A tacada final para o Anticristo: ONU pretende subjugar a Santa Sé a sua "autoridade"!!


Por direito divino a Igreja é imune em relação aos poderes políticos e isso por uma razão clara : ela sendo instituição divina está acima dos poderes humanos. 
 
Todavia desde o século 13-14, existe, no ocidente, uma tendência que procura sujeitar o poder da Igreja aos poderes civis – políticos. Cabe lembrar do que fez o rei Felipe, o Belo, da França, que tentou  a deposição do papa Bonifácio VIII e transferiu o papado para a cidade de Avinhão, para colocar a Igreja sob seu controle.
 
O fortalecimento do poder dos reis no século 14 , permitiu que no século 16 a reforma protestante tivesse sucesso já que foi sobre o abrigo de reis e princípes interessados em se livrar da ingerência da Igreja nos assuntos temporais, através de seu magistério, que os ditos reformadores conseguiram fazer avançar suas doutrinas e seitas.
 
Lembremos também de Clemente XIV, que aboliu a Ordem dos Jesuítas ( Cia de Jesus) para atender aos déspotas esclarecidos do século 18 que estavam sob a influência do iluminismo – vendo portanto a Igreja como inimiga da civilização e da razão. Os monarcas dessa época exigiam a supressão dos Jesuístas pois os mesmos controlavam as cátedras universitárias e as universidades que em geral estavam nas mãos da Igreja. Importava tirar da Igreja o controle da educação para que os “filósofos” iluministas ocupassem as universidades e assim pudessem forjar a mentalidade das futuras gerações. Clemente XIV era bem visto pelos governos adversos aos Jesuítas. Embora espremido pelas circunstâncias, ele contemporizou quatro anos. Só em 1773 publicou o breve Dominus ac Redemptor noster, com o qual extinguiu a Companhia . Os soberanos Bourbons de França, Espanha, Nápoles e Parma não permitiram mais a permanência dos inacianos em seus países. Sebastião José de Carvalho e Melo, conde de Oeiras e marquês de Pombal, já os expulsara das terras lusitanas. O Geral, Padre Lourenço Ricci, não admitia modificações essenciais na constituição jesuítica. Preso no castelo Santo Ângelo, morreu octogenário em 1775.
 
Foi graças a isso que a Revolução Francesa se tornou possível – a atuação jesuítica teria decerto  minorado a influência iluminista-maçônica na França o que poderia ter resultado em que não houvesse a explosão revolucionária sobretudo a de 1792 sob liderança jacobina. 
 
Eis que desde 1962 – ano de início do Concílio Vaticano II – o clero vem se abrindo a realidade laica e secular que marca o mundo moderno como se fossem coisas positivas e queridas por Deus. Em razão disso a tradicional doutrina de sujeição dos estados a realeza de Cristo e de seu pontífice( o papa) vem sendo deixada de lado. Não são mais os Estados que devem sujeitar-se a Igreja e aos princípios eternos que ele preserva: antes, pensa o clero modernista,  é ela que deve se adequar a nova realidade onde o poder político de cunho humanista se arroga o direito de ser a última palavra e de ser o portador dos princípios de ordenação da civilização numa inversão satânica da reta ordem criada por Deus!
 
Exemplo disso é que a encíclica “Mater et Magistra” de João XXIII já abria espaço para um poder que regulasse os problemas internacionais, uma autoridade laica a qual todos – incluída aí a Igreja Católica – deveriam obediência : “Os progressos científicos e técnicos multiplicam e reforçam, em todos os setores da convivência, as relações entre os países, tornando a sua interdependência cada vez mais profunda e vital. Por conseguinte, pode dizer-se que os problemas humanos de alguma importância – qualquer que seja o seu conteúdo, científico, técnico, econômico, social, político ou cultural, apresentam hoje dimensões supranacionais e muitas vezes mundiais. Assim, as comunidades políticas, separadamente e com as próprias forças, não têm já possibilidade de resolver adequadamente os seus maiores problemas dentro de si mesmas, ainda que se trate de nações que sobressaem pelo elevado grau e difusão da cultura, pelo número e atividade dos cidadãos, pela eficácia dos sistemas econômicos, e pela extensão e riqueza dos territórios. Todas se condicionam mutuamente e pode, mesmo, afirmar-se que cada uma atinge o próprio desenvolvimento, contribuindo para o desenvolvimento das outras. Por isso é que se impõem o entendimento e a colaboração mútuos. “( Números 199 a 201).
 
Pois bem : hoje nos deparamos com a seguinte notícia referente aos casos- alguns reais outros apenas supostos – de pedofilia dentro da Igreja :http://noticias.terra.com.br/mundo/europa/renuncia-do-papa/onu-cobra-acoes-do-vaticano-para-combater-a-pedofilia-

na-igreja,f5e65bfb2ec83410VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html

 
Em suma : a ONU cobra da Igreja a observância de seus estatutos relativos a direitos da infância.
Ok! Nenhum católico em sã consciência pode se opor a que padres respeitem a dignidade infantil.
 
O problema todo não está aí mas sim no que há por trás disso: A ONU PRETENDE QUE A IGREJA A RECONHEÇA COMO AUTORIDADE MORAL SUPREMA E COMPETENTE PARA JULGAR INCLUSIVE A IGREJA NÃO APENAS NO CASO DE PEDOFILIA MAS EM QUALQUER CASO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
O poder laico -secular e mundializante da ONU usa o subterfúgio da “omissão” de parte do clero com os casos de pedofilia para tentar submeter a Igreja a seu juízo.
 
Que consequências imediatas isso pode ter? Imaginem que amanhã grupos de homossexuais poderão procurar a ONU para encaminhar um processo contra a Igreja em razão de sua posição sobre moral sexual e casamento!! O simples fato de autoridades católicas se prestarem ao papel de dar satisfações a ONU fortalece o poder global que se quer criar e abre portas para o império do anticristo.
 
Em suma estamos diante do seguinte problema: que poder deve estabelecer a lei? A ONU crê que as leis que devem reger o mundo globalizado são as que expressam seu credo laicista-secular-humanista. Nesse admirável mundo novo as leis eclesiásticas e divinas não valerão mais. A religião deverá seguir as leis impostas pelo novo clero ( os intelectuais do humanismo secular)!!
 
Será que as autoridades da Santa Sé não enxergam o que há nisso tudo? Rezemos pois os tempos são críticos!

 

5 respostas para “A tacada final para o Anticristo: ONU pretende subjugar a Santa Sé a sua "autoridade"!!”

  1. As interperlações da ONU quanto aos procedimentos dos membros da Igreja em relação às crianças são os mesmos que o demônio faria, fosse visível e escrevesse. A ONU não tem moral alguma para acusar a Igreja como um todo, devido aos procedimentos maus de alguns, na média muito inferior a qualquer outra entidade religiosa de tal magnitude, que tantos membros.
    Aliás, irá a ONU questionar as igrejas protestantes ainda mais envolvidas, também, dentre mais?
    Nenhuma autoridade hoje no mundo tem moral suficiente para acusar a Igreja de Cristo, porque ela é a única entidade que desde milênios vem defendendo a vida, e a integridade das pessoas e jamais aprovou esses procedimentos.
    Por que não analisa e condena as leis de certos países avançados planejando a aprovação da pedofilia, e os próprios EUA se incluem nisso?
    Este é mais um sinal dos tempos visando destruir a Igreja Católica, abrindo espaço para a Nova Era e igreja do anticristo, que surge aos poucos alavancada por falsas acusações como essas.
    De fato, eis a esperteza do diabo: acusar nos outros, exatamente os procedimentos próprios, ou daquilo que eles desejam fazer.
    Por que é mesmo que a ONU não investiga as redes de pedófilos do mundo, por que premia a causa gay e o aborto, presentemente os maiores atentados contra a vida humana?
    A Igreja não deveria aceitar as imposições do demônio sob o codinome de ONU e a questionar de discriminação.

  2. Quando eu vi a noticia, dê imediato já vi que isso cheirava terreno pronto para o anticristo.
    Realmente os tempos estão críticos, o mundo quer nos sufocar para esquecermos do pior que está por vir.

  3. Quando eu vi a noticia, dê imediato já vi que isso cheirava terreno pronto para o anticristo.
    Realmente os tempos estão críticos, o mundo quer nos sufocar para esquecermos do pior que está por vir.

  4. Que autoridade possui a ONU para cobrar algo da Igreja Católica? A mesma ONU que incentiva o aborto? A mesma ONU cujas tropas promovem pedofilia em solo africano?
    A ONU é uma organização de cunho globalista e de fortíssima inspiração maçônica. O seu objetivo, que é uma reprodução dos objetivos da maçonaria (tanto a regular como a irregular) é a unidade universal do gênero humano sob as bandeiras da igualdade de gênero, ecumenismo, feminismo, aborto, etc.
    A Igreja Católica não pode se submeter a autoridade da ONU. Aliás, nem deveria ser signatária dessa instituição globalista e profundamente antropocentrista.
    Gostaria de estar enganado, mas penso seriamente que estamos adentrando em tempos extremamente difíceis para a Igreja. E que me desculpem, mas não será encontrando-se para almoçar com talmudistas que o Papa poderá resistir aos (des)mandos da famigerada ONU. Aliás, permanece a pergunta: porque Bento XVI renunciou? Alguns respondem que foi por causa de sua saúde. Contudo, João Paulo II permaneceu Papa até morrer, não se importando com sua clara saúde debilitada. Há algo de muito grave ocorrendo nas altas esferas do poder global e tudo leva a crer que está havendo um incremento substancial nos ataques contra a Igreja Católica. Eles vem de todos os lados, desde protestantes, ateus, maçons, talmudistas, maometanos wahhabis, ateus, feministas, liberais, socialistas, o estado moderno ou pós-moderno, enfim, é uma lista interminável. Sem dúvida, agora sim, estamos vivendo a era das trevas.

  5. Por que será que os sedevacantistas, ultra ortodoxos, tradicionalistas, ultra conservadores são apocalípticos?
    O Magistério da Igreja, por decisão divina, foi constituído na terra para que as doutrinas reveladas não só permanecessem incólumes perpetuamente, mas também para que fossem levadas ao conhecimento dos homens de um modo mais fácil e seguro.
    Acaso faltaria à Igreja algo quanto à VIRTUDE E EFICÁCIA no cumprimento perene desse múnus, quando o próprio Cristo solenemente prometeu estar sempre presente a ela:
    “Eis que Eu estou convosco, todos os dias, até a consumação dos séculos?” (Mt 28,20).
    Pio XI
    Mère

Os comentários estão desativados.