Bispo de Caicó emite “nota” para esclarecer sua Homilia polêmica

Salve Maria!

Embora o Sr Bispo se paute no cunho da “pastoralidade” e das diretrizes do papa Francisco, o bispo tocou em questão de Doutrina Moral que também se associa, algumas vezes à Dogmática. Não se pode deixar de lembrar o que nos falou o Cardeal Burke sobre a unidade de doutrina com a ação pastoral da Igreja. A ideia de se ter uma pastoral descomprometida com a Verdade é uma tremenda falta de “caridade pastoral”, fruto do modernismo já condenado pelo Papa Pio X.

O mais interessante é que a Verdade não traz dúvidas. Alguém já leu algum documento de algum porta-voz do Vaticano ou de outra autoridade esclarecendo o que quis dizer os papas Pio IX, X, XII, Bento XIV? Não..Claro que não. Alguém já viu alguma interpretação esclarecedora da doutrina do Concílio de Trento? Não. Não existe, simplesmente porque a Verdade não deixa dúvidas.

Estamos numa confusão terrível de doutrina a ponto de haver alguem sempre esclarecendo o “que-o-papa-quis-dizer”. Agora é a vez dos bispos: esclarecer o que falou…

Abaixo a “Nota” do bispo de Caicó que rodopiou prá cá, prá lá, mas não disse o que se quer saber: ” É DOM OU NÃO?!”

No último dia 30 de julho do corrente ano, em razão da homilia por mim proferida no encerramento da Festa de Sant’Ana, padroeira de nossa Diocese de Caicó, muitas contestações se levantaram a partir da referência que fiz, sobre o tema da homoafetividade.

Como “cada ponto de vista é a vista de um ponto”, gostaria de esclarecer a partir de que ponto eu estava falando. Encontro-me no sertão no Seridó há três anos e a cada dia tenho aprendido a amar este povo forte e sofrido. Uma das dores desta região que corta o meu coração de pastor é o alto índice de suicídio (só na cidade de Caicó, nos dez primeiros meses do ano passado, tivemos dezenove casos). Com frequência tenho abordado este tema e, por isso, muitas pessoas têm me procurado para partilhar experiências, o que me fez entender que vários casos estavam associados a conflitos de ordem afetiva.

O Evangelho do domingo era Mt 13, 44-5, e nos apresentava o Reino de Deus como um comprador de pedras preciosas que ao encontrar uma de grande valor, vai vende todo o que tem e compra aquela pérola. Também Jesus nos dizia que quem se torna discípulo do Reino dos Céus, é como um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas. Com esta imagem, convidei a assembleia a refletir sobre a pérola que o Evangelho estava nos dando na Festa de Santana.

Dentro do contexto, abordei o tema dos irmãos e irmãs com orientação homoafetiva, procurando enxergá-los de uma forma evangélica, por isso me dirigi aos que sofrem por causa desta condição. Em geral, a orientação sexual não é uma opção, pois em determinado momento da vida a pessoa se descobre com esta ou aquela tendência. Opção é a forma como a pessoa viverá essa orientação. A minha preocupação ao abordar tema tão delicado, é de caráter eminentemente pastoral e busca acolher, no contexto de nossa Igreja Particular, as orientaçãoes da Igreja sobre esta questão, desenvolvidas e aprofundadas nos decênios. O Catecismo da Igreja Católica já nos ensina a respeito do cuidado necessário para com as pessoas homoafetivas: “Um número considerável de homens e mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente radicadas. Esta propensão, objetivamente desordenada, constitui, para a maior parte deles, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á, em relação a eles, qualquer sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar na sua vida a vontade de Deus e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar devido à sua condição” (CIC, 2358).

Tenho total convicção que não agi de má fé nem quis induzir ninguém ao erro. Mas, como o Papa Francisco já nos pediu bastante vezes, as pessoas já sabem de cor a doutrina da Igreja sobre aborto, divórcio e atos homossexuais. Ele pede de nós que não fiquemos obcecados em sempre insistir no pecado aumentando a ferida cada vez mais dessas pessoas, mas insistamos que a igreja está de portas abertas para acolher, instruir, discernir, amar a fim de levar a salvação a todos sem exceção.

Com minha reflexão, em clima de oração, enquanto pastor que se comove diante das fragilidades do seu rebanho, sem querer minimizar as dimensões doutrinal e moral que a matéria em questão envolve, minha intenção é de salvar vidas, contribuindo para que possamos superar os preconceitos que matam e entrar na dinâmica da misericórdia de Deus que respeita, resgata e salva as pessoas. Humildemente confesso que este é o sentimento de um pastor que busca assimilar, no exercício concreto do seu ministério, a mesma compaixão do Bom Pastor, que busca “ter o cheiro das ovelhas” e que, como Pai, preocupa-se pela salvação e pela dignidade da vida dos seus filhos.

Quero confirmar que sou filho da Igreja, amo a minha Igreja, professo e aceito toda a sua doutrina e, em razão da minha prometida fidelidade ao Sucessor de Pedro, o Papa Francisco, estou procurando colocar em prática os ensinamentos do seu magistério e suas orientações pastorais sobre o tema em questão. Simplesmente busquei ser fiel ao meu lema episcopal: “Olharão para Aquele que transpassaram” (Jo 19,37), tendo os olhos fixos no Transpassado quis contemplá-lo nos transpassados da história. Finalizo com o desejo de que as sábias palavras de Santo Agostinho nos inspirem e nos guiem diante de nossas perplexidades: “Na essência a unidade, na dúvida a liberdade, em tudo a caridade”. Rezemos uns pelos outros.

De peito aberto…

Antônio Carlos Cruz Santos

Bispo Diocesano de Caicó

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *