UMA CARTA PARA Pe. PIO






Escreva uma carta ao Pe. Pio ou faça seus pedidos, via COMENTÁRIOS. Serão colocados embaixo do corpo do querido santo.
 Sua carta ( ou pedidos ) ,mandados por comentários, só serão publicados aqui com sua autorização expressa.
Envio até o dia I de junho.

IMAGEM DE FÁTIMA NO FUNDO DO MAR

Várias pessoas passaram a visitar a imagem da Virgem Maria que está no fundo do mar em Bohol/Filipinas. 

A imagem foi colocada ali para evitar o uso de explosivos em recifes usados pelos moradores do local durante a pesca. Foi um milagre debaixo d’água! Agora os moradores sabendo que a imagem está lá, já não usam mais os explosivos e, eles passaram a ter uma outra forma de sustento para suas famílias, pois os números de turistas querendo ver a imagem aumentou. 

BETTO E FRANCISCO


Pe. João Batista de Almeida Prado Ferraz Costa
Vai ficando cada vez mais patente que a nova religião, nascida após o Vaticano II, perdeu completamente o temor de Deus, a esperança sobrenatural e transformou-se numa utopia materialista e igualitária. O inqualificável Frei Betto, em recente crônica, relata sua breve entrevista com o bispo de Roma. Informa que lhe disse extra pauperes nulla salus (com o que concordou Bergoglio) e pediu-lhe que valorizasse a teologia da libertação e reabilitasse os hereges mestre Ekhart e Giordano Bruno, ao que parece ter assentido Francisco,  respondendo-lhe que rezasse em tal intenção
Não se pode deixar passar em branco a burla feita pelo frade, burla própria mais de um cafajeste que de um herege. Própria de um cafajeste que não tem nenhuma preocupação com a salvação da sua alma e zomba daqueles que creem que a Igreja é necessária para a salvação eterna.  Burla compartilhada escandalosamente por aquele a quem foi confiada a grei de Cristo: “Apascenta os meus cordeiros” (Jo. XXI, 16).
A melhor resposta, o melhor remédio que se pode dar a tamanha desfaçatez, a uma ideia tão atrevida, é simplesmente desmascarar seu autor e correligionários mostrando que não creem no Evangelho mas apenas o instrumentalizam a seu bel prazer e a serviço de seu tenebroso projeto político revolucionário e totalitário.
Nosso Senhor disse no Evangelho: “Porque sempre tendes os pobres convosco, mas a mim não me tendes sempre” (Jo. XII, 8) repelindo a objeção levantada por Judas Iscariotes, traidor e ladrão, que censurava o desperdício do bálsamo de puro nardo  com que Maria havia ungido os pés do Senhor.
Ao contrário do que dizem os demagogos e mentirosos da nova religião, os verdadeiros Santos da Igreja Católica (penso em um São Vicente de Paulo, em um São Camilo de Lelis, em um São João de Deus) sempre tiveram verdadeiro cuidado sobrenatural com as condições mais penosas dos pobres. Mas não se reduziam a assistentes sociais e muito menos a demagogos revolucionários que semeiam o ódio entre as classes sociais em nome de um falso conceito de justiça social. Eram homens de fé que queriam sobretudo a salvação das almas e sabiam que, em grande medida, as desigualdades sociais injustas, as situações de extrema miséria, resultam de uma pobreza moral e espiritual que deve ser combatida com a pregação do verdadeiro Evangelho de Nosso Jesus Cristo que diz “Buscai pois, em primeiro lugar, o reino de Deus e sua justiça, e todas estas coisas vos serão dadas por acréscimo” (Mt. VI, 23).
A propósito, se as paredes de um motel de luxo ou de um Copacabana Palace falassem, elas poderiam dizer como grandes fortunas foram dilapidadas e famílias inteiras reduzidas à miséria por causa de adultérios e outros crimes. Esta miséria moral que arruína a família católica é que deve ser combatida com coragem pelos religiosos. Não lhes compete fazer discursos politiqueiros a pretexto de defesa dos oprimidos e explorados pelo “capitalismo neo-liberal”.
Os verdadeiros santos amigos e benfeitores dos pobres (os da Igreja de sempre) sabiam que a maior pobreza é a pobreza moral, o erro, a ignorância, o pecado, o vício que realmente destroem e corrompem o homem no que têm de mais nobre, a sua alma com a sua inteligência e vontade. Sabiam também, como já havia dito o Filósofo (tão desprezado pelos modernistas), que a vida virtuosa exige, sim, um mínimo de condições materiais para o homem ter uma vida feliz, tanto quanto possível neste vale de lágrimas. Mas nunca quiseram construir um reino  materialista e hedonista aqui na terra como se isto bastasse para a felicidade do homem.
Para encerrar estas mal traçadas linhas, quero dizer que tenho muito mais pena e lástima do Frei Betto e dos comensais da Casa de Santa Marta (que não devem ter um cardápio tão pobre assim) do que daqueles infelizes desvalidos que vivem nas “periferias” ou debaixo das pontes e viadutos das grandes cidades sofrendo terrivelmente em seus corpos mas talvez não tendo em suas almas a tamanha miséria moral de um frade cafajeste travestido em escriba de uma falsa religião humanista.
E quanto à possível (ou provável) reabilitação dos hereges mestre Eckart e Giordano Bruno (este merecida e justissimamente condenado à fogueira) quero dizer que quando as autoridades maçônicas do Reino da Itália garibaldina lhe erigiram um monumento no Campo dei Fiori, Papa Leão XIII teve a honradez de protestar veementemente. Hoje podemos esperar por mais uma cena humilhante e sórdida.
Anápolis, 11 de março de 2014
Memória de Nossa Senhora das Dores e de São Leão Magno

Declarações do Secretário da Conferência Episcopal Italiana causam desconcerto entre católicos




ROMA, 15 Mai. 14 / 01:28 pm (ACI).- O Secretário da Conferência Episcopal Italiana (CEI), Dom Nunzio Galatino, causou desconcerto entre os católicos com umas recentes declarações nas quais se referiu às pessoas rezam o terço em frente às clínicas de aborto.


SANTOS A torto e a direito

A arquidiocese de Mariana (MG) divulgou ontem, dia 13, comunicado da Congregação para a Causa dos Santos sobre o processo de beatificação de dom Luciano Mendes de Almeida.  “Por parte da Santa Sé, não há nada que impeça, para que se inicie a Causa de Beatificação e Canonização de Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida”, informa a Congregação. A solicitação de abertura do processo foi feita pelo arcebispo local, dom Geraldo Lyrio Rocha, que poderá instituir o Tribunal que levará adiante o processo.
Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida foi arcebispo de Mariana de 1988 a 2006, quando faleceu aos 75 anos. O arcebispo, da Companhia de Jesus, foi secretário geral (de 1979 a 1986) e presidente (de 1987 a 1994) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por dois mandatos consecutivos.

Em nota publicada em 2006 sobre dom Luciano, a Presidência da CNBB destacou entre as marcas que deixou na instituição o dinamismo, a inteligência privilegiada, a dedicação incansável e o testemunho de amor à Igreja.

EMOCIONANTE TRASLADO DO CORPO DE Ir. LÚCIA PARA FÁTIMA

Emocionante vídeo do traslado do corpo de Ir. Lúcia de Jesus e do Coração Imaculado para Fátima.
Cumprem-se as palavras de Nossa Senhora de que Lúcia só iria para o céu bem mais tarde, “já vocês – se referindo a Francisco e Jacinta,   virei busca-los em breve”, disse Nossa Senhora, o que aconteceu.

Virgem de Fátima, apressai o triunfo do Vosso Coração Imaculado!

A propósito de uma “reunião” entre o Papa Francisco e Dom Fellay







Em 10 de maio de 2014 o site de língua inglesa Rorate Cæli publicou, sob o pseudônimo “Adfero”, uma “informação exclusiva” cujas fontes – dizia-se – não podiam ser divulgadas. Essa “informação exclusiva”, reproduzida por diversos meios, revelava que Dom Bernard Fellay, Superior Geral da Fraternidade São Pio X, tinha se reunido com o Papa Francisco. Em 11 de maio, a agência romana I.Media assinalava que os dois assistentes de Dom Fellay, os Padres Niklaus Pfluger e Alain-Marc Nély, teriam assistido à missa privada do Papa.
Os Padres Pfluger e Nély jamais assistiram à missa privada do Papa e os jornalistas que o afirmam teriam muita dificuldade para indicar o dia dessa suposta assistência. Eis aqui os fatos.

Em 13 de dezembro, Dom Fellay e seus assistentes se dirigiram a Roma a pedido da Comissão Ecclesia Dei para uma reunião informal. Ao final desse encontro, Dom Guido Pozzo, secretário da Comissão, convidou seus interlocutores para almoçar no refeitório da Casa Santa Marta, onde se somou Dom Agostinho Di Noia, secretário adjunto da Congregação para a Doutrina da Fé. Nesse amplo refeitório o Papa almoça diariamente, afastado dos outros comensais.

Dom Pozzo quis apresentar Dom Fellay ao Papa quando este saía do refeitório. Houve uma breve conversa na qual o Papa Francisco disse a Dom Fellay, segundo a fórmula de cortesia habitual, que estava “encantado em conhecê-lo”, ao que Dom Fellay respondeu que rezava muito, e o Papa lhe pediu que rezasse por ele. Tal foi o “encontro” que durou alguns segundos.

Na entrevista que concedeu a Le Rocher (abril-maio 2014), Dom Fellay respondera à pergunta seguinte: Houve alguma aproximação oficial de Roma para retomar contato com Vossa Excelência desde a eleição do Papa Francisco? – “Houve uma aproximação ‘não oficial’ de Roma para retomar contato conosco, mas nada mais, e eu não solicitei qualquer audiência como o fizera logo depois da eleição de Bento XVI. Atualmente para mim as coisas são muito simples: permanecemos como somos. Alguns concluíram a partir dos contatos de 2012 que eu colocava como princípio supremo a necessidade de um reconhecimento canônico. A conservação da fé e de nossa identidade católica tradicional é primordial e continua sendo nosso primeiro princípio”.


(Fonte: FSSPX/MG – DICI de 12/05/14)

PEDRO, TU ME AMAS ? (3)

Salve Maria!

Mais uma vez, notícias que envolvem o Papa.

Salesiano anti-clerical e de doutrina heterodoxa, além de uma duvidosa doutrina moral é recebido pelo Papa e faz homilia em missa concelebrada pelo Pontífice.

Acima  a trágica  foto do papa beijando as mãos de D. Michele. 

Rezemos pelo Papa e pela Igreja  nesses dias obscuros.


*****
Dom Michele concelebrou com o Papa argentino e pregou, como mostra a imagem ao lado, a homilia na Casa Santa Marta onde, desde que assumiu o Ministério Petrino, diariamente o Papa recebe cidadãos comuns de Roma e membros do clero de diversas partes do mundo e faz homilias a toque de caixa, claramente no improviso.