Pe. FÁBIO DE MELO E SUAS HERESIAS





Caríssimos, Salve Maria!

É estarrecedora esta colocação do Pe. Fábio de Melo sobre a Igreja e seu Mistério. Uma heresia clara. Uma negação absoluta da Fé Católica em todo o seu conjunto. Não se pode desacreditar um só ponto da Fé sem abalar todo o edifício da Verdade. Tempos atrás ele falava sobre a Presença Real de Jesus na Eucaristia da forma mais estranha possível, agora, sua falta de doutrina católica fica mais que clara.


“Não adianta pregar a fé com elaborações teológicas. É preciso praticar a caridade. Não importa se você é católico, evangélico, espírita ou de outra religião. Se estiver disposto a amar alguém junto comigo, já somos irmãos. Jesus não queria a Igreja, queria o Reino de Deus, mas a Igreja foi o que conseguimos dar a Ele.Não sou adepto de uma fé que idiotiza. Sou adepto de uma fé que faz pensar: ‘quem somos nós?'”

Rezemos pela Igreja e pelo Papa.

27 respostas para “Pe. FÁBIO DE MELO E SUAS HERESIAS”

  1. Isto não é caso para excomunhão?
    É inacreditável a tolerância (ou seria conivência?) que as autoridades eclesiásticas estão tendo com este tipo de sacerdote. Se bem que, como nós já sabemos, conforme mensagens de Nossa Senhora, as coisas irão piorar assustadoramente, isto é só o começo. A quantidade de heresias que estamos ouvindo nas paróquias, dá um certo desespero, tristeza de não ter para onde correr, pois, infelizmente, este tipo de comportamento herege/apóstata está generalizado. Que Deus tenha piedade de nós!

  2. NO PRÓXIMO CONCLAVE (será um com-clave?) É UM PAPÁVEL DA “DITADURA DO RELATIVISMO!
    Pe Fabio de Melo vem se apresentando gradualmente, a cada tempo mostra algo mais do seu interior melhor delineado do alienado sacerdócio exercido, possuindo todos os indicativos que se excluiria da Igreja há muito, assim como os que compartilham com ele no seu estranho sacerdócio.
    Seria ele pelo modelo relativista de suas obras literárias e pronunciamentos mais um dos infiltrados na Igreja?
    O pior é que a Canção Nova o aceita como sacerdote para aconselhar numa direção (caos) espiritual; assisti a uma delas e o questionaria em certas afirmações – e quantos incautos têm caído em seus engodos!
    Cada qual de seu jeito, ele, Pe Hewerton, Pe Mauro, Frei Betto etc., todos do mesmo naipe, questão apenas de áreas de atuação nos descaminhos.

  3. Evidente que Igreja não é entidade caritativa. A função precípua da Igreja é anunciar o Evangelho e ministrar os sacramentos, a caridade vem em segundo plano e a Igreja só é a maior entidade caritativa do mundo porque ela também é a maior anunciadora do Evangelho e quem ministra validamente mais os sacramentos. A Igreja Ortodoxa que não está em comunhão com o Papa também ministra validamente os sacramentos, mas a Igreja Católica é a que mais ministra os sacramento.

    E fazer o bem deve ser uma virtudo teologal, ou seja, necessariamente fazer o bem por amor a Deus e não o amor ao próximo apenas, porque o amor ao próximo sem o amor a Deus é uma idolatria. Por isso que os filantropos ateus não podem alcançar a Salvação da alma, mesmo fazendo o bem, porque a Fé, a Esperança e a Caridade são virtudes teologais e não virtudes de serviço aos homens, mas uma forma de culto a Deus. Se perder isso, e o Padre Fábio perdeu isso, então a caridade é inútil. É aquela história de “Ainda que distribuísse todos os meus bens aos famintos, ainda que entregasse meu corpo às chamas se não tiver caridade, isso nada adiantaria”.

    Como diz as notas da Bíblia de Jerusalém: “À diferença do amor passional e egoísta, a caridade (agápe) é um amor de dileção, que quer o bem do próximo. A SUA FONTE ESTÁ EM DEUS, QUE AMOU PRIMEIRO (..) E ENTREGOU SEU FILHO PARA RECONCILIAR CONSIGO OS PECADORES (…) TORNANDO-OS SEUS ELEITOS (…) E SEUS FILHOS (…). ATRIBUÍDO PRIMEIRAMENTE A DEUS (…) ESSE AMOR QUE É A NATUREZA MESMA DE DEUS (…) ENCONTRA-SE, AO MESMO TÍTULO, NO FILHO (…), QUE AMA O PAI COMO É AMADO PELO PAI.

    Se a nossa caridade não for dom de Deus e não fizermos nossa caridade tendo em vista o amor de Deus por aquele que sofre, então de nada adianta.

    Na nota ao 1Co 13,13 fala sobre as virtudes teologais. As virtudes teologais têm como origem, motivo e objeto o próprio Deus.

    Espero que meu texto tenha sido denso e não prolixo.

  4. No Direção Espiritual que eu vi esta semana, ele disse que não tem quase nenhuma devoção, porque a devoção é um caminho para se encontrar a Cristo, mas ele, que já encontrou Cristo, não precisa de devoção.

    Ocorre que devoções não são caminhos, mas uma forma de caminhar e não caminhamos para uma realidade hodierna, mas para uma realidade futura.

  5. Eu não acho que o Pe. Fabio de Melo esteja errado segundo as opiniões do autor deixadas no blog….Jesus quando pregava o Reino de Deus entre os povos nao escolhia raça nem cor ou mesmo opção religiosa, olha que isso foi o Evangelho de ontem quando ele comia na casa de Levi!! .. eu apoio o que o comentario do Padre que esta no blog, porque o importante não é a religião e sim FAZER O BEM, a religiao é o meio de Buscar a Deus que Jesus deixou para nós, mais para o mundo melhorar ou caminhar certo é so fazendo o bem…bom essa é a minha opnião…mais até que ponto estamos sendo só Católicos de Missa ou de vestimentas, ou estamos sendo Católicos nas praticas da Palavra de Deus como Jesus nos pede???

  6. Pensamentos agora são heresia? Ser misericordioso e respeitar o livre arbítrio é pecado? O mundo esta como esta, porque temos pessoas “certas” demais e detentoras de todo conhecimento do mundo (pelo menos é o que acreditam), espalhando intolerância. O próprio Papa Francisco mesmo nos pede para sairmos da Igreja e evangelizar mais. Com preconceito isto não é possível. Somos católicos, mas como pessoas não somos melhores que ninguém…Somos passíveis de erros como qualquer outro!!!!

  7. Concordo plenamente com o que diz Padre Fábio de Melo. Jesus pregava igualdade entre todos independente da religião que professam e a fé não pode ser uma coisa que idiotiza e sim uma forma de pregarmos o que Ele nos ensinou. De forma alguma essa declaração foi uma negação da fé católica mas sim um posicionamento de que não adianta ir a Igreja se na vida prática não aplicamos os ensinamentos do Mestre que é amar o nosso próximo e praticar a caridade. Por pessoas intransigentes e retrógradas como os que criticam esse posicionamento é que Cristo foi crucificado

  8. Por que será que ele incomoda tanto?
    Por que tem consciencia das fragilidades que possui e as partilha conosco. Só por isso.
    Consegue se ver como um ser humano demais. Cheio de limites e defeitos, mas em busca incansável pela santidade. Construíndo a sua fé dia a dia.
    E daí que ele é lindo? Se fosse velho, feio, barrigudo e tivesse o mesmo discurso seria diferente? Teria maior crédito? Por quê? É pecado ser belo?

    Padre Fábio é amado, querido de Deus. Jesus o acompanha em todos os momentos e em todos os lugares. JESUS JÁ O ESCOLHEU e não serão os comentários maldosos que irão impedi-lo de ser de Deus.
    Ele prega o amor, a união, a misericórdia. Seu discurso não é duro, é amável. E com isso tem ganhado vidas para Jesus. Vidas têm se transformado através das sua palavres, que são baseadas nas palavras de Deus.
    Se é pecador, se tem dívidas com Deus, ele certamente pagará, qd for a hora de pagar. Não cabe a nós julgá-lo, muito menos condená-lo.
    Que Deus o abençõe.

  9. Como eu esses dias atrás quando conversava com um colega e abordamos os seguintes pontos.

    1 – Infelizmente na atualidade predomina a meia verdade ou a verdade individual ao qual cada um cria e segue seus preceitos, com isso diversos princípios acabam sendo desvalorizados.

    2 – Hoje em dia se você é relativista e tem “suas verdades” Parabéns, é considerada uma pessoa “além de seu tempo” mas, se você busca viver a verdade sem “achismos” você é considerado um ultrapassado e preso no tempo.

    3 – Por ultimo, mostrar os erros de alguém não significa que estamos “julgando”, como diz uma pessoa que comentou logo acima e nem somos intolerantes. Defender a nossa fé, a nossa doutrina também é uma forma de evangelização pois, evangelizar não é “apenas palavras bonitas e mão na cabeça” ao contrário, evangelizar também é corrigir os erros e esclarecer os nossos irmãos a não cometê-los.

    Enfim, é isso.

  10. Não conheço absolutamente nada do padre Fábio de Mello – a não ser sua figura – tão frequente na grande mídia!

    Atendo-me apenas ao excerto de sua frase, diria que ele entende mais dos “profetas do desespero” ( Søren Kierkegaard, Martin Heidegger, Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, dentre outras figuras “excelsas”) que de Cristo e sua Igreja.

  11. “O Pe Fábio de Mello possui um dom especial, ele consegue causar mais divisão do paz em nossa Igreja.”
    Falou tudo, Guibor! Faço minhas as tuas palavras!

  12. Ridículo é esse fanatismo religioso que tornam as pessoas burras e as impedem de pensar! o Que esse cara quis dizer é que devemos pregar o amor e deixa de ser hipócrita bancando o bonzinho na igreja, mas discriminando o mendigo, o usuário de droga ou até mesmo sendo ruim com os nossos familiares. Não sou católico, mas concordo plenamente com o que esse padre falou! Acredito num Deus de misericórdia, em um Deus que estende as mãos e não em um Deus carrasco que julga e castiga as pessoas. Acredito na fé que nos faz pensar e não fé que nos julga ou que nos torna adestrados!

  13. Verdade Wellington, pela “qualidade” dos argumentos, confusão e erros gramaticais presentes em sua justificativa, percebe-se o quanto o “fanatismo religioso” nos converte em pessoas “burras” e “incapazes de pensar”.

  14. “Quais são os Bons Sacerdotes nos dias de Hoje? Onde posso encontrá-los?”.

    Certamente, existem bons sacerdotes. Deus não pode deixar a Igreja absolutamente sem bons sacerdotes.

    Mas não os procure na mídia, tocando violão, ou fazendo debates em mesas redondas “diplomáticas”. Os bons sacerdotes não são estimados pela mídia, e tem a linguagem que Nosso Senhor recomendou; “Sim, sim; não, não”!

    Não procure os bons sacerdotes amorenando-se nas praias, ou pulando em forrós. Que os bons sacerdotes não vão a esses lugares mundanos.

    Não procure os bons sacerdotes entre os autores, nas livrarias ditas “católicas”, porque lá só estão publicadas as obras de padres modernistas. Os bons padres estão adorando o Santíssimo de joelhos, e promovendo horas santas.

    Não procure os bons sacerdotes dando aulas nas Faculdades de Teologia que se multiplicam por aí. Lá, praticamente, só podem dar aulas padres comprometidos com a heresia modernista. Os bons padres falam simplesmente, e não se exibem falando em experiências carismáticas, em crise existencial, nem em kenosis ou em dialética ou práxis. Os bons padres falam da cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Não procure os bons sacerdotes entre aqueles que profanam a Missa gingando e se rebolando, e fazendo o povo rebolar na hora da comunhão. Os bons padres rezam, não rebolam.

    Não procure os bons padres entre os padres joviais bonitinhos, com brinquinho — “modesto” — nas orelhas, bancando mocinhos, falando gíria, em grupos de jovens com piercings e moçoilas devotamente decotadas e de mini saia. Os bons padres não fazem força para serem simpáticos e condenam as modas que ofendem a Nosso Senhor, como disse Nossa Senhora em Fátima.

    Não procure os bons padres entre os que fazem sermões superficiais e ignorantes. Os bons padres falam pouco. Falam do céu, rezam muito, e estudam. Sobretudo rezam.

    Não procure os bons padres entre os moderninhos adaptados ao mundo, que organizam o baile e o carnaval da paróquia. Os bons padres sao amantes da cruz, penitentes, e fogem das diversões mundanas.

    Não procure os bons padres entre os que aparecem e que são nomeados para cuidar de paróquias ricas e centrais. Os bons padres estão afastados em paróquias pobres e longínquas.

    Não procure os bons padres entre os famosos e prestigiados. Os bons padres são odiados ou esquecidos pelo mundo.

    Não procure os bons padres entre os que se vestem como janotas, que têm carro bom e secretárias. Os bons padres andam a pé — à evangelica — usam só batina preta e nunca têm secretárias, nem mulheres como “gerentes” de igreja.

    Não procure os bons padres entre aqueles que fazem muitas campanhas vistosas e filantrópicas. Procure entre os que rezam o terço, quer em suas capelas pobres, ou mesmo andando pelas ruas, e que fazem caridade sem alto falantes.

    É bem difícil, hoje, encontrar um bom padre.

    Por isso é que o povo está tão afastado de Deus.

    Pois diz a sabedoria popular: Padre santo, povo piedoso. Padre piedoso, povo bom. Padre bom, povo aceitável. Padre aceitável, povo tíbio. Padre tíbio, povo ruim. Padre ruim, povo corrupto. Padre corrupto, povo péssimo.

    Até o péssimo Diógenes ensinou algo aproveitável: andava ele por Atenas com uma vela acesa na mão, ao meio dia, procurando um homem. Hoje devemos andar de vela acesa em uma das mãos, com um terço na outra, procurando um bom padre. Hoje, devemos andar de terço na mão rezando a Deus que nos conceda santos sacerdotes.

    Rezemos pelo clero. Rezemos muito por nosso pobre clero. Que é clero. Que é, apesar de tudo, constituído por sacerdotes de Cristo, marcados com o selo sacerdotal em suas almas.

    Rezemos pelo Clero.

    In Corde Jesu, semper,
    Orlando Fedeli

  15. DEDICADO AOS DEFENSORES DO CONTUMAZ DISSEMINADOR DE HERESIAS PE FABIO DE MELO E ÁS SUAS FABETTES!
    Que ótimo; até que enfim!
    Vi-o numa foto em que ostentava um anel negro, seria o de tucum, da marxista Teologia da Libertação!.
    Onde já se viu um sacerdote católico que jamais se refere a N Senhora quer em músicas, quer em suas falas? Desconfiem dele por isso, gente!
    Vejam algumas de suas ortodoxas teologuices como suposto sacerdotes católico romano:
    Quando disse que a PLC 22 da suposta homofobia marxista era “Bendita lei”.
    As vezes que negou a Presença Real de Cristo na Eucaristia, não foi apenas uma vez.
    Que relatou acerca de “Evolução dogmática”…
    Esses mesmos que o defendem, vejam se atuam nesses casos:
    Onde vocês e ele estavam quando em praça pública desonraram um crucifixo e uma imagem de Nossa Senhora?
    Onde vocês e ele estavam quando o Porta dos Fundos fez aquela blasfêmia contra Cristo e Nossa Senhora?
    Onde vocês e ele estavam quando Dom Odilo Scherer foi covardemente atacado em texto pelo Gregório Duvivier?
    Onde vocês e ele estavam com as igrejas depredadas e sacerdotes agredidos em todo país?
    Onde estão vocès e ele a se insurgirem contra um modelo de governo anto Cristi como o PT?
    Cadê a defesa dos verdadeiros sacerdotes?
    Vocês não amam a Igreja nem seus verdadeiros sacerdotes,, se assim o fosse, revoltariam contra supostos sacerdotes como esse de heréticos comportamentos há anos, que já se referiu a um tal “Bastidores eclesiásticos”, sem detalhar…
    Quem o apoia seria um grupo de católicos despreparados, de fachada e emotivistas religiosos, prá lá de superficiais, como ele, nada mais!
    Vocês amam um apresentador de TV melífluo e cheio de relativista doutrina, em nada se diferindo de seguidores de seitas protestantes, mas da seita do Pe Fabio de Nada.

  16. Jesus ensina sobre a importância da caridade ao citar a passagem do bom samaritano que socorre o indigente caído na estrada; Jesus fundou a Igreja, porque disse a Pedro, “Tú és pedra e sobre esta pedra edificarei A MINHA IGREJA. A caridade não tem denominação, mas a Igreja tem e se chama JESUS CRISTO. Como se vê, a caridade e a Igreja de Cristo caminham juntas; Quem pratica a caridade mas não está na Igreja de Cristo, somente pratica a caridade, está a caminho de Cristo; Quem não pratica a caridade e somente está na Igreja de Cristo, somente está na Igreja de Cristo. Quem salva? Quem salva é Deus, “Aquele que acreditar que Eu Sou o Cristo Filho de Deus, este será salvo”. Pode-se ver que, a caridade sem Cristo não salva.

  17. Prezado Advogado,

    Perdoe-me a sinceridade, mas suas colocações transparecem um notável desconhecimento dos rudimentos da Fé Católica. Com uma simples leitura de Catecismo o senhor teria evitado erro tão grave em matéria de Caridade. Não existe, e jamais poderá existir verdadeira caridade sem a verdadeira Fé. Toda boa obra, para ser caridade, deve ter por princípio a salvação das almas. Portanto, quem faz algum bem material sem ter em vista o bem espiritual, isto é, faz unicamente por amor ao próximo e não por amor a Deus, não faz senão uma solidariedade naturalista, sem valor sobrenatural.

    Caridade, conforme a doutrina da Igreja, é amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo, por amor de Deus. Ora, amar a Deus é querer o Bem de Deus. Mas, se Deus é o Sumo Bem, como poderíamos desejar algum bem para Ele? O único bem que podemos querer para Deus é o aumento de sua Glória Extrínseca. Neste sentido, sua glória pode ser extrinsecamente aumentada pela honra que lhe prestamos. E a honra a Deus exige obediência aos seus preceitos. Deste modo, quanto mais cumprimos sua Lei, obedecendo suas determinações e as determinações da Igreja, amamos a Deus pela honra e pela obediência que lhe dedicamos. Ora, aqueles que conscientemente não possuem a verdadeira Fé, seja por heresia, cisma, excomunhão, apostasia ou pela simples recusa de obtê-la, não possuem caridade, porque sem amor a verdade de Deus não é possível ter amor a Deus. A caridade, explicava-me um falecido professor, é como o telhado de uma casa, sendo a Fé o alicerce. Sem alicerce é impossível existir o telhado. Sem Fé Católica é impossível existir caridade.

    É assim que ensina o Catecismo de São Pio X quando diz que a caridade se perde por conseqüência da perda da Fé. Portanto, para fazer caridade é preciso ser católico. É preciso ter a Fé verdadeira, sem qual é impossível agradar a Deus, como preceitua a Escritura Sagrada.

    A caridade, portanto, tem denominação sim. Ela é Católica, assim como a Igreja de Cristo é Católica. Aliás, percebe-se uma contradição em sua explicação.

    Primeiro você disse: “A caridade não tem denominação”.

    Depois disse: “A caridade e a Igreja de Cristo caminham juntas”.

    Ora, como poderia a caridade não ter denominação se essa Virtude e a Igreja caminham juntas? Caminhando juntas (Caridade e Igreja), evidentemente que para ter caridade é preciso caminhar junto com a Igreja Católica.

    A não ser que o senhor não acredita que a Igreja fundada por Cristo seja a Igreja Católica. Neste caso, teríamos ocasião para uma outra explicação.

    Espero que tenha entendido.

    Um abraço

    In Corde Jesu, semper
    Eder Silva

  18. Maria Cristina, a meu ver isso é caso de excomunhão, acho que da maioria dos Católicos acham isso. Mas tem os superiores fingem não estar vendo, porque esse instrumento do mal deve gera alguns recursos. Infelizmente a Igreja esta cheia dessa gente imunda, que quer fazer a vida. Deus , acho que nem existe em seus pensamentos, fica totalmente de lado. Com tanta vaidade, nao se poderia achar Deus nesse cantor , Fábio Tagarelo.

  19. Gente, vayan a Misas católicas, con sacerdotes católicos. Aléjense de todo lo que sea ecumenismo. Dios no quiere el ecumenismo, no quiere la unidad. Quiere que los herejes se conviertan y vuelvan a la iglesia católica.

  20. Gente, vayan a Misas católicas, con sacerdotes católicos. Aléjense de todo lo que sea ecumenismo. Dios no quiere el ecumenismo, no quiere la unidad. Quiere que los herejes se conviertan y vuelvan a la iglesia católica.

  21. Honestamente, penso que a doutrina de Fábio de Melo se aproxima mais da doutrina de Edir Macedo do que ortodoxia católica.

    Ele faria um bem enorme se fosse para a igreja do pastor Pororoca ou daquela que berra o tempo todo na tal da Lagoinha.

  22. Padre Fábio de Melo, além de ser fervoroso em suas falas, em seu programa Direção Espiritual e nas homilias das missas por ele presididas, é e sempre será um ser humano de Deus e devoto de Nossa Senhora. Os invejosos, que nada entendem de Teologia, não leem com compreensão a Biblia Sagrada, realmente não podem entender a mensagem que o Padre Fábio deixa em cada uma das suas colocações. Ele não tem culpa de agradar a um expressivo número de pessoas pela simpatia, não é pela beleza com ostentação e sim pelo carisma e preparação teológica. Ele é moderno sim. Fala para o povo com toda segurança na fé em Jesus Cristo e transmite muito bem, exatamente por isso que é um excelente professor de professor de Teologia. Ele lança livros sim, porque é um grande escritor. Os maldosos sem intelectualidade que deixem de perseguição e vão cuidar das suas vidas.

  23. Acho o Padre Fábio de Melo muito artista.O comportamento dos sacerdotes não deve ser dessa forma.Eles devem celebrar a EUCARISTIA e estar sempre visitando as comunidades mais necessitadas. Os megashows definitivamente não combinam com o sacerdócio.Aliás, pesquisando muito na internet, leia-se “google”, não encontrei nenhuma notícia que comprove que o referido padre faça alguma obra de caridade.Não estou dizendo que seja o caso desse sacerdote, mas na Bíblia tem uma passagem dos evangelistas, dita por JESUS, na qual ELE alerta: “Cuidado com aqueles que pregam a palavra do SENHOR e que por fora são como ovelhas, mas por dentro são como lobos devoradores”.

Os comentários estão desativados.