbio Braga
 

TENTATIVA DE GOLPE NO BRASIL





Reinaldo Azevedo

Proposta de Constituinte é inconstitucional. Trata-se de uma tentativa de golpe bolivariano. Ou: Conforme previ, petismo tenta saída à esquerda. Não estou surpreso. Nem vocês!
Constituinte exclusiva para fazer reforma política é golpe. É evidente que se trata de uma proposta inconstitucional, que não passaria no Supremo — aos menos, espero que não. Se passasse, então seria sinal de que estaríamos no reino onde o perdão seria desnecessário porque não haveria mais pecado.
Pois é… Eu conheço esses caras e essas caras. Sei como pensam. Sei com quais categorias operam. Sei como funcionam. Tenho advertido aqui há três semanas que esse negócio de ser reverente às massas na rua acaba dando em porcaria.
Uma coisa é ser contra congressistas que não prestam. Outra, distinta, é hostilizar o Congresso. Uma coisa é criticar uma justiça lenta e ineficaz. Outra, distinta, é hostilizar o Judiciário e as leis.
A ideia de uma Constituinte exclusiva para fazer a reforma política é de Lula. E é antiga. Dilma, quando candidata, defendeu essa ideia numa entrevista ao programa Roda Viva. Não conseguiu dizer direito nem por que queria governar o Brasil, mas veio com essa história. Escrevi a respeito em julho de 2010. Felizmente, ao longo de sete anos, completados hoje, este blog se manteve no prumo e no rumo. Na sua proposta, também a reforma tributária seria feita por essa “Constituinte”. Como ela se operaria? A “Assembleia da Reforma Política” seria bicameral ou unicameral? Representaria só os cidadãos ou se tentaria garantir o equilíbrio federativo já no processo de representação? Vai saber o que se passa pela cabeça tumultuada de Dilma Rousseff. Eu sei o que se passa na cabeça da cúpula do PT: criar mecanismos para se eternizar no poder.
É um escárnio!
O Brasil passou pelo impeachment.
O Brasil passou pela crise dos anões do Orçamento, que dizimou reputações no Congresso.
O Brasil passou, e está passando ainda, pela crise do mensalão.
Ninguém falou em Constituinte. Agora, por causa de meia dúzia na rua — ainda que fossem muitos milhões —, os feiticeiros vêm falar em “Constituinte exclusiva”? Por quê? Houve algum rompimento da ordem?
Boa parte da reforma política necessária pode ser feita por legislação ordinária. É raro o caso em que se precisa de emenda, só aprovada com três quintos das duas Casas. E por que não se chega a lugar nenhum? Porque o governo não tem rumo e porque, como em jornada recente, os petistas querem impor uma reforma que o beneficie, que torne as eleições meros rituais homologatórios. Ora, Dilma não recebe em palácio esses patetas do Passe Livre por acaso.
Não acho que essa porcaria vá prosperar, mas é claro que estou preocupado. Ao mesmo tempo, fico satisfeito. Então eu não estava doido, não! Muita gente boa se perdeu nesse processo porque não conseguiu resistir ao encanto das massas na rua. Uma coisa é reconhecer — e isto eu sempre reconheci — que existem bons e enormes motivos para protestar. Outra, distinta, é não distinguir o ataque à roubalheira e aos desmandos do ataque às instituições.
Que fique claro:
– sapatear no teto do Congresso agride a Constituição;
– botar fogo no Itamaraty agride a Constituição;
– impedir o direito de ir e vir — SENHOR MINISTRO LUIZ FUX — agride a Constituição;
– promover quebra-quebras de norte a sul do país, cotidiana e reiteradamente, agride a Constituição.
Certa estupidez deslumbrada se esqueceu da natureza dessa gente. Os que estão nas ruas não obedecem a nenhum comando, mas estão lidando com forças organizadas. Daqui a pouco, lembrarei que tipo de reforma política quer o PT e por quê.
Conheço a crítica segundo a qual citar o nazismo como exemplo tende a ser inócuo porque nada se iguala aquilo e coisa e tal… Mas não dá para ignorar: parte dos liberais e dos democratas brasileiros resolveu, nestes dias, se comportar como os liberais e social-democratas da República de Weimar.

NOSSA SENHORA APARECE EM PERNAMBUCO > COMUNISMO: “O SANGUE QUE INUNDARÁ O BRASIL”



Caríssimos filhos,
Salve Maria!

Ponho aqui, de forma mais concisa, o relato das Aparições de Nossa Senhora das Graças no Sítio Guarda, em Cimbres, Pernambuco. Das duas videntes, uma morreu logo, mas a outra, Ir. Adélia, conheço bem. Sou ex- aluno do Colégio das Damas Cristãs e estive muitas vezes com ela, em bons colóquios. Simples, lúcida e extremamente humilde. Sua vida foi fugir dos holofotes. Guardou silêncio sobre tudo o que tinha ocorrido. Quando noviça, outras religiosas da época ( e estas me falaram) sabiam que ela era a vidente de Cimbres, mas havia uma proibição expressa para que nada lhe fosse indagado e Ir. Adélia, por sua vez, guardava no coração todos os fatos acontecidos. Mas nos anos 80 veio-lhe um terrível câncer e vendo-se morrer aos poucos, pediu à sua Superiora permissão para falar sobre tudo e assim não morrer com essa preciosa lembrança. Não só recebeu permissão,mas a própria Congregação, no que pode, ajudou a divulgar os fatos ali ocorridos…E uma multidão começou a peregrinar. Eu mesmo fui ali várias vezes para rezar…

Nossa Senhora, ao final, disse-lhes que não mais apareceria ali, em Cimbres. Estavam encerradas as aparições.
Mas antes advertiu sobre o Comunismo que chegaria ao Brasil e que um rio de sangue inundaria nossa Pátria. Perguntada se seria para logo, Nossa Senhora respondeu: “Mais tarde,  não agora.” Era o ano de 1936…..

Ir Adélia, após a divulgação de tudo, ficou miraculosamente curada de seu câncer e ainda vive na enfermaria do Colégio das Damas Cristãs, em Recife.

Em nada me antecipo ao juízo da Igreja, claro, mas não posso negar que essa Aparição de Nossa Senhora das Graças sempre foi aprovada por todos os bispos diocesanos de Pesqueira, diferente das mentirosas aparições de Medugorje.
Vamos aos relatos. Boa leitura!
E quem tiver “ouvidos para ouvir”……que ouça!

Pe. Marcélo Tenorio
***

O local da aparição de Nossa Senhora está localizado na reserva indígena dos Xukuru, área em constante conflito. Por isso, a Prefeitura de Pesqueira construiu um novo Santuário ao lado do Cruzeiro da cidade. O novo Santuário de Nossa Senhora das Graças possui uma gruta de quatro metros de altura. Em seu interior está a imagem da Santa, com quase dois metros de altura. O santuário possui uma capela construída pela diocese de Pesqueira.
* * *
Foi no ano de 1936, dia 6 de agosto, que Arthur Teixeira mandou sua filha Maria da Luz com Maria da Conceição fossem ao sítio para colher sementes de mamona. Obedientes seguiram as duas, conversando sobre o tempo passado de perseguição e perigo. Em dado momento, Maria da Luz perguntou a sua companheira: “O que você faria se agora mesmo chegasse aqui Lampião?” – Imediatamente esta respondeu: “Nossa Senhora haveria de dar-nos um jeito para este malvado não nos ofender.” E olhando em direção a serra, ficou por um momento surpreendida. Parecia-lhe ver no alto da serra uma imagem em forma de mulher com uma criança que lhe fazia sinais com a mão. Apontando para a serra disse bem alto: 


“Olha lá uma imagem!” “Maria da Luz olhou na direção apontada e também viu a imagem.” “Uma Mulher bonita com um Menino nos braços.” Por uns momentos, nenhuma ousou proferir palavra alguma, talvez se lembrando da conversa e com a preocupação nos bandidos. Logo, porém cessou a apreensão e ao notarem que esta mulher era muito bonita e seu menino nos braços ainda mais belo, e que esta as chamava fazendo sinais com a mão desocupada. Como consternadas, esquecendo-se até da cesta, correram para casa. Fatigadas, não puderam logo pronunciar palavra alguma no momento em que sua mãe as interrogativa a respeito. Depois, com palavras incompletas, contaram, então, o que viram. Esta, no princípio, admirada, depois de muitas indagações, apenas lhes disse:

 “É engano de vocês, venham almoçar!”. Tendo chegado o Sr. Arthur para o almoço, sua mulher, preparou a mesa, porém as duas meninas não vieram sentar-se. Sentindo a sua ausência Arthur indagou sobre elas e sua mulher contou-lhe as declarações das duas. Estavam as meninas sentadas no oitão da casa, conversando sobre a aparição. Como era bela a mulher e seu filho! Como as tinha chamado! E o desejo de irem lá a fim de vê-la mais de perto. 

Arthur ouvindo a conversa, chamou-as e quis repreendê-las, porém sua mulher lhe pediu que fosse com as meninas ao local a fim de verificar se alguma pessoa lá se encontrava, talvez escondida. Com a foice nas costas e seguido por elas, Arthur seguiu em procura da serra. Atravessou o sítio na sua parte superior e começou a abrir um caminho entre o alastrado xique-xique e macambira. Era difícil fazer um caminho nos rochedos, cobertos de espinhos verdadeiros despenhadeiros. Passados uns vinte minutos ele ainda não tinha alcançado o cume; porém foi grande a sua surpresa em ouvir do alto as duas meninas chamarem-no e com jubilo apontar-lhe o lugar, confirmando a presença da referida imagem.

As meninas, ansiosas de verem a aparição, foram entre espinhos e garranchos, como voando até o lugar, mas sem rasgarem os seus vestidos. Após mil dificuldades, Arthur Teixeira chegou aonde as duas se encontravam e mais admirado ainda se mostrou ao vê-las vencer todas as dificuldades, sem sofrerem coisa alguma.
Cuidadosamente o pai olhou os rochedos e a gruta em frente, porém nada descobriu sobre a imagem da mulher vista pelas crianças. As mesmas se cansaram de mostrar e descrever o lugar onde ela estava, porém todos os esforços de Arthur eram impotentes; nada via quanto à afirmativa das meninas. Já desenganado e convencido de que as mesmas estavam alucinadas, veio-lhe a idéia de mandar perguntar de que se tratava.

Quem é você? Perguntou Maria da Luz, e a imagem respondeu: “Eu sou a Graça”.

Que quer a Senhora aqui? Perguntou novamente.

“Vim para avisar que hão de vir 3 castigos mandados por DEUS. Diga ao povo que reze e faça penitência”.

Surpreendidos pelas palavras da aparição os três voltaram a casa silenciosamente e contaram tudo a D. Auta; logo toda vizinhança sabia do acontecido. Os vizinhos vieram para observar o lugar e as duas meninas iam diariamente ao monte e rezavam. Todas as tardes, ali se rezava o terço e se cantava o Ofício de Nossa Senhora. Muitos iam na fé de ser realmente uma aparição, e muitos por simples curiosidade.

Como era de ser esperar a notícia se espalhou pela região como fogo e de toda parte chegaram fiéis para no lugar rezar e fazer seus pedidos a Nossa Senhora.
No terceiro dia, havendo muitas pessoas presentes, grande parte do povo dizia que só acreditava se a imagem desse um sinal visível para todos. Tristes, as meninas então pediram que desse um sinal a fim de convencer a todos que elas não mentiram. “Darei” disse a imagem. No dia seguinte, 10 de agosto, cedinho, as meninas foram visitar o seu lugar predileto e ao chegarem a imagem lhes apontou logo a água que saía da rocha em frente ao lugar da aparição. Há na rocha uma pequena cavidade sem rachadura e estava cheia d’água e receberam esta resposta: “Para curar doenças”. Triunfantes, as duas pequenas correram para casa a fim de avisar a mãe do ocorrido. 

Foi nesta ocasião que a família toda, acompanhada de muitas pessoas, seguiu ao monte onde se verificou a presença da água e, no lugar onde sempre se colocava a imagem, uma marca branca e, ao lado, duas marcas de pés, sendo uma de mulher e outra de uma criança pequena. Ambas estão gravadas na pedra (rocha). Interrogada, a aparição respondeu que uma das marcas era dela e a outra de seu filho. Com a aparição da água, espalhou-se ainda mais a notícia. De todos os lados confluíam fiéis ao lugar que já chamavam santo. Ao descrever o lugar as meninas falavam ainda de 2 portinhas e uma delas toda cheia de pedras fulgurantes.

Interrogada sobre os castigos anunciados para se realizarem, a aparição nunca os revelou, porém sempre pediu que rezassem muito e fizessem muita penitência.
Também o vigário de Pesqueira, Padre Manoel Marques, ouviu falar da aparição. Ele mandou pedir ao Sr. Arthur que para a festa de 15 de agosto levasse a menina, a fim de que ela assistisse ao retiro das Filhas de MARIA. Seu pai fez conforme o pedido, tendo esta, posteriormente, recebido a fita de “Filha de MARIA”. Depois da MISSA, o vigário falou muito tempo com Maria da Luz e seu pai a respeito da aparição e mandou que ela fosse ao palácio do Exmo. Senhor Bispo Diocesano a fim de lhe contar todo ocorrido.


No dia 15 de agosto de 1936, às 15h30min, recebi (o padre que descreve estes fatos) ordem do Exmo. Senhor Bispo de Pesqueira para atender a um senhor na portaria, o qual tinha vindo com sua filha a fim de fazer declarações perante o Senhor Bispo, referente a uma aparição em seu sítio denominado Guarda. Encontrei realmente um senhor de nome Arthur que parecia ser homem do povo, simples e sem ostentação e que me apresentou sua filha de nome Maria da Luz. Em poucas palavras ele me explicou o seu desejo dizendo que viera a Pesqueira a convite do Padre Manoel Marques, vigário desta cidade, a fim de dar alguns esclarecimentos sobre umas aparições que sua filha e outra menina haviam visto.

Maria da Luz me declarou que, no mês de maio, ela, junto com sua mãe e as suas irmãs, tinham se escondido no mato com medo de Lampião e que neste tempo faziam as últimas novenas no mato. Também disse que, depois dos dias de angústia da passagem de Lampião por aquelas terras, não deixaram de pensar nas façanhas e crimes que ele costumava fazer naquela região. Ainda mencionou que, no dia 6 de agosto, ela na companhia de uma menina mais velha, de nome Maria da Conceição, foram mandadas por seu pai quebrar mamona. Aí estando, Maria da Luz perguntou a Maria da Conceição o que ela faria se Lampião agora viesse repentinamente? Respondeu, então, Maria da Conceição: Nossa Senhora havia de nos proteger. Neste momento, Maria da Conceição olhou para o alto da serra e viu em cima de uma pedra uma visão que parecia chamá-las. “Olhe lá uma imagem e que parece Nossa Senhora” disse Maria da Conceição, mostrando a direção onde via a referida imagem.

Maria da Luz, então, olhando, notou a mesma imagem. Ambas foram para casa e contaram o ocorrido aos pais. Depois do almoço, o pai descrente das declarações das meninas, mas atendendo ao pedido de sua mulher, foi com elas até o dito lugar e com mil sacrifícios conseguiram subir até o lugar onde as meninas viram a imagem. Elas mostraram e descreviam a imagem sem ninguém, no entanto, vê-la. A conselho do pai, as meninas então perguntaram a dita imagem: Quem é você? A imagem respondeu: “Eu sou a Graça.” Perguntaram o que queria? E esta respondeu: “Vim para avisar que hão de vir 3 castigos mandados por Deus.” E continuou: “Diga ao povo que reze muito e faça penitência.” Desta data em diante, as meninas não deixaram de ver a imagem, motivo pelo qual queriam sempre ir ao local e falar com ela. O acontecimento espalhou-se logo e em poucos dias tornou-se o local ponto de uma verdadeira romaria.

No dia 20 de agosto, fomos, eu (o padre que o Bispo encarregou de acompanhar o caso e que descreve estes fatos) e o padre Marques (vigário da paróquia), ao sítio Guarda, onde na residência encontrei a família e as duas meninas. Maria da Luz com 13 ou 14 anos de idade, simples e, conforme parece, muito devota de Nossa Senhora; a segunda, Maria da Conceição, de menor estatura, porém de 16 anos de idade.

A residência era uma casa de campo cheia de quadros de santos nas paredes. A mãe de Maria da Luz apresentou-se como zeladora do Coração de Jesus pertencente ao apostolado de Cimbres. A família era numerosa e, segundo parece, cristã. Depois de um pequeno descanso Maria da Luz disse: “Enquanto o senhor e o padre subiam a serra, estive com Maria da Conceição na pedra. Nossa Senhora me disse que o padre já vinha; ela riu-se muito. Mandou que fôssemos enfeitar a casa para recebê-lo.” Seguimos (os dois padres) com o pai e as duas meninas ao local que fica 400 ou 500 metros distantes da casa, entre serrotes e em cima de uma laje que só se pode subir com os pés descalçados. No caminho de ida para o local, perguntei: “Por que a imagem queria falar justamente comigo?” As duas meninas disseram: “Nós perguntamos se ela queria falar com um Padre, como o senhor mandou, então ela respondeu que 
sim.

. Qual o Padre, perguntamos. Padre Marques (vigário da paróquia)? E ela disse: Não. Quer a senhora um Frade? Ela disse que não; quer padre Alfredo? Ela disse que não. Qual então quer? Pois não sabíamos o nome do Senhor, e ela disse: “O Padre que escreveu as perguntas.” 

Com muito sacrifício chegamos a um ponto do qual se avista o local. As meninas disseram logo: “Olhe… Ela está na porta e está nos abençoando. Parei e olhei com atenção, porém nada pude ver. Tive um sentimento singular, porém não consegui ver a referida imagem. Subi e observei o local: um verdadeiro despenhadeiro. Um local mais alvo do que os lugares vizinhos, parecendo assim como uma toalha branca estendida entre as pedras. Abaixo da pedra uma pequena gruta e ao pé desta um lugar molhado (de água). Pedi ao Sr. Arthur que se retirasse, como também que Maria da Conceição fosse mais para baixo a fim de não ouvir as perguntas que faria a cada uma delas.

Pedi então a Maria da Luz que ela me dissesse se ela via Nossa Senhora, ela me respondeu: Vejo-a aqui, mostrando o lugar mais claro. Disse-lhe então: Pois peço-lhe em nome de Nossa Senhora que me diga apenas a verdade e não minta. Como é a figura de Nossa Senhora que você vê? 

Maria da Luz me disse: ela é semelhante a Nossa Senhora do Carmo da Catedral de Pesqueira, porém o manto dela é azul e o vestido creme e tem uma faixa. Tem um menininho no braço esquerdo e ambos têm uma coroa muito bonita na cabeça. Vejo o pezinho dela e o menino está com o braço no pescoço. Perguntei-lhe: o que é que você chama creme? Maria da Luz respondeu-me: Uma coisa entre o branco e o amarelo. 
Fiz descer Maria da Luz e chamei Maria da Conceição. Esta fez as mesmas afirmações que Maria da Luz sem qualquer diferença. A fim de observar se ela dizia verdade ou não, disse-lhe: olhe, minha filha, a outra disse que Nossa Senhora estava do lado de cá. Como é que você me diz o contrário? Maria da Conceição olhou e depois me disse: Lá eu não vejo. Compreendi que a menina não mentia, estava falando a verdade. Chamei então Maria da Luz e pedi que ela perguntasse o nome da Imagem. Maria da Luz perguntou:
 A Senhora como se chama? e depois me disse: Ela respondeu que era Graça. Perguntei: Ela está triste? Ambas disseram que não, ela está rindo e parece muito satisfeita. Mandei que perguntasse se a imagem me via. A Senhora vê o Padre? – perguntou Maria da Luz – e em seguida respondeu-me: Ela disse que sim. Perguntei: Posso fazer algumas perguntas em outra língua? E as meninas responderam: Ela disse que sim. No mesmo momento as meninas disseram: Olhe ela e o menino estão rindo.
 Fiz então as perguntas em latim, parte em alemão, e as meninas, que desconheciam totalmente estas línguas, transmitiam a resposta certa que Nossa Senhora dava em português.

Es mater divinae gratias?

Sou.

es mater salvatoris nostri?

Sim.

es tantum meditrix gratiarum necesarie ad salutam?

Sim.

Desideras permanere hic?

Sim.

Aut desideras reliquere hunc locum?

Sim.

Ad priman partem?

Sim.

Brasilia castigatus erit a Deo?

Sim.

Quis ego sum cognosces?

Sim.


Quare n
egasti antea?

Não.

Wer bist du – Quem sois vós?

A Mãe do Céu.

we hais das Kind auf daimem Arm – Como se chama a criança que está em vosso braço?

JESUS.

A imagem é uma alma ou Nossa Senhora?

A Mãe do Céu.

Qual a finalidade de sua estada aqui?

Foi JESUS que mandou.

Para que ele mandou?

Para dizer que virão tempos sérios.

Estas coisas acontecerão logo? (época da aparição: 1936)

Não.

Que é preciso para afastar os castigos?

Penitência e oração.

Qual é a invocação desta aparição?

Das Graças.

Os padres e os bispos sofrerão muito?
Sim.

Que significa esta água aqui?

É um sinal que Eu dei.

Esta água serve para doenças?

Para aqueles que tiverem fé.

Aqui será um lugar de devoção?

Sim.

A perseguição a Igreja será grande?

Sim.

Como posso pregar esta aparição sem ordem das autoridades eclesiásticas?

Mais tarde eles permitirão.

Se sois a Mãe de Deus, dai-nos a vossa benção.

De súbito, as duas videntes sertanejas exclamaram! Olha lá, Ela está nos abençoando. Ambas fizeram o sinal da Cruz.


Merece registro a inabalável convicção que as duas videntes se mantiveram durante todo tempo, apesar das ameaças e até da perseguição que sofreram.
Voltando a Pesqueira, o Padre Marques (que não deu crença ao ocorrido) fez um relato contraditório ao que viu, porém quando o apresentou ao Senhor Bispo, este nada pode ler, pois o papel estava em branco.

O Bispo mandou examinar, por um médico (Dr. Lydio Paraíba) as duas moças. Eram completamente normais. As aparições continuavam, a água saindo da pedra, corria. Começaram as curas extraordinárias, sucederam-se as romarias. Fez-se uma cerca protegendo a fonte, que a polícia veio e derrubou; então a fonte secou. O Sr. Arthur mandou reconstruí-la e a água brotou novamente.

No dia 20 de outubro, o sítio Guarda recebeu a visita da força policial que intimou o Sr. Arthur a ir a Pesqueira ser ouvido pelo delegado. Foi grande a tristeza da família, só lhe restava a oração e a resignação. De imediato cumprindo ordem, Sr. Arthur apresentou-se ao delegado. Tendo este reconhecido que o mesmo não tinha culpa, advertiu-o apenas.

As aparições se repetiram e Nossa Senhora lhes dissera: “Tenha paciência, as coisas que vêm de DEUS são assim”.

Decorridos alguns meses, Maria da Luz manifestou interesse em ir para um convento. Com o auxílio do Pe. José Kehrle e Frei Estevão, o Sr. Arthur tentou inscrevê-la no Colégio Santa Dorotéia em Pesqueira, tendo a mesma sido recusada sob alegação de que não aceitaria a vidente do sítio do Guarda.

Em vista das respostas negativas, escrevemos às Irmãs Beneditinas de Caruaru, pedindo a admissão da menina, mas antes mesmo que estas se pronunciassem já recebíamos convite do Colégio Santa Sofia, de Garanhuns, da congregação das Damas da Instrução Cristã se prontificando a recebê-la. Vimos nestas circunstâncias um auxílio de Nossa Senhora e imediatamente tomamos as providências, seguindo Maria da Luz para aquela cidade onde foi aceita sem dificuldades.

Após alguns anos, notamos que Nossa Senhora a tinha escolhido para ser de DEUS; em dezembro de 1940, já se preparava para a primeira vestição, recebendo o nome de sóror Adélia, prestando votos no Recife, onde hoje se encontra após ter percorrido várias casas da congregação em Nazaré da Mata, Campina Grande, Carpina, Vitória de Santo Antão, Itamaracá, etc. sempre respeitando e obedecendo às ordens das autoridades eclesiásticas.

50 ANOS DEPOIS

Em 1986, decorridos 50 anos, com a ausência de irmã Adélia daquele local, é impossível descrever todos os fatos e curas maravilhosas que se operaram na Gruta do sítio Guarda. Encontram-se devidamente documentados centenas de graças e milagres alcançados.

Agora, numa demonstração de que as coisas de Deus são para sempre, Irmã Adélia, quebrando o silêncio, divulgou à Congregação todos os fatos até então de conhecimento limitado. Rapidamente, centenas de pessoas entusiasmadas quiseram conhecer o local, ensejando inúmeras romarias de religiosos e leigos de várias cidades, tendo Irmã Adélia acompanhado algumas destas visitas; uma delas no dia 8 de dezembro de 1985, quando se comemoravam 2.000 anos do nascimento de Nossa Senhora.

Neste dia, temendo o calor e o forte sol de verão de dias anteriores, saímos cedinho a fim de evitar o sol causticante. Grande foi a nossa surpresa, pois vimos o céu encoberto por nuvens que pareciam nos cobrir de glórias nesta romaria. O motivo desta é que jovens de Fortaleza e cidades vizinhas viriam juntamente com Irmã Adélia visitar o local e receber uma mensagem de Nossa Senhora para os jovens de todo o Brasil. A casa do sítio é muito simples e lá nos esperavam dois de seus irmãos com muita alegria. Em frente à casa, distante uns quinhentos metros, foi construída uma capelinha onde anualmente no dia 31 de agosto (último dia da aparição) se celebram Missa e outros eventos religiosos. Dirigimo-nos para o local da aparição no cume da montanha, o que nos parecia absolutamente impossível chegarmos até lá, galgando aquele despenhadeiro de mais de 600 metros de altura. O povo, que então já era muito, começou a subir.

 Uns hesitavam dizendo: “Se subirmos não poderemos descer”. Outros pediam forças e assim caminhando a multidão rezava com muita fé, quase todos chegaram sem tropeços. A pedra nua, quase vertical, com uns poucos degraus, exige um sacrifício que Nossa Senhora revela ser um lugar de penitência e crescimento da fé. No local foi feito um muro de proteção e um nicho para uma imagem de Nossa Senhora das Graças, bem como um pequeno depósito para acumular a água que desce rocha abaixo. 

O tempo continuava nublado, estivemos em longa oração. No meio da subida há um patamar, onde irmã Adélia ficou com os jovens, pois o alto já não os comportava. Deu-lhes aí a mensagem da Virgem Santíssima acerca do perigo da entrada do comunismo no Brasil; 
pediu aos jovens deste país que se comprometessem em guardar e defender a nossa Pátria. Foi um momento muito solene e importante nos nossos corações, pois sentíamos uma forte emoção. “Isto é uma benção do Céu para vocês, porque vieram aqui e acreditaram” – disse Irmã Adélia. 

Enquanto orávamos começou uma chuva fina que foi aumentando, mas Irmã Adélia nos falou: “Isto é uma chuva de graças sobre vocês, nossa Mãe está aqui presente abençoando a todos”.Foi maravilhoso, a chuva caiu forte, estávamos molhados, mas não molhou o hábito da Irmã Adélia (foto abaixo). Depois dos louvores e cantos de exaltação a Maria, descemos em procissão com os corações cheios de admiração e agradecimento; cada um procurava guardar dentro de si aquele momento especial. Após o retorno, o sol brilhou novamente com todo seu esplendor, louvamos ao Senhor por nos proteger e dar condições de participar do chamado de Maria Santíssima. 

No livro “Nossa Senhora aos Sacerdotes” encontra-se esta afirmação: “É chegado o tempo em que na minha Igreja Eu própria Me tornarei mais manifesta com sinais cada vez mais claros. Depois destas minhas intervenções é chegado o momento em que Eu mesma me torne presente e opere na Igreja da Qual sou Mãe”. Tudo isto aconteceu segundo as fontes citadas. Sem querermos nos antecipar ao julgamento da Santa Madre Igreja, julgamos ser de real utilidade apresentar ao estudo dos peritos e das autoridades eclesiásticas os fatos aqui narrados para os que desejam conhecê-los e para os que quiserem dar o seu testemunho.

Fonte: http://www.mariamaedaigreja.net   
Fonte: http://www.santuariopesqueira.hpg.ig.com.br

Sobre as surpreendentes manifestações: Não há nada de oculto que não venha a ser revelado


Sobre a onda de manifestações que assola o País, compartilho e comungo do pensamento do Sr. Dr. Alberto Zucchi, no artigo abaixo. Faço de suas palavras o meu Pronunciamento.
Pe. Marcélo Tenório
Cf:
______________
Alberto Zucchi
Se eu desse crédito ao noticiário de hoje dos mais diversos meios de comunicação, acreditaria  que sou o único paulistano e, quem sabe, o único brasileiro a ser contra as manifestações.  Não que isto me incomode, pois a multidão gritou Barrabás.
Seria manifestar essa oposição uma imprudência de minha parte, uma vez que até a poderosa Rede Globo se curvou aos manifestantes, justificando em editorial suas imagens e escondendo seus repórteres? A nossa liberdade de expressão termina quando começa a dos manifestantes. E será que alguém se incomoda com aquilo que pensamos ou escrevemos? Não nos esqueçamos de que até a Unisinos, representante dos dinossauros da Teologia da Libertação, acompanha e cita nosso site.
Ou pior ainda, seria uma injustiça própria do “espírito crítico”  da Montfort? Já posso ouvir os críticos de nosso “espírito crítico” afirmando que somente pessoas ultrapassadas, com uma mentalidade muito reacionária, podem se colocar contra uma revolta pela alta tarifa dos ônibus, pelas deploráveis condições de vida a que os brasileiros são submetidos, em razão da corrupção dos partidos políticos, ou ainda dos absurdos gastos com a Copa.
Como sempre, nos é colocado um falso dilema, uma vez que ser contrário às manifestações não significa ser conivente com os erros por elas apontados. Neste site, por exemplo, sempre lembramos que os católicos estão impedidos de votar nos partidos socialistas, que hoje ocupam a grande maioria dos cargos públicos, sob pena de excomunhão. Em privado, uma vez que este não é um assunto de nosso site, sempre critiquei os absurdos gastos da Copa, e também por isto fui considerado reacionário e intransigente.
Entretanto, nada garante que estes realmente sejam os objetivos destas manifestações.  Alguns temas tão ou mais importantes do que os levantados na manifestação e que afligem o povo brasileiro foram esquecidos. Por exemplo, a redução da maioridade penal, tão combatida pelas esquerdas.
E porque afirmo que os objetivos não estão claros? Porque as lideranças deste movimento não são conhecidas. Como ensina São Tomás de Aquino, o que dá forma a uma instituição é a autoridade. Sem autoridade não há, portanto, um movimento. Logo, se há movimento há autoridade, ainda que oculta. E por que essa autoridade se ocultaria? Certamente não por humildade! É então, mais do que razoável, supor que se ocultam para esconder seus reais objetivos.
Uma professora de Direito da USP, conhecedora dos corredores da Faculdade e vizinha da irmandade franciscana, ou seja, nada suspeita, afirmou:
“Eu, por amar todos os meus alunos, os que concordam e os que não concordam comigo, estou bastante preocupada com essas forças ocultas, que manipulam nossos jovens marxistas de twitter.” (http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/exclusivo-relato-de-uma-uspiana-muito-estranha-ou-o-territorio-livre-se-encontra-com-o-construtivismo-na-terra-do-nunca/)
Mas por mais que se procure ocultar, um vislumbre das reais lideranças sempre acaba por aparecer. Vejamos se isto já ocorreu.
Tudo começou com uma baderna na Avenida Paulista, condenada pela população, pelos políticos e pela imprensa. O problema era somente a tarifa do ônibus.
De um momento para o outro tudo mudou. A partir das manifestações da última quinta-feira, houve unanimidade de que a polícia agiu com excesso de violência. Uma repórter teve um hematoma no olho, alguns transeuntes ficaram assustados porque a polícia atacou pessoas que não estavam ligadas à manifestação,  e muitas pessoas foram detidas.
A partir de então houve uma reviravolta. A manifestação passou a ser considerada pacífica e com motivos que uniriam toda a população. A baderna foi atribuída a alguns infiltrados, devendo se compreender que não é possível controlar tanta gente. Começou-se a falar em “dia histórico”.  O número de participantes das manifestações não parava de crescer mesmo após o seu encerramento. Os próprios governantes criticados se manifestavam a favor da manifestação, como se o problema não fosse com eles.
O ex-presidente Lula comunicou que era necessário atender às reivindicações, como se não fosse ele o responsável pela eleição de seu pupilo Hadad. A presidente Dilma elogiou o movimento pelo fortalecimento da Democracia, esquecendo-se da invasão da Câmara dos Deputados. O governador do Rio Grande Sul, Tarso Genro, afirmou que a manifestação devia ser apoiada e, por isto, a Assembleia Legislativa de Porto Alegre foi transformada na casa da sogra.
O Governo de São Paulo mudou de tática. Os lideres do movimento foram convidados para uma reunião na Secretaria da Segurança Pública para negociação. O governo então ajoelhado pediu o mínimo possível: que não houvesse pessoas mascaradas, que o trajeto fosse previamente definido e que a Avenida Paulista não fosse interditada devido ao grande número de hospitais na região.
Decidida e sem qualquer temor, a líder Mayara Vivian recusou tudo.  Para ela, negociar é impor aquilo que o movimento deseja. A única alternativa para a manifestação não ocorrer seria a imediata redução das passagens.  O Governador se apressou em afirmar que o encontro tinha sido muito bom, e que a polícia não agiria. Só faltou convocar o funcionalismo público para participar das manifestações.
O tal MPL possui em seus quadros jornalistas e professores da USP, mas Mayara Vivian foi escolhida como negociadora. Ela se recusou a dar uma entrevista coletiva. Prestou apenas algumas informações. O movimento não tem lideres, há um revezamento de funções. Ela não sabia quantas tatuagens possuía no corpo. Ela é garçonete durante o dia e à noite organiza manifestações das quais participam milhares de pessoas.
No nosso tempo tem gente que acredita em duendes e horoscopo. Não é difícil também achar quem acredite nas informações de Mayara. É possível um movimento tão determinado, demonstrando grande experiência em agitações de rua e com tal amplitude no Brasil ser organizado desta forma?
Soube através do rádio que a reunião na Secretaria de Segurança pública havia começado. A repórter informou a presença do MPL e de representantes da Igreja Católica.
Fiquei surpreso. O representante da Igreja Católica em São Paulo é Dom Odilo. Estaria ele na reunião?
Algum tempo depois procurei na Internet. Não se falava da Igreja Católica, mas de movimentos sociais: Resistência Urbana, Pastoral dos Povos da Rua, Educafro.
Uma rápida pesquisa na internet pode indicar talvez, os líderes ocultos desta manifestação.
A “Resistência Urbana” é um movimento comunista. É claro que eles não se afirmam como tal. Há um manifesto na página do movimento na Internet. Vejamos alguns trechos:
“É preciso organizá-los [os trabalhadores] para a luta, é preciso trazê-los a construção de uma sociedade diferente, onde todos possam viver com dignidade. A RESISTÊNCIA URBANA – Frente Nacional de Movimentos pretende ser um instrumento para contribuir na construção desta nova sociedade, socialista. A busca do socialismo é, portanto, nossa perspectiva mais fundamental”.
O objetivo, portanto, é construção de uma nova sociedade, socialista. E qual o método para atingir este fim?
“E que nosso desafio é estimular e desenvolver lutas que não estejam limitadas a uma única demanda específica dos trabalhadores – seja ela a moradia, infraestrutura, trabalho ou qualquer outra. Buscamos articular e unificar todo um conjunto de demandas do povo pobre das periferias urbanas, a partir do princípio da unidade de classe”.
É a luta buscando unir uma série de demandas sem nada de muito específico. Não há o que negociar. É necessário se impor à sociedade. Não se fala de eleições.
E ao final do manifesto lê-se:
“Fazer do povo submisso um povo insurgente, fundir os muitos córregos numa torrente”.
Ao menos nas aparências informadas pela imprensa, parece que eles começam a atingir seus objetivos.
Apesar da forte decisão em relação aos princípios, este tipo de associação parece bem com os comunistas da FFLCH: muita conversa e pouca ação. Como então explicar as experientes ações do movimento?
O segundo grupo que participou da reunião é a Pastoral do Povo de Rua. A informação jornalística não foi precisa. Trata-se do Vicariato do Povo de Rua. Um Vicariato difere de uma pastoral porque oficialmente representa o Bispo. É um vigário do Bispo. Quem dirige o vicariato é o Padre Júlio Lancelotti.
Desde o processo que Padre Júlio moveu por chantagem, no qual o acusado revidou afirmando que Padre Júlio o molestava, não se ouvia mais falar do Padre Júlio. Todo processo ocorreu em segredo de justiça. O fato é que o acusado foi absolvido. Algumas notícias de sites simpáticos a padre Júlio afirmam que houve um novo processo devido a uma nova chantagem. Mas também isto não está claro nem foi divulgado.
Mas, depois de tanto tempo, o Padre Júlio volta a marcar presença. Na última entrevista que vi de padre Júlio, lembro-me que ele se declarou funcionário da “Fundação Casa”, a antiga FEBEM. Ele manifestava total aversão por qualquer punição aos infratores menores de idade. A origem dos crimes estava na injustiça social. Os infratores são inocentes e as verdadeiras vitimas de um sistema social injusto.
Assim, padre Júlio cuida de gente que sabe e não tem medo de enfrentar a polícia… muito diferente dos comunistas da FFLCH. Gente que é capaz de fazer depredações, e consegue por medo na população.
Mas ainda falta um elemento. Como o movimento se espalhou por todo o Brasil? O último grupo estava na reunião é o EDUCAFRO. Trata-se de um movimento que declara trabalhar para obter bolsas de estudo em universidades para pessoas de cor negra que não tenham recursos. Se fosse assim seria ótimo.
Quem se apresenta como fundador e diretor do movimento é Frei David Santos. Ele é franciscano,  os franciscanos são defensores da Teologia da Libertação e estão espalhados pelo Brasil inteiro. Alguns anos atrás, os frades do Convento do Largo de São Francisco, em São Paulo, decidiram não mais distribuir alimentos no Natal porque se tratava de uma prática assistencialista: era necessário mudar o modelo econômico da sociedade.
Qualquer um que examinar o site do EDUCAFRO fica surpreso com a quantidade de faculdades com que ele mantém convênio.
No mesmo site da EDUCAFRO há um interessante vídeo onde Frei David conta a sua história e do seu movimento.
Afirma ele que começou realizando missas afro. Mas, após o “saudoso Paulo VI”, houve muita resistência por parte dos bispos. Assim, para não se desgastar tanto, ele resolveu mudar e passou a conseguir as bolsas de estudos.  Ele não explica a relação entre uma coisa e outra.
No fim da apresentação, o entrevistador pergunta se após duas etapas iniciais, a missa afro e as bolsas de estudo, não deveria haver mais duas etapas: bolsas de estudo no exterior e a tomada do poder? Frei David respondeu afirmativamente. O objetivo final, portanto, é a tomado do poder.
Para tanto, Frei David montou uma estrutura de fazer inveja a qualquer instituição ou partido político. A EDUCAFRO tem filiais em muitas capitais brasileiras, com destaque para Rio de Janeiro e Belo Horizonte, concidentemente as cidades onde ocorrem os protestos mais significativos. Conseguiu muito dinheiro para suas atividades. A EDUCAFRO é financiada nada mais nada menos do que pela “Natura”, “Banco Santander”, “Vale” e “Petrobras”. O vídeo, em certo momento, mostra Frei David sendo recebido pela alta diretoria do Santander.
Temos ai o suporte necessário para uma organização em todo o país.
O que mais surpreende é que, se procurarmos qualquer ligação entre os participantes da  reunião da Secretaria de Segurança Pública, não encontraremos nada. É como se eles tivessem ido até lá sem nunca se terem conhecido. Seria possível? Ou seria um plano extremamente bem arquitetado?
Estarei eu exagerando? De fato não acredito em duendes nem em horóscopo. Acredito no Evangelho e em Nosso Senhor Jesus Cristo, e por isto tenho certeza de que
“Não há nada de oculto que não venha a ser revelado”.
Rezo, entretanto, para que a revelação não ocorra tarde demais…

CONFERÊNCIA SOBRE O SERVO DE DEUS CARLO ACUTIS

Pe. Marcélo Tenorio




Reverendíssimo Pe. Fábio Vieira, Cura da Catedral Diocesana de Corumbá.


Reverendíssimo Pe. Sebastião Braga, reitor do Seminário Menor Propedeutico de Campo Grande


Reverendíssimo Pe. Expedito Tenório, Vigário desta Paróquia.

Senhores Diáconos, religiosos e religiosas.
Senhores Seminaristas,

Senhores Congressistas.

Coube-me, nesse momento, fazer a apresentação do Tema escolhido para este evento tão significativo. Olhando para a Igreja, para o Papa Bento XVI, que com profundo ardor de Pai proclamou o Ano da Fé e, respondendo ao seu entusiasmo, resolvemos, convocar este Congresso Eucarístico, o primeiro de vários que devem acontecer, se for da vontade Divina.

“ Eucaristia: minha estrada para o céu”. Eis o tema. Nele está contida uma vida programada para Deus.

É fruto da determinação de um jovem chamado Carlo Acutis que, inflamado de Amor pelo Amado, desde cedo quis entregar-se totalmente Àquele que é o próprio Amor.

“ Eu sou do meu Amado e meu Amado é Meu!” (Cântico dos Cânticos 2, 16).

Nascido em Londres em 03 de maio de 1991, logo mudou-se com seus pais para a cidade de Milão, na Itália. E Milão passou toda a sua curta vida. Desde pequeno mostrou-se profundamente atraído pelas coisas do céu e, vivendo na normalidade, sem nada de extraordinário, como já nos colocou D. Antônia Acutis, mãe do Carlo ( que nos presenteou com a sua conferência sobre a vida “Eucaristizada” do seu filho) pode responder com firmeza o chamado que Nosso Senhor lhe havia feito e que, para ele, deveria ser levado a sério e bem respondido: Chamado à santidade. E assim a Fé crescia nele…

Em suas atividades diárias na Escola, entre os amigos, nas brincadeiras, ou em seu campo favorito, a informática (era considerado um verdadeiro gênio nesta área), Carlo Acutis sempre deixava claro que, mesmo vivendo neste mundo, tinha os olhos voltados para o céu. Sua fé nada tinha de pieguices frívolas, de fanatismos vazios, de romantismos desvairados, mas era centrada na Cruz. Compreendeu cedo que sendo a Eucaristia sua estrada para o céu, deveria ele também passar pelo sacrifício, pelo calvário, pela cruz. Bem antes de aparecer a enfermidade que o levaria à morte, num certo momento, estando sereno e tranquilo, ouviu-se ele dizer: “ Estou destinado à morte!”.

Era um apaixonado pela Eucaristia. Tanto a desejava que, por bondade divina recebeu a Santa Comunhão antes mesmo de ter idade suficiente e após esse momento, jamais perdeu a santa Missa. Todos os dias assistia a missa, recebia Jesus Sacramentado, adorava-o no sacrário. Para ele, estar diante de Jesus, em adoração silenciosa era estar numa “Escola de Amor”. Carlo compreendia que não bastava ser bom, tinha que “dar-se a Deus” total e completamente: “ Hostia com hóstia – como falava Santo Agostinho.

Como escutamos D. Antônia Acutis em sua conferência, Carlo era atraído pela cena do discípulo amado, que gostava de reclinar a cabeça no peito de Jesus. E o que há no peito de Jesus, senão o seu coração? E o que há na Santa Eucaristia, senão também o seu coração? E era ali que Carlo ficava, cada dia, em sua Hora Santa: no Coração de Jesus. 

Do coração de Jesus para as almas! Da contemplação do Amor para missão de leva-lo aos outros. Ardia em Carlo uma preocupação pela salvação de todos. Devoto de Nossa Senhora de Fátima e dos pastorezinhos , impressionou-se com a mensagem sobre o inferno e foi invadido por um grande desejo de conduzir almas para Deus. Tanta profundidade e maturidade num jovem de apenas 15 anos! Mas era o Espírito de Amor que o formava, quem o ensinava nos momentos que se encontrava diante do Sacrário. Ele estava convicto que Jesus tinha reservado para ele a melhor parte e “ esta” não lhe seria tirada ( Lc 10, 38-48).Por isso não temia as críticas ou incompreensões. 

Nas férias,os amigos ficavam intrigados visto não tinha interesse em viajar, como os outros, por países tropicais, ao invés ficava em Assis e lá cuidava dos pobres, nas noites frias, ou andava em peregrinação nos montes que cercam a medieval cidade. Antes de morrer, ele dirá: “ Assis é a cidade que me fez mais feliz”. Ele não se adequa à mentalidade moderna., porque vive somente para Deus. E porque vive somente para Deus, é impulsionado a viver para os outros. Seu apostolado aproxima-se do paulino, no sentido que quer levar maior número possível de pessoas a conhecer a beleza, a alegria da amizade com Jesus e para isso usa os meios de seu tempo: a informática.

Ele testemunha com vigor a Fé da Igreja, sobretudo o Sagrado Magistério e os ensinamentos dos papas. Conhece bem o catecismo e tem grande profundidade em teologia dogmática. É firme quanto às verdades da Fé católica e não aceita distorções e nem compromissos com o relativismo.

Certa vez, embora mantendo o respeito,discutiu firmemente com um sacerdote que negava a existência do purgatório. Também mostrava-se intransigente na defesa dos valores morais. Não aceitava diplomacia diante do que lhe parecia contrário à fé., mas afirmava com coragem e veemência o Sagrado Magistério.

Muita coisa poderia ainda colocar aqui sobre a vida desse nosso “Servo de Deus”, como por exemplo o seu empenho pela conversão de seu melhor amigo muçulmano à Fé católica, o horror que ele tinha pelo aborto e pelas modas, sua extrema humildade,sua generosidade para com todos, seu amor à Virgem Santíssima, entre outros, mas prefiro centralizar tudo sobre o mais importante para o momento agora: sua alma “eucaristizada”.

Fala Sto. Agostinho:

““Não somos nós que transformamos Jesus Cristo em nós, como fazemos com os outros alimentos que tomamos, mas é Jesus Cristo que nos transforma nele.”

Eis aqui o grande segredo: aquele que se aproxima dia a dia do Santíssimo Corpo e do Santíssimo Sangue do Senhor vai sendo ,pouco a pouco transformado Nele

“Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue, viverá em Mim e Eu nele.” Ô Mistério inefável de Amor! ( Cf. João 6)

O Espírito Santo é o Amor Pessoal do Pai para com o Filho.É a Perfeita “caridade”. Há pouco nós lembrávamos , na Solenidade de Pentecostes, que na humanidade o amor procede de forma dupla: da nossa natureza material e corporal, da qual muitas vezes é amor impuro, visto que por ele pode ser afetada a pureza da nossa intelecto.

Em Deus não existe espaço para um amor material, de forma que o Amor de Deus é denominado não só “Espírito”, mas “Espírito Santo”. “ Santo” pela sua essencial pureza, pela sua consubstancialidade com as outras Divinas Pessoas.

Na Santa Eucaristia está o Máximo de Deus. Está Deus mesmo. Deus Trinitário que é Amor-Caridade.

“Sendo Deus onipotente, não pôde dar mais; sendo sapientíssimo, não soube dar mais; e sendo riquíssimo, não teve mais o que dar.”, como afirma Santo Agostinho..

Jesus, na Santa Comunhão nos dá seu corpo, sangue, alma e divindade. Ele une-se a nós para nos transformar em Si mesmo. Além de ser uma união física, é também moral, “transformadora, de sua natureza permanente”. Tudo isso é senão a doutrina apresentada por S. João Evangelista, tão apreciada e vivida jovem Carlo Acutis.

O R. P. Lebreton, resume desta forma a doutrina eucarística de João: “Na escritura consuma-se a união de Cristo e do fiel, e a transformação vivificante que é o seu fruto; já não se trata somente de adesão a Cristo pela fé nem incorporação em Cristo pelo batismo; é uma união nova, muito real e ao mesmo tempo muito espiritual: por ela pode-se dizer que o que adere ao Senhor não é somente um só espírito com Ele, mas ainda uma só carne. Esta união é tão íntima que Jesus não receia dizer: “Da mesma sorte que eu vivo pelo Pai, assim o que come vive em mim”.

Foi precisamente o que aconteceu na vida do Carlo quando ele quis passar pela Eucaristia como via necessária para o céu. De maneira simples, para alguém de sua idade, vai nos revelando em suas ações , opções, e atos tudo o que lhe aconteceu. Sem compreender que esse caminhar era sem volta, que já não seria mais o mesmo, determinadamente caminhou até encontrar o Calvário do altar Eucarístico. 

Aqui e só aqui compreende-se suas misteriosas palavras, pouco antes de adoecer: “estou destinado a morrer”. Longe de ser uma declaração fatídica, é nada mais que a natural meta para quem deseja a Vida. A meta de quem deseja o Tudo é o nada. É no “Sinkatabasys” divino, no esvaziamento sem nada perder, é no morrer, sem morrer que o Carlo Acutis foi sendo tragado, transformado, “eucaristizado”. É aqui que acontece a união física e espiritual. A Alma se perde em Deus. No falar de Santo Agostinho, “ O Ser Superior que assimila o Ser inferior”.

Era S. João da Cruz que, sendo tragado pelo Amor Eucarístico, assim se expressava:

“Ô noite que guiaste!

Ô noite amável mais do que a aurora!

Ô noite que juntaste, o Amado na amada

A amada no Amado transformada!”

“É mister entender aqui não somente uma união moral, fundada numa comunidade de sentimentos, senão uma verdadeira união física, implicando a mistura de duas vidas, ou antes a participação, por parte do cristão, da mesma vida de Cristo”, nos lembra o R.P. Lebreton.

Ora, se olharmos atentamente toda a vida do jovem Carlo Acutis, veremos bem que ele já se encontrava perdido em Deus.

É verdade que nada pode dizer de seus êxtases, ou outros carismas extraordinários, como vemos na vida de outros santos. D. Antônia Acutis pouco tempo atrás falou sobre a questão de Carlo ter sido alguém sem nada de extraordinário. Isso é verdade. Santa Teresinha viveu do mesmo jeito: sem nada de extraordinário, mas isso não significa que algo de extraordinário não esteja acontecendo no ordinário. Aliás é sobretudo isso que acontece: Deus quer agir extraordinariamente em nosso ordinário, em nosso dia a dia. Ele deseja que nos transformemos por Ele, que vivamos Nele. Ele em nós, e nós n´Ele. E o caminho é ,sem dúvida, a Eucaristia.

Carlo vivia no coração da Trindade, porque a santa comunhão implica numa união toda especial com as Pessoas divinas. Pois devido a circumincessão trinitária, o verbo não vem só à nossa alma; vem com o Pai, “que não cessa de O gerar em seu seio; vem com o Espírito, que não cessa de proceder do amor mútuo do Pai e do Filho..” Ou seja: tratava-se de uma explosão de amor crescente e atual na alma que, pela Santa Eucaristia, impulsionava Carlo, mais rapidamente, pelas vias místicas até chegar, nas “ ultimas moradas” do Castelo, que na teologia de Sta. Teresa d´Avila, significa a última fase, a via unitiva: A alma em Deus e Deus na alma.

Carlo resumiu, ao meu ver, toda a sua vida espiritual na imagem do balão, que ele tanto gostava. O balão existe para o alto, para subir, mas qualquer peso, por menor que seja dificultará a sua ascensão. E se o peso for muito, ele será fincado no chão, e dali não sairá, contrariando a sua essência, o seu ser, seu objetivo único para o qual foi pensado e criado: o céu.

Assim dizia ele:

“Nossa alma é como um balão.

“Um balão para subir bem alto, necessita despojar-se de tudo aquilo que pesa; pois assim faz a alma, para elevar-se ao céu, necessitando tirar pequenos pesos que são os pecados veniais. Se por acaso existe um pecado mortal, a alma cai sobre a terra e a confissão será como fogo, o mesmo fogo que faz retornar ao céu o balão…É preciso confessar-se frequentemente porque a alma é muito complexa..”

O balão colocado em nosso pátio não deve ser entendido como uma peça de decoração, mas um chamado para todos nós, de um jovem de apenas 15 anos que, vivendo todos os dias a Eucaristia, assumiu o lugar de João e, repousando no peito Eucarístico de Jesus, perdeu-se completamente Nele e por Ele foi assumido para sempre: 

“ Já não vivo, Cristo vive em Mim”

Louvor a Deus e à Virgem Santíssima,

Amem!
________
CONFERÊNCIA pronunciada  sobre o Servo de Deus CARLO ACUTIS, aos 22 de Maio de 2013