O PROTO-HOMOSSEXUAL

homossexual

Por que há tantas pessoas heterossexuais a favor da homossexualidade?

Porque a normalização da homossexualidade é a realização da ideologia heterossexual. “Gay” e “homossexual” não são taxonomias mas ideologias. Não são orientações mas desorientações: bi-, homo-, ou hétero-, sexualidade hifenizada faz-nos perder o nosso sentido de direção para o verdadeiro sexual e as vítimas desta ideologia são as crianças.

As palavras “homossexual” e “heterossexual” são neologismos do século XIX feitos para separar o romance da responsabilidade e o sexo da fecundidade. “A heterossexualidade foi feita para servir este fantasioso quadro de regulação de ideais”, escreve Michael Hannon, resumindo Foucault, “preservar a proibição social contra a sodomia e outros desenfreios sexuais sem a necessidade de recorrer à natureza procriadora da sexualidade humana”. O mito tornou-se um facto, e é por isso que tantos heterossexuais são a favor da homossexualidade. A homossexualidade ratifica a heterossexualidade.

Os mesmos princípios e práticas que ajudam e estimulam a ideologia homossexual só validam a ideologia heterossexual: a coabitação, o divórcio sem culpa, o sexo estéril, a exultação do amor romântico, a história banal do casal que se revolta contra o mundo para que possam fugir juntos para o pôr-do-sol, a suposição que ter filhos é um estilo de vida opcional, ou até mesmo algo que se pode comprar através da adoção ou da fertilização “in vitro”. Heterossexualidade, eu diria, é na verdade proto-homossexualidade. Continue lendo

VATICANO DECLARA FALSAS AS “APARIÇÕES DE MEDJUGORJE

download (2)
Graças a Deus a Congregação para Doutrina da Fé se pronunciou sobre Medjugorje. Como já sabíamos as Aparições foram consideradas FALSAS.  Abaixo, as ponderações da Sagrada Congregação.
Durante a reunião plenária da Congregação para a Doutrina da Fé, o Cardeal Gerhard Ludwig Müller, Prefeito da Congregação, divulgou o parecer da Santa Sé em relação às aparições de Medjugorje (Bósnia-Herzegovina) e aos respectivos videntes. A conclusão apresentada é que nunca aconteceu nenhum evento sobrenatural em Medjugorje. Este parecer foi apresentado pela “Comissão Ruini”, constituída pelo Papa Bento XVI para investigar os ditos fenómenos e as mensagens da Virgem Maria que são tornadas publicas regularmente pelos videntes desde 1981.
A Congregação para a Doutrina da Fé aprovou uma série de restrições e recomendações em relação a Medjugorje, tais como:
– Os fiéis católicos estão proibidos de participar nos “extases” dos videntes.
– Os videntes estão proibidos de divulgar os textos que dizem ter recebido da Virgem Maria.
– A paróquia de Medjugorje não será um Santuário Mariano, como desejavam os videntes.
– Os bispos não podem acolher nas suas dioceses os videntes para darem o seu testemunho.
– Os bispos devem recomendar aos seus fiéis que quando se deslocarem a Medjugorje como peregrinos se façam acompanhar por um sacerdote católico.
– Os peregrinos que se desloquem a Medjugorje não devem reconhecer como verdadeiras as aparições e devem evitar qualquer contacto com os videntes, concentrando-se apenas na oração e Sacramentos.
Estas duras medidas tomadas pela Santa Sé foram justificadas pela inconsistência teológica das mensagens de Medjugorje e com os grandes rendimentos que os próprios videntes garantiram durante todos estes anos. Os videntes são proprietários de vários hoteis, bastante lucrativos graças ao grande número de peregrinos que se deslocam até Medjugorje.
Este “dossier” já se encontra na posse do Papa Francisco, que se deverá pronunciar nos próximos dias. Sabe-se que o Papa é bastante céptico em relação a Medjugorje e já fez duras críticas publicamente aos próprios videntes.
O Cardeal Müller afirmou ainda que Medjugorje deverá continuar a ser considerado um local de fé e oração porque Deus consegue recolher até onde não semeia.
Fonte: Gianluca Barile, Vaticanista

FRANCISCO RECONHECE O ESTADO PALESTINO

VATICAN-PALESTINIAN-ACCORD-DIPLOMACY

A Santa Sé e uma delegação de diplomatas palestinianos chegaram a acordo sobre o texto de um tratado para o reconhecimento oficial do Estado da Palestina.

O acordo foi alcançado esta quarta-feira, após uma comissão bilateral que juntou à mesa das negociações representantes do Vaticano e da Autoridade Palestiniana, e será assinado “num futuro próximo”, pelas duas partes, sob a forma de um tratado sobre o estatuto e as actividades da Igreja Católica nos territórios palestinianos (Cisjordânia e Faixa de Gaza). Um acordo semelhante para regular os direitos da Igreja em Israel continua por fechar, com as negociações paralisadas. Continue lendo