Ante a proibição de enterrar o Bispo com sua mitra, fiéis o ornam com uma de mitra de flores

 

mons-vincent-huang-shoucheng-bispo-fiel-ao-papado-no-velorio-na-catedral-de-mindong

 

 

O bispo católico “clandestino” de Mindong (Fujian), D. Vicente Huang Shoucheng, um das maiores personalidades da Igreja Católica na China, morreu na sua Cúria aos 93 anos, governando até o último instante a diocese que o Papa lhe confiara, informou o site de AsiaNews.

Pequim: seminaristas recusam entrega dos diplomas: Não celebramos Missa com os bispos ilícitos





Os seminaristas de Pequim desertaram da cerimônia de entrega dos diplomas prevista para o final de junho, recusando-se a participar da Missa presidida por bispos ilícitos ou envolvidos nas ordenações ilícitas dos últimos anos. A agência de notícias Asia News transmitiu a notícia, explicando também que o seminário nacional da capital da China tentou primeiro mediar com os estudantes mas depois foi obrigado a cancelar a cerimônia.
Quem iria celebrar a Missa de encerramento, em um primeiro momento, era o bispo ilícito Joseph Ma Yinglin, reitor do seminário desde 2010 e ordenado bispo de Kunming em 2006 sem a aprovação do Papa e, em seguida, excomungado pela Santa Sé.
Após os primeiros protestos – relata a agência – a direção do seminário propôs o Bispo John fang Xingyao, membro da direção do seminário e presidente da Associação Patriótica, a mesma que Bento XVI chamou de “incompatível” com a fé católica em sua Carta aos católicos chineses do 2007.
O bispo dirige a diocese de Linyi, e foi ordenado bispo em 1997, com a aprovação do Vaticano, mas como tempo aproximou-se cada vez mais do governo.
Também a proposta a Fang Xingyao, portanto, foi rejeitada pelos seminaristas, que enfatizaram como ele participou de várias ordenações episcopais ilícitas. No fim das contas, os dois bispos não compareceram na cerimônia do dia 29 de junho, mas também nem sequer concederam os diplomas aos seminaristas. E, de acordo com alguns rumores, também será suspenso alguns cursos avançados para os sacerdotes, religiosos e religiosas programados para o início de setembro. (T.S)