FELIZ NATAL PARA TODOS!

 

NOSSA SENHORA DO “Ó” E DOS “AIS”

Pe. Marcélo Tenorio

Por esses dias estive em S. Paulo e lá pude assistir uma apresentação natalina dos jovens da Montfort, na bela Igreja de S. Bento. Entre tantas peças executadas, uma chamou-me bastante atenção. Trata-se da canção “ Convidando está la Noche”, de Juan Garcia de Zéspedes, mexicano, falecido em 1678. Uma canção natalina, com uma marcação que soa, a cada instante, como que um convite ao júbilo, à alegria pelo Menino nascido em Belém, mas ao mesmo tempo, um avanço, a cada estrofe em direção à cruz velada pelas luzes da noite santa.
Com rápidos movimentos, numa sonoridade agradabilíssima, inicia-se a canção jubilosa, mas entre um verso e outro aparece sempre um “AY”, imperativo, peremptório.

“ Ay, que me abraso, ay! Divino dueño, ay!
Em la hermosura, ay! de tus ojuelos, iay!

Francisco: A Cúria Romana com Alzheimer Espiritual e mais 14 moléstias!

doenças-mais-mortais

No tradicional discurso à Cúria Romana , que  o papa faz todo fim de ano, Francisco foi extremamente duro e colocou que a Cúria Romana estaria sofrendo de 15 terríveis  e graves doenças, a saber:

“Alzheimer espiritual”, “terrorismo do falatório”, “esquizofrenia existencial”, “exibicionismo mundano”, “narcisismo falso” e “rivalidades pela glória”.

O Estranho Pontificado do Papa Francisco – Ensaio sobre a primavera bergogliana

129_2442-alt-papa francisco sapato

A hora é grave. A confusão reina. O mal é profundo. Calar é tornar-se cúmplice. O que está em jogo é vital: trata-se, nada mais nada menos, de conservar a Fé e de seguir professando-a publicamente, dentro e fora da Igreja. Ser testemunhos da Verdade diante de nossos contemporâneos, presa do erro e da mentira tornados sistema.

Por Sosa Laprida

Tradução: Carlos Wolkartt – Catolicidade.com

O estranho pontificado do Papa Francisco. 02/02/14.

Como católico, é sumamente doloroso ver-me obrigado por minha consciência a emitir críticas ao papa. E a verdade é que seria muito bom se a situação da Igreja estivesse normal e eu não encontrasse, por conseguinte, nenhum motivo para formulá-las. Desafortunadamente, somos confrontados com o fato incontestável de que Francisco, em apenas um ano de pontificado, realizou incontáveis gestos atípicos e efetuou um sem-número de declarações cheias de novidades e por demais preocupantes. Os fatos em questão são tão abundantes que não é possível tratá-los todos no marco necessariamente restringido deste artigo. Ao mesmo tempo, não é tarefa simples limitar-se a escolher só alguns deles, já que todos são portadores de uma carga simbólica que os torna inauditos aos olhos do observador atento, indicando uma situação eclesial sem precedentes na história. Depois de árduas reflexões, retive cinco que me parecem ser os melhores indicadores da tonalidade geral que é possível observar neste novo pontificado.

Por que não vou à ordenação do novo bispo

mons_rogelio2-150x150

“Eu não assistirei à ordenação episcopal do novo Bispo de Ciudad del Este. Ainda que ele pessoalmente não tenha nada a ver com meus problemas com a Conferência Episcopal Paraguaia (CEP), não quero estar com os bispos da CEP como se aqui não tivesse ocorrido nada.”

Dom Rogelio Livieres, ex-bispo de Ciudad del Este.

Havia decidido guardar silêncio sobre o ocorrido com a penosa Visita Apostólica à Diocese de Ciudad del Este e a minha posterior destituição como seu Bispo, ao ser declarada pelo Vaticano como “sede vacante”. Não obstante, o senhor Arcebispo de Assunção, Dom Edmundo Valenzuela, voltou a tema em uma entrevista brindada ao diário ABC Color, em sua edição de 8 de dezembro passado, expressando seus desejos de que neste domingo, dia fixado para a ordenação do novo Bispo de Ciudad del Este, os Bispos do Paraguai me abracem e eu a eles, como símbolo de comunhão. Também realiza uma série de considerações que reclamam meus agradecimentos, por um lado, assim como algumas precisões e reflexões, por outro.

Asia Bibi: «Para minha libertação espero um verdadeiro milagre»

 

ppasiabibi141212

 

20/12/14 11:54 |

(Vatican Insider/InfoCatólica) A campesina do Punjab foi encarcerada «por um copo de água», depois de uma discussão com duas mulheres muçulmanas que a acusaram falsamente. Este ano passará seu quinto Natal no cárcere e nos conta sua vida atrás das grades, suas angústias e esperanças.

Está à espera do braço da morte há mais de cinco anos e na atualidade se encontra no cárcere de Mutlan. Asia se tem apegado a sua Bíblia e a sua profunda fé, confiando mais na providência de Deus que na justiça paquistanesa. Entretanto, depois da sentença de sua sorte, esperará com paciência e acolherá serenamente o juízo do processo em terceiro grau, que acaba de começar na Suprema Corte do Paquistão. Esperando o sonhado milagre de sua libertação.