Bênção da Epifania.

 2017
Caríssimos,
Salve Maria!
Na Festa da Epifania é o momento para a Bênção de nossas casas, com a tradicional Bênção da Epifania, ou a ” Bênção dos Reis Magos”. O giz deve ser abençoado pelo padre, mas o próprio Pai de Familia, ao redor dos seus, levando o giz para casa, pode fazer as inscrições nas portas, como o texto abaixo ensina. Essas inscrições sagradas de proteção devem ficar até o primeiro domingo do advento, quando é apagada, para esperar a nova bênção.
Aos Sacerdotes, segue o texto da Bênção:
A Bênção:
 
Benedictio cretae  
 
in Festo Epiphaniae 
 
V/. Adjutorium nostrum in nomine Domini. 
 
R/. Qui fecit caelum et terram.  
 
V/. Dominus vobiscum.  
 
R/. Et cum spiritu tuo. 
 
Bene + dic, Domine Deus, creaturam istam cretae : ut 
sit salutaris humano generi; et praesta per 
invocationem nominis tui sanctissimi, ut, quicumque ex ea 
sumpserint, vel in ea in domus suae portis scripserint 
nomina sanctorum tuorum  Gasparis, Melchioris et 
Baltassar, per eorum intercessionem et merita, corporis 
sanitatem, et animae tutelam percipiant. Per Christum 
Dominum nostrum.  R/.  Amen. 
 
 
Et aspergatur aqua benedicta. 
******

Por ocasião da “Solenidade da Epifania”, existeno Ritual Romano antigo, a louvável tradição deabençoar a casa dos fiéis com a “Bênção da Epifania” ou “Benção para o Ano Novo”.

Este é um sinal que cristãos vivem na casa e um sinal da bênção de Deus sobre ela.

Essa bênção era tradicionalmente feita pelopároco, mas é possível que também os fiéis invoquem esta benção de Deus para o seu lar, até porque seria pastoralmente impossível atender territorialmente toda a paróquia, e a maioria das pessoas, inclusive sacerdotes, nunca ouviu falar desta bênção.

Trata-se é claro, de uma tradição antiga, mas que nunca foi proibida pela Santa Igreja, apenas foi caindo no esquecimento, como muitos costumes bons e salutares da nossa Santa Igreja. Embora não seja muito conhecida no Brasil, tem se difundido cada vez mais esta abençoada tradição.

Pode-se fazer a bênção sozinho(a) ou com seus familiares. Neste caso, enquanto o pai dacasa invoca a benção de Deus, a mãe ou outra pessoas asperge o lugar com água benta, e outro inscreve as letras na parte de fora das passagens e portas.

Este costume, registrado em documentos desde o século XVI, é com certeza de origemanterior. Foi encontrado pela primeira vezno «Sacramentário Gelasianum Vetus» (na metade do século sete), paraabençoar a casa no ano novo ou quando havia uma mudança de residência.

Essa tradição é baseada nos tempos da Igreja primitiva, onde os primeiros cristãos desejavam proteger e abençoar seus lares, identificando-se como Povo de Deus, em analogia ao que fizeram os hebreus no cativeiro do Egito quando marcaram as portas de suas casas com o sangue do Cordeiro Pascal (Ex 12, 12–13) e como as assinalaram também depois na terra prometida (Deut 6, 9).

Com esta inscrição invocamos a benção de Nosso Senhor que em Sua Encarnação no ventre de Maria, pelo poder do Espírito Santo, veio como a Luz do mundo para salvar o homem das trevas do pecado. Assim, invocamos esta benção para os nossos lares e reivindicamos a soberania de Cristo para os espaços onde vivemos e trabalhamos.

A Solenidade da Epifania ocorre no dia 6 de janeiro. No Brasil, se esta data não cai no Domingo, é transferida para o Domingo seguinte, a fim de que todos participem.

Neste ano de 2017, a Epifania cairá numa sexta-feira; portanto, penso que pode-se fazer esta bênção na sexta (dia 6) ou no domingo (dia em que será comemorada liturgicamente).

Deve-se marcar por cima das portas e passagens da casa, do lado exterior, a seguinte inscrição com o giz abençoado: os dois números (cifras) iniciais do ano; as siglas C+M+B, sendo que cada letra é intercalada com o sinal da Cruz; e em seguida os dois números (cifras) finais do ano. Costuma-se colocar também uma cruz em cima da letra ‘M’, ficando três cruzes.

As siglas «C M B» significam: «Christus Mansionem Benedicat», ou seja: «Cristo Abençoe esta Casa».

Santo Agostinho as explicavam também como: «Christus MultorumBenefactor», que significa: «Cristo benfeitor de muitos».

Representa também os tradicionais nomes dos três Reis Magos: Caspar (Gaspar), Melchior (Melquior ou Belquior) e Balthazar (Baltazar). Tradicionalmente esta inscrição deve permanecer até a Solenidade de Pentecostes, ou se desejar, até o próximo ano.

Para este ano de 2017 a inscrição será assim:

2017

Fonte: https://filhasdemariarosamistica.blogspot.com.br/2016/12/a-bencao-das-casas-na-epifania.html

Papa Francisco: Mais uma “amigável” mensagem de Natal à Cúria

ap2691408_articolo

Nesta quinta-feira, 22 de dezembro, na Tradicional saudação aos cardeais e bispos da Cúria Romana para abordar a reforma que deseja fazer. Em suas palavras falou sobre as várias formas de “Resistências” que surgem no seio da própria Igreja. Lendo a atualidade, pode-se  dizer que o Papa Francisco tenha dado indiretas aos quatro cardeais ?

“[Há] diferentes tipologias de resistências: Resistências abertas que nascem da boa vontade e do diálogo “sincero”, resistências escondidas que nascem de medrosos e empedernidos, alimentados pelas palavras vazias do “leopardismo espiritual”, que diz querer mudar por palavras, mas deseja que tudo fique na mesma. E existem ainda as resistências malévolas que crescem nas mentes distorcidas e se apresentam-se quando o demônio inspira más intenções, às vezes com pele de cordeiro. Este último tipo de resistência esconde-se atrás de palavras justuficadoras e, tantas vezes, acusadoras, refugiando-se na tradição, nas aparências, nas formalidades[SIC!!!], no que é conhecido, ou então, em querer tornar tudo numa questão pessoal, sem distinguir o ato, o ator e a ação.

A reforma por isso não tem um fim estético para tornar a Cúria mais bela, nem pode ser entendida como uma espécie de “lifting”, de maquiagem ou pintura, para embelezar o velho corpo da cúria, nem mesmo uma operação de cirurgia plástica para tirar as rugas. Caros irmãos, não são as rugas que se devem temer na Igreja, mas as manchas.”

Veja o Vídeo, aqui: http://rr.sapo.pt/video/123046/papa_confronta_a_curia_na_igreja_devemos_ter_medo_das_manchas_e_nao_das_rugas

NOSSOS VOTOS DE UM FELIZ NATAL

 

Caríssimos. Salve Maria!

A todos que nos acompanharam durante todo esse Ano de 2016, um SANTO e FELIZ Natal!

Somos-lhes Gratos.

Gratos pela presença.

Gratos pela amizade

Gratos pelas orações.

 

 

 

Tu scendi dalle stelle
oh Re del cielo,
e vieni in una grotta
al freddo e al gelo!
E vieni in una grotta
al freddo e al gelo!

Dolce Bambino mio divino
io ti vedo qui a tremar.
Oh Dio beato,
oh quanto ti costò
l’ avermi amato!
Oh quanto ti costò
l’ avermi amato!

Tu scendi dalle stelle
oh Re del cielo,
e vieni in una grotta
al freddo e al gelo!
E vieni in una grotta
al freddo e al gelo!

Oh Dio beato,
oh quanto ti costò
l’ avermi amato!
Oh quanto ti costò
l’ avermi amato!

Tu scendi dalle stelle
oh Re del cielo,
e vieni in una grotta
al freddo e al gelo!
E vieni in una grotta
al freddo e al gelo!

Dolce Bambino mio divino
io ti vedo qui a tremar.
Oh Dio beato,
oh quanto ti costò
l’ avermi amato!
Oh quanto ti costò
l’ avermi amato!

Tu desces das estrelas
Ó Rei do céu,
e vens numa gruta
ao frio e ao gelo!
E vens numa gruta
ao frio e ao gelo!

Doce Menino meu divino
eu te vejo aqui a tremer.
Ó Deus beato,
ó quanto te custou
ter-me amado!
Ó quanto te custou
ter-me amado!

Tu desces das estrelas
oh Rei do céu,
e vens numa gruta
ao frio e ao gelo!
E vens numa gruta
ao frio e ao gelo!

Ó Deus beato,
oh quanto te custou
ter-me amado!
Ó quanto te custou
ter-me amado!

Tu desces das estrelas
Ó Rei do céu,
e vens numa gruta
ao frio e ao gelo!
E vens numa gruta
ao frio e ao gelo!

Doce Menino meu divino
eu te vejo aqui a tremer.
Ó Deus beato,
ó quanto te custou
ter-me amado!
Ó quanto te custou
ter-me amado!

A Estrela e o Sol: dois natais!

Pe. Marcélo Tenorio

E chegou a Noite Santa!

A noite! O Mistério da noite tão cantado pelos poetas, tão buscando pelos homens espirituais, tão vivido pelos enamorados.
A noite! A noite com seu silêncio quase que celestial…Um silencio que faz dormir, repousar os homens de coração cansado , quase esmagados pelo peso de seus fardos e dores.

A noite, com suas trevas que, quando não faz os juvenis perderem-se em seus pecados, realça com sua ausência de luz, as estrelas que brilham no horizonte azul, apontando para nós a eternidade a se avizinhar.
E, se a noite esconde o mal, o maldito, o perverso….também esconde o Santo, o Sagrado, o encoberto pelo mistério de Luz.

Num céu cheio de estrelas Abraão contava as tribos…A noite é testemunha que Deus o visitava.
À noite, só a noite viu Cristo no sepulcro. E a noite, só a noite é testemunha da Glória de um Cristo.
A noite só a noite viu Cristo descendo ao mundo. A noite é testemunha da chegada do Menino

Mas há uma Estrela que desceu antes da Aurora, uma Estrela que veio antes do Sol, menos que o Sol, mas geradora do Sol.
Desce do céu uma Estrela para descer de Deus um Menino.
Antes da Estrela guia conduzir os pastores à fonte de todo Amor, uma Estrela maior era anunciada a Adão após a queda, A Acaz, após a dúvida, à Isabel já fecunda.

E hoje, nesta Noite Santa, nas palhas do presépio, o Sol e a Estrela. O Eterno e a Eternecida. O Divino e a divinizada.
A Mãe e o Filho, a Estrela e o Sol.
Que Mistério de luz, que Mistério de Amor e de Dor!
Maria é essa Estrela que nos dá o Sol da justiça, o Esperado das nações. O Messias prometido, A Alegria de Israel.
Celebrar a chegada do Filho, também é celebrar o Sim da Mãe. Celebrar o nascimento do Filho é também regozijar-se pelo nascimento da Mãe.
Envolvidos nesta musicalidade sem igual, façamos coro aos anjos e deixemo-nos cantar, não com a boca, mas com os nossos cantares da alma. Cantares de gratidão à Mãe pelo Filho, ao Filho pela Mãe. Estrela que vem antes, para depois surgir, na aurora de nossa vida, o Sol da Justiça que não conhece ocaso.
Olhando para o menino e sua mãe, lembro-me de uma bela música do século XVII, com texto de Felix Lope de Veja y Carpio, fala justamente da Estrela que Precede o Sol, do Sol que existia antes da Estrela, mas que por Ela quer nascer numa noite fria, em Belém…

Essa música foi composta para homenagear a natividade da Virgem Maria e, por sua letra, e por sua profunda junção dos dois nascimentos, dos dois natais: o da mãe e o do Filho, deve servir para nós como uma reflexão …uma contemplação do Mistério que envolveu Maria em sua Conceição, manifestando-se plenamente na Noite Santa do Natal, com a chegada do Menino.

“Hoje nasce uma clara Estrela tão divina e celestial,
A alvorada mais clara e bela não lhe pode ser igual,
E sendo Estrela e Tal,
Que o próprio Sol nasce Dela,
O próprio Sol nasce dela
O próprio Sol nasce dela…

NATAL DO SENHOR

            CRISTO NASCEU PARA NÓS, VINDE  ADOREMOS!
Menino Jesus, após procissão, depositado aos pés da Virgem

Missa da Aurora, às 5h da manhã