Nos 100 anos de Fátima, Francisco festejará a Reforma Protestante

07_01_2015__18_34_3799371798621b798186a19b20b154fb1211c65_640x480

O Papa Francisco anunciou no dia 18 de dezembro passado que a Igreja comemorará o V Centenário da Reforma Protestante, que foi liderada pelo monge herege Martinho Lutero. Essa decisão de comemorar em conjunto com os protestantes esta “revolução”, que tanto mal trouxe à Igreja e  às almas ( quantas almas se perderam seguindo as seitas!) é algo inusitado e inconcebível em épocas passadas, sobretudo a iniciativa vindo de um Papa.

Celebrar e comemorar o que? A apostasia? A teimosia de um monge insano? Comemorar a negação da Presença real de Jesus na eucaristia e os sacrilégios acontecidos na Alemanha e noutras partes pelos protestantes inflamados do orgulho luterano? Celebrar a exclusão do culto à Nossa Senhora, a negação dos dogmas e as blasfêmias contra a  Toda Santa Mãe de Deus? Aplaudir a  separação dos protestantes da Igreja, como também o desdém que nutrem contra a Sé de Pedro e todo seu edifício sacramental?

O Papa Francisco , ele mesmo, usa a palavra “comemorar”, como vemos no texto: “… Em 2017 os cristãos luteranos e católicos comemorarão conjuntamente o quinto centenário da Reforma….”

“Comemorar”  significa celebrar, festejar, regozijar-se com algo.

Ora, se comemoro o holocausto judeu, significa que me alegro, me regozijo e por isso festejo por todos os fatos alí acontecidos. Se comemoro a revolução cubana, a mesma coisa, a francesa,idem…

Comemorar os 500 anos da reforma protestante é aplaudir a mentira, o erro, a heresia, o mal, a irreligião…E o mais grave: por um convite papal.

O grande santo do Gargano, Pe. Pio de Pietrelcina, dizia, sobre o protestantismo:

 

“Não sabeis que o protestantismo também possui um fundador sobrenatural? Sabeis agora, trata-se de um anjo, e seu nome é Lúcifer”.

E ainda:

“O protestantismo é como uma nuvem negra que rapidamente cobre todo o brilho do sol. Sabeis, pois, que uma nuvem não é mais grandiosa que o sol, e que ela não o cobre para sempre. A nuvem passa pelo sol, assim como o protestantismo passará perante a Igreja, sem lhe causar dano algum, pois o que não provém do céu jamais poderá vencer o próprio céu.”
“Olhe para o Protestantismo como um grande hospital, onde os médicos não são verdadeiros médicos, e os remédios não fazem efeito porque não possuem a substância correta. Verás, pois, que se um moribundo adentrar nesse hospital suplicando que lhe cure, sequer ouvirá uma solução para sua doença, ou será atendido de forma desleixada, e a morte será o seu único fim. Assim é o protestantismo: há pastores que não são pastores, e há doutrinas que não salvam, por não serem as doutrinas de Cristo. E seu único fim [do protestante] é a morte eterna, se a misericórdia divina não contrapuser a justiça temerosa.”

Alguns textos  “edificantes” de Lutero que mostram sua “profunda” espiritualidade:

“Cristo Adúltero. Cristo cometeu adultério pela primeira vez com a mulher da fonte [do poço de Jacó] de que nos fala São João. Não se murmurava em torno dele: “Que fez, então, com ela?” Depois, com Madalena, depois, com a mulher adúltera, que ele absolveu tão levianamente. Assim, Cristo, tão piedoso, também teve que fornicar, antes de morrer” (Lutero, Tischredden, Conversas à Mesa, N* 1472, edição de Weimar, Vol. II, p. 107, apud Franz Funck Brentano, Martim Lutero, Ed Vecchi Rio de Janeiro 1956, p. 15).

“Deus est stultissimus” (Lutero, Conversas à Mesa, ed Weimar, N* 963, Vol. I , p. 487. Apud Franz Funck Brentano op. cit. p. 147). Lutero concluia : “Deus age sempre como um louco” (Franz Funck Brentano, Martim Lutero, p. 111). Cadernos pessoais de Lutero recentemente descobertos estudados pelo Padre Theobald Beer que publicou um livro sobre o tema Lutero afirma que Cristo é, simultaneamente, Deus e satanás, o bem e o mal.

“Eu estou, da manhã à noite, desocupado e bêbado. Você me pergunta por que eu bebo tanto, por que eu falo tão galhardamente e por que eu como tão freqüentemente? É para pregar uma peça ao diabo que se pôs a me atormentar. É bebendo, comendo, rindo, nessa situação, e cada vez mais, e até mesmo cometendo algum pecado, à guisa de desafio e desprezo por Satanás, procurando tirar os pensamentos sugeridos pelo diabo com o auxílio de outros pensamentos, como, por exemplo, pensando numa linda moça, na avareza ou na embriaguês, caso contrário ficarei muito raivoso.” (Lutero).

“Certamente Deus é grande e poderoso, e bom e misericordioso, e tudo quanto se pode imaginar nesse sentido, mas é estúpido” (Lutero). (Id. Propos de Tables – no. 963, ed. De Weimar, I , 487). Sobre Nosso Senhor Jesus Cristo: “Pensais, sem dúvida que o beberrão Cristo, tendo bebido demais na última Ceia, aturdiu os discípulos com vã tagarelice?” (Lutero). (Funk Brentano, Martim Lutero, Casa Editora Vecchi – 1956 – pg. 135)

Voltemos ao discurso de Francisco a uma delegação da Igreja Evangélico-Luterana Alemã:

“Hoje em dia, o diálogo ecuménico já não pode ser separado da realidade e da vida das nossas Igrejas. Em 2017 os cristãos luteranos e católicos comemorarão conjuntamente o quinto centenário da Reforma. Em tal circunstância, pela primeira vez luteranos e católicos terão a possibilidade de compartilhar uma mesma celebração ecuménica no mundo inteiro, e não sob a forma de uma comemoração triunfalista, mas como profissão da nossa fé comum no Deus Uno e Trino. Por conseguinte, no centro deste acontecimento encontrar-se-ão a oração comum e o íntimo pedido de perdão, dirigidos ao Senhor Jesus Cristo pelas culpas mútuas, juntamente com a alegria de percorrer um caminho ecuménico compartilhado. É a isto que se refere de maneira significativa o documento elaborado pela Comissão luterano-católica para a unidade, publicado no ano passado e intitulado: «Desde o conflito até à comunhão. A comemoração comum luterano-católica da Reforma em 2017». Possa esta comemoração da Reforma encorajar-nos todos a dar, com a ajuda de Deus e o auxílio do seu Espírito, ulteriores passos rumo à unidade, e a não nos limitarmos simplesmente àquilo que nós já conseguimos alcançar”

Vale  salientar que essa “celebração da rebelião” acontecerá no ano do centenário das Aparições de Fátima!

Só existe uma resposta ao convite do Papa e é a mesma que  os santos  e mártires deram no decorrer de vinte séculos,

NON POSSUMUS, NON POSSUMUS!

Pe. Marcélo Tenorio

19 respostas para “Nos 100 anos de Fátima, Francisco festejará a Reforma Protestante”

  1. SÃO PIO TINHA PAVOR DO PROTESTANTISMO!
    O Protestantismo é uma das multiformas do relativismo, abençoado pela maçonaria, da qual pastores acusam mutuamente muitas vezes de se associarem a ela, quase todas as seitas são apenas máscara de práticas esotéricas, rebeladas entre si, ainda muitas apoiam até partidos comunistas, e o pai da seitas Lutero tem atrás de si um rastro de pólvora.
    Numa dessas do papa Francisco com Pe Pio se ainda estivesse entre nós, será que se manteria calado?…
    E afirmava:
    “Olhe para o Protestantismo como um grande hospital, onde os médicos não são verdadeiros médicos, e os remédios não fazem efeito porque não possuem a substância correta. Verás, pois, que se um moribundo adentrar nesse hospital suplicando que lhe cure, sequer ouvirá uma solução para sua doença, ou será atendido de forma desleixada, e a morte será o seu único fim. Assim é o protestantismo: há pastores que não são pastores, e há doutrinas que não salvam, por não serem as doutrinas de Cristo. E seu único fim [do protestante] é a morte eterna, se a misericórdia divina não contrapuser a justiça temerosa.
    ”É preciso salientar, ademais, que Padre Pio vivia em um convento, e não tinha contato pleno com o mundo externo, e sua ira contra o Protestantismo certamente era movida de alguma forma pela sua misticidade. Isso fica bem claro quando ele diz: “É a Virgem quem chora porque não combatemos este inimigo [o protestantismo]”.
    Por fim, a forma radical com a qual Padre Pio tratava a heresia protestante deve ser tomada como um exemplo para nós que somos filhos da Igreja de Cristo, pois, como o próprio santo disse, “é impossível amar a Igreja e não lutar para destruir essa heresia”.
    Temos que seguir a Igreja de sempre, a de 2000 anos, do magistério do “quod semper et quod ubique et quod ab omnibus”.
    Enc. Ad Petri Cathedram:
    37. A Igreja Católica manda crer fiel e firmemente tudo o que Deus revelou, isto é, o que está contido na Sagrada Escritura e na Tradição tanto oral como escrita e, no decurso dos séculos, desde o tempo dos apóstolos foi estabelecido e definido pelos Sumos Pontífices e pelos legítimos Concílios Ecumênicos. Sempre que alguém se afastou desta verdade, a Igreja com a sua materna autoridade não deixou de o chamar repetidamente ao reto caminho. Pois sabe muito bem e defende que há uma só verdade e que não podem admitir-se “verdades” contrárias entre si; faz sua a afirmação do Apóstolo das gentes: “Nada podemos contra a verdade, mas pela verdade” 2 Cor 13,8.
    2015 promete surpresas…

    1. O Papa não é INFALÍVEL em questões morais e dogmáticas?Não foi ele que decidiu pelo ECUMENISMO?

      1. Infalível sim. Um juiz de direito não tem autoridade para sentenciar? Então quando ele bater o carro, você também poderia perguntar: Ora, por que ele não sentencia contra o causador do acidente? Por que não faz a mesma coisa quando briga com o vizinho, quando é roubado etc? É necessário separar o homem quando é homem é juiz quando é juiz. Assim se faz em relação ao papa. Não é um pronunciamento infalível.

  2. Esse é o Papa que o mundo aplaude.
    Esse é o Papa homenageado pelas revistas dedicadas à disseminação do homossexualismo e consequências.
    Esse é o Papa que a mídia secular saúda como “inimigo” da Igreja retrógrada e anacrônica.
    Esse é o Papa que acusou a hierarquia da Igreja de padecer do mal de Alzheimer.
    Esse é o Papa que condenou bispos reconhecidamente defensores da Igreja e da Tradição ao desterro e ao ostracismo.
    Esse é o Papa que tenta “enfiar goela abaixo” da Cristandade a comunhão a divorciados, numa tentava absurda de revogar mandamento estabelecido pelo próprio DEus acerca do adultério.
    Esse é o Papa que silenciou absurdamente sobre o aborto, quando esteve no Brasil, por ocasião da JMJ, justamente num momento em que estava na iminência de ser permitido juridicamente.
    Esse é o Papa que saudou o Islamismo, por ocasião do Ramadã, honrando a falsa religião nascida das profundezas do Inferno que incendia Igrejas e pratica o genocídio contra os cristãos mundo afora, inclusive agora mesmo, na França.
    Esse é o Papa que, como primeira atitude, enviou cartas saudando clérigos judeus que pregam o ódio à IGreja e negam a divindade de N. Senhor.
    Esse é o Papa que se nega a fazer o sinal da Cruz em frente de Jornalistas, abençoando-os, para nao “ofendê-los”.
    Esse é o Papa a respeito dos qual várias lideranças protestantes já denunciaram ser maçom.
    Esse é o Papa que o mundo aplaude.
    Saudades de você, Bento XVI, com sua coragem e bravura com a Espada da Verdade, na defesa da Igreja de Cristo.
    São Pedro, São Gregório Magno, São Leão X, N. Senhora e Rainha, roguem por nós e por V. Igreja.
    Porque as lágrimas vertidas por N. Senhora, neste momento, também são nossas.
    Sem mais!

  3. Não podemos, não aceitamos!
    Todos os site católicos que não comungam com esta terrível ideia, têm obrigação de levantarem assinaturas de todos verdadeiros católicos, que são contra em comemorar esta data tão terrível para a história do cristianismo e fazer chegar até o Vaticano.
    Que tal os católicos passarem a comemorar também o inicio do islamismo, espiritismo, hinduísmo, budismo, marxismo, comunismo? …
    Que tal um pedido para renuncia de Jorge Bergoglio?
    Jesus Cristo, piedade!

  4. Assim como Lampião foi o rei do cangaço, Lutero foi o cangaceiro da fé!
    Seus filhotes andam arrancando pedaços uns nos outros e segundo IBGE, os “invangélicos” fundam uma seita por hora!

  5. Não tenho nada a dizer. Simplesmente lamentável. Enquanto o romano pontífice celebra 500 anos de apostasia e divisão, Nosso Senhor diz no Evangelho: “Se uma casa está dividida contra si mesma, tal casa não pode permanecer” (Marcos 3,25).

    E o que é o Protestantismo? O triunfo da divisão na Cristandade. A religião da “revolução”: revolução contra o Santíssimo Sacramento, contra a Santíssima Mãe de Deus, contra a Igreja…

    Lembre-se, Santo Padre, no sangue dos inocentes que correu durante o saque de Roma, fruto do ódio luterano; lembre-se de São Tomás Morus, em sua inabalável fé, que não sucumbiu mesmo quando teve de escolher entre sua salvação e a fidelidade ao rei; lembre-se de São João Ogilvie, que teve seu sangue derramado pelos hereges calvinistas escoceses.

    E, acima de tudo Santo Padre, lembre-se de que, no tribunal divino, não haverá judeu ou grego, leigo ou clérigo: cada um terá de prestar contas a Deus pelo uso que fez de seus dons e se cumpriu fielmente a missão à qual foi chamado.

    Quanto a nós, pequenos como somos, o que fazer? Primeiramente, não sejamos “viúvas” de Bento XVI: o papa emérito, quer por livre iniciativa, quer por pressão, fez uma escolha, assumindo assim todos os riscos inerentes à sua decisão. Lutou como pôde, mas sucumbiu. Suas limitações físicas prevaleceram.

    No entanto, sejamos confiantes: Deus está no controle! Por maiores que pareçam as tribulações, permaneçamos cientes de que a Providência Divina não falha. Se o Senhor nos colocou diante de tão árdua batalha, é porque sabe que podemos, com sua graça, vencer.

    E não nos esqueçamos de que, como todas as suas fragilidades, Francisco merece o nosso amor e respeito. Entreguemos o seu pontificado nas mãos de nossa Mãe; ela não o abandonará. Nem a nós, se permanecermos constantes na oração.

    E que Nossa Senhora de Fátima interceda por nós nestes tempos de confusão.

  6. Ainda não entendi…para quê…..NOSSO SENHOR JESUS CRISTO,permitiu que BERGOGLIO fosse eleito..Papa.

    1. PARA DEIXAR A SUA PRÓPRIA SORTE TODO PECADOR QUE NÃO DEU OUVIDO À VERDADE, ASSIM COMO ESTÁ NA ESCRITURA.

  7. Seja aquilo que Deus quiser! situação lamentável para a Santa Igreja. REZEMOS, REZEMOS E REZEMOS

  8. Sinceramente eu queria acreditar que era mais uma notícia distorcida sobre alguma fanfarrice verborrágica do dito “papa Francisco”. Mas não é.
    Para entrar no “clima” ecumênico, acho que passarei a acreditar no que os “irmãos separados” (ecaaaaa!!!) costumam falar do Papa… que se não for o anti-cristo… é pelo menos seu precursor.
    E tentando lançar luzes sobre o questionamento da Mariana… acho que não ouvimos os apelos da Santíssima Virgem em La Sallet… e muito menos em Fátima, e hoje pagamos por isso!

  9. Que lamentável mesmo! Festejar um monge que pregava que a salvação é uma “graça” de Deus “pela fé somente” no nosso Senhor Jesus Cristo, afirmando que essa foi sua grande “descoberta” nas Escrituras Sagradas!!! Nunca li a passagem de São Paulo aos Romanos cap. 3, versos 27 e 28 ou Efésios cap. 2, versos 8 e 9, ou ainda Gálatas cap. 2, versos 16 e 17 que “eles” gostam tanto de citar! E nem quero ler! De fato, acho que nem devo! Afinal, a leitura e a interpretação das Escrituras devem ser feitas exclusivamente pelo magistério da Igreja! É por isso que não leio realmente as Escrituras! E quando me lançam no rosto as famosas palavras de Jesus Cristo no Evangelho de São Mateus, cap. 22, verso 29, repreendendo os saduceus por “desconhecerem as Escrituras”, o que faço é virar o rosto a esses hereges! Um padre, que defende o ecumenismo, me advertiu que Jesus Cristo ensinou que nós cristãos seríamos conhecidos pelo amor (João 13.35) e que deveríamos até “amar os inimigos” (Mateus 5.43 a 48), quanto mais “nossos irmãos separados”!! Mas acho que nesse caso nosso Senhor Jesus Cristo deve ser interpretado com cautela: há ocasiões em que o “verdadeiro amor” se expressa pelo desprezo, escárnio e difamação! Não acham? Pelo que li dos comentários acima, penso que quase todos hão de concordar comigo!
    Ah, tenho certeza que nosso Senhor Jesus Cristo ficará muito orgulhoso de nossa firmeza na ortodoxia da Igreja!

Os comentários estão desativados.