Cardeal Burke celebra Missa Pontifical em Fátima

No passado dia 3 de Novembro, o Cardeal Raymond Burke celebrou uma Missa Pontifical na Basílica da Santíssima Trindade, no Santuário de Fátima. Esta celebração deu-se em virtude da peregrinação do Instituto Cristo Rei Sumo Sacerdote por ocasião do centenário das aparições em Fátima.
A Santa Missa foi belíssima – como se pode ver nas fotografias – e contou com a presença de mais de 4000 fiéis. O Instituto Cristo Rei Sumo Sacerdote, que conta já com vários seminaristas portugueses e brasileiros, celebra exclusivamente a liturgia tradicional.

 

CONCLAMAÇÃO

nossasenhorafatima1

Caros irmãos em Cristo: Salve Maria Puríssima!

Sabemos que estamos na “contagem regressiva” com relação ao centenário da primeira aparição de Nossa Senhora em Fátima-Portugal (13|05|1917). Sabemos que sobre esta data há um – entre outros – mistério associando este e outro centenário ocorrido na França entre 1689 e 1789. Lá, foram protagonistas, além da Igreja, alguns reis e uma santa (à época, religiosa). Aqui, além da Santa Igreja, há presidentes e outra religiosa que haverá, ela também, de ser canonizada. E em lugar da França, a Rússia.

IR. CECÍLIA MARIA: O SORRISO QUE ABALOU O MUNDO

Hna_Cecilia-Carmelo_Santa_Fe-5
https://www.youtube.com/watch?v=fi0s8mkR8sA
EM BUENOS AIRES, a Irmã Cecilia Maria partiu sorrindo para a Casa do Pai após uma difícil luta contra o câncer. Milhares compartilham nas redes sociais as imagens de sua agonia fatal, ainda que pelas fotografias seja impossível identificar qualquer traço de sofrimento, já que ela enfrentou toda a provação sem jamais perder a paz e a santa alegria.
Cecília graduou-se em enfermagem, e aos 26 anos de idade fez seus primeiros votos como carmelita descalça. Em 2003 fez a sua profissão perpétua. Há seis meses, foi diagnosticado o câncer de língua, sendo que a doença mortal provocou a metástase pulmonar. Faleceu para este mundo na última quarta-feira, 22/6/016, durante a madrugada. Embora aparentasse bem menos, tinha 43 anos.
Vivia no Monastério de Santa Teresa e São José, em Santa Fé, Argentina. Dedicava-se à oração e à vida contemplativa, tocava violino e era conhecida por sua doçura e permanente sorriso.
Nas últimas semanas, a doença se agravou e ela foi hospitalizada. No leito, não deixou de rezar e oferecer seus sofrimentos a Nosso Senhor, com a certeza de que seu encontro com Deus estava próximo.
Em um pedaço de papel, escreveu o seu último desejo: “Estava pensando como queria que fosse meu funeral. Primeiro, um momento de forte oração, e depois uma grande festa para todos. Não se esqueçam de rezar e também de celebrar!”…
Seu testemunho e as fotos dos seus últimos dias falam por si mesmos; milhares de pessoas comovidas compartilham nas redes sociais a agonia exemplar da Irmã Cecilia, exemplo perfeito e contemporâneo do que é morrer em perfeita Comunhão com Deus, com fé plena e na convicção do Céu.

 

A esperança de Chesterton

1526787_390813851052752_1573867761_n

Dr. Tiago Bana Franco

Por que é tão interessante ler Chesterton? Eis a pergunta que não me saiu da cabeça desde que iniciei O Homem Eterno. É claro que o autor tem todos os predicados necessários para fazer com que os leitores rapidamente apaixonem-se por seus textos. Perspicaz e inocente. Hiperbólico e simples. Características incompatíveis que ele aliava com muito bom humor ao escrever.

Em tempo de Misericórdia Fácil, um Sermão Terrível e Tremendo

 

Anjo-Juizo

Caríssimos,

Salve Maria!

Estamos em meio a mais uma Quaresma. Abaixo o famoso Sermão do I Domingo do Advento do Pe. Antônio Vieira. As reflexões, embora alongadas, servem muito bem para cada um de nós neste tempo de Salvação. Caso não haja tempo para leitura completa, leia aos poucos , cada dia, mas é importante ler todo o texto, pois fará muito bem  à sua alma.