A DÉBIL FÉ CRISTÃ PAVIMENTA O CAMINHO AO ISLÃ

 

Mons.-Liberati

Mons. Liberati: «Em dez anos vamos ser todos muçulmanos por culpa de nossa estupidez»

Monsenhor Carlo Liberati, arcebispo e prelado emérito de Pompéia (Itália) criticou duramente em um seminário a chegada massiva de imigrantes que professam a religião islâmica, em um contexto de secularização crescente na Europa

17/01/17 8:47

(Infobae) – Tradução Frei Zaqueu – «Em dez anos vamos ser todos muçulmanos por culpa de nossa estupidez. Itália e Europa vivem no ateísmo, fazem leis contra Deus e promovem tradições próprias do paganismo. Toda esta decadência moral e religiosa favorece o islã», disse o arcebispo italiano Monsenhor Carlo Liberati, bispo emérito de Pompéia, durante um seminário.

«Temos uma débil fé cristã. A Igreja não está trabalhando bem e os seminários estão vazios. As paróquias são o único que se mantém de pé. Necessitamos uma verdadeira vida cristã. Tudo isto pavimenta o caminho ao Islã. Adicionalmente, eles têm filhos e nós no. Estamos em total declive», agregou.

O alvo de suas críticas é o sustentado avanço da população muçulmana na Itália como resultado da chegada de imigrantes e refugiados provenientes do Oriente Médio e do Norte da África. Se calcula que uns trezentos e trinta mil chegaram só nos últimos dois anos. As estatísticas oficiais mostram que em 1970 havia só dois mil muçulmanos na Itália, frente a mais de dois milhões que há na atualidade.

Liberati questionou todas as supostas ajudas econômicas que recebem os estrangeiros, em contraposição com o abandono dos pobres italianos. «Ajudamos sem demora aqueles que vêm de fora e nos esquecemos de muitos pobres e velhos italianos que estão comendo do lixo. Necessitamos políticas que se ocupem primeiro dos italianos: os jovens e os desempregados. Sou um manifestante. Se não fosse um sacerdote estaria protestando nas praças», disse.

«Qual é o ponto de que haja tantos imigrantes que, em vez de agradecer pela comida que lhes damos, a jogam, ficam horas olhando seus celulares e inclusive organizam distúrbios?», se perguntou.

_____________

Fonte: http://www.infocatolica.com/?t=noticia&cod=28316

Os acontecimentos da Véspera de Ano Novo europeia que a imprensa não contou

choque-muslima-no-metro

Nota do tradutor: Ontem falávamos, ao traduzir a matéria sobre um incidente na Áustria envolvendo uma senhora cristã e um muçulmano, em um centro de refugiados, que o emblemático fato era a “ponta do iceberg”. Vemos por esta outra notícia que, não só a “ponta” já não é mais tão pequena como seus efeitos já se fazem sentir em diversas “embarcações”. O que, do conjunto, seja talvez a maior causa de indignação é o cinismo de uns guiando a (por demais) ignorância de outros. Neste e em muitos atos hodiernos já se faz nítida a cegueira e completa deturpação da realidade. Parece que os anjos nos cegaram e poucos, cada vez menos, são os que ainda conseguem ver a porta de saída.

Gaceta.es

5 janeiro, 2017

Gritos de ‘Alá é grande’ nas imediações da igreja mais antiga de Dortmund, incidentes e presença policial… A grande notícia é que não tenha sido notícia: isso diz mais do estado da Europa que cem capas nos periódicos mais prestigiosos do continente. 

Carlos Esteban/ La Gaceta

Tradução Frei Zaqueu

A primeira vez, o ano passado, Governo, polícia e grandes meios se conjuraram na Alemanha em uma intensão de ocultar que, durante as celebrações de rua de Véspera de Ano Novo em várias grandes cidades do país, tinham sido cometidos centenas de delitos sexuais protagonizados pelos recém chegados -os supostos ‘refugiados’ procedentes do Oriente Médio e da Alemanha que tão amavelmente havia convidado Ângela Merkel a instalar-se na Alemanha- e sofridos por mulheres nativas. Só a insistência de inumeráveis testemunhas nas redes sociais obrigou a imprensa e polícia, dias depois, a reconhecer o deslize e pedir perdão.

Este ano não fez falta nenhuma censura ou complô: informou, o meio que o fez, como an passant e com certa indiferença, sem semear a universal indignação do ano passado. Como queria o primeiro ministro francês, Manuel Valls, com o terrorismo, a Europa parece estar crendo na ideia de que esta explosão de assaltos sexuais por parte dos imigrantes recentes é ‘a nova normalidade’, uma tradição a mais destas entranháveis festas.

Falando da França, a notícia oficial sobre a noite foi que “transcorreu sem incidentes dignos de menção” (Ministério dol Interior: “La nuit de la Saint-Sylvestre s’est déroulée sans incident majeur”), uma forma que há pouco soaria irônica para descrever uma madrugada na que se queimaram mais de mil carros e se detiveram 454 pessoas, apesar de uma presença militar -100.000 soldados nas ruas- própria de um país ocupado.

Mas o prato forte da noite se serviu na Alemanha e em sua vizinha Áustria, em que pese os precedentes e o estado de alerta das autoridades.  Em Viena, a cidade que se decantou pelo pró-imigracionista Alexander van Bellen na recente repetição das eleições presidenciais, os serviços de emergência se viram colapsados por chamadas de todo o país informando de numerosos assaltos sexuais cometidos, em repetida descrição, por homens de cor escura e frequentemente barbados.

A celebração mais animada se deu na cidade alemã de Dortmund, onde, relata Breitbart uma multidão de mais de uma centena de homens, ao repetido grito de “Alahu Akbar!”, lançaram foguetes de pirotecnia à polícia e queimaram o teto da igreja mais antiga da Alemanha, São Reinaldo. Uma vez mais, a noite foi descrita como “tranquila” no informe policial e como “normal” por um porta-voz da Prefeitura. E isso resulta mais alarmante que se tivessem exagerado a gravidade.

« #Silvester in #Dortmund: Syrer feiern den Waffenstillstand in ihrem Land. pic.twitter.com/Yxom6nY5QC

— Peter Bandermann (@RN_Bandermann) 31 de dezembro de 2016 »

O diário local Ruhr Nachrichten informou que um grupo de “ao menos cem jovens homens” começaram a lançar foguetes contra uma multidão de visitantes entre as que se encontravam famílias com crianças. Quando a polícia lhes advertiu que deixassem de fazê-lo, os alegres celebrantes dirigiram seus projéteis contra as próprias forças da ordem. Mas o politicamente correto ficava a salvo. O citado cabeçalho falava, ao mesmo tempo, postava na rede social Twitter um vídeo com o título “Sírios celebram a trégua em seu país”, ainda que qualquer que o visse poderia comprovar se tratar de um grupo que portava bandeiras da Al Qaeda e de guerrilhas aliadas ao ISIS na zona ao repetido grito de “Alahu Akbar!”.

Não deixa de ser curioso que a igreja atacada e parcialmente incendiada pelo grupo de imigrantes citados, São Reinaldo, foi protagonista de uma recente notícia que, esta sim, suscitou a indignação da opinião pública ao ser ocupada por um grupo identitário em protesto contra a islamização do país no mês passado. Seu pastor, Friedrich Stiller, denunciou o ato como “uma clara provocação dos neonazistas”, o que ocasionou que os responsáveis do programa de ‘desradicalização’ da cidade, com um saldo de 50.000 euros anuais, exigissem mais fundos.

Em Colônia, protagonista do grosso dos ataques do ano passado, esta Véspera de Ano Novo conseguiu reduzir significativamente o número de assaltos graças a uma enorme presença policial, que realizou numerosas detenções, só para ser atacados na imprensa por representantes políticos por “discriminação”.

__________

Fonte: http://infovaticana.com/2017/01/05/los-sucesos-la-noitevieja-europeia-la-prensa-no-ha-contado/

Tradução: Fr Zaqueu