Padre Pio e o Papa

Seguem abaixo três histórias sobre Padre Pio contadas ineditamente no blog Christi Fidei, em que o santo de Gargano expõe de modo admirável sua veneração e seu amor pelo Santo Padre, o Papa. Um conforto para a nossa alma nesses tempos de crise de Fé, e uma potentíssima arma contra os inimigos do Romano Pontífice.
Agradecemos ao Frei Carlo Maria, do Convento di Santa Marie delle Grazie, em San Giovanni Rotondo, idealizador do projeto Casa di Riposo per frati anziani (Casa de Repouso para frades idosos) por nos presentear com tão belas histórias.
O texto é de Carlos Wolkartt.

*     *     *
Um frei chamado Francesco Antonelli estava sentado com Padre Pio próximo a uma janela, ao anoitecer. Após alguns minutos de silêncio, em que Padre Pio observava admirável a Lua, este disse a frei Antonelli: “Veja Francesco, posso não estar fisicamente perto do Papa, porém, me conforta saber que Ele existe, e que Nosso Senhor não nos abandonou. Ontem, o Papa admirava a Lua das janelas de Roma; hoje, eu admiro esta mesma criação de Deus da pobre janela deste convento. Vede, pois, quão bondoso é o Criador, que faz a Terra e os astros girarem para que eu me sinta mais perto do Papa.”
Certa vez, um coroinha [1] perguntou a Padre Pio: “Padre, quem é o Papa?”. Padre Pio lhe explicou caridosamente: “Meu pequeno filho, saiba que Jesus criou um lindo jardim, com belíssimas flores, e chamou doze jardineiros para ajudá-lo. Este jardim era tão querido por Jesus, que Ele escolheu, entre seus doze jardineiros ajudantes, um para que ficasse em seu lugar de Jardineiro chefe após sua volta ao Céu. E quando Jesus já estava lá em cima com Deus, mandou outro Jardineiro ainda mais potente para ajudar a cuidar de seu jardim. Agora veja meu filho: este belo jardim tão querido por Jesus é a Igreja, e o Jardineiro Chefe é o Papa. Quem Jesus enviou para ajudar o Jardineiro chefe a cuidar do jardim é o Espírito Santo. Este é o Papa: aquele que está no lugar de Jesus cuidando de seu lindo jardim.”
Uma senhora idosa confessa a Padre Pio: “Padre, por mais esforço que eu faça, não consigo enxergar o Papa como o substituto de Jesus no mundo”. Padre Pio então lhe diz: “Minha filha, quem não aceita o Papa como o Vigário de Cristo, também não pode aceitar Maria como Mãe de Deus. Olhe para Nossa Senhora: ela era uma frágil menina que foi escolhida por Deus para trazer Deus aos homens. Agora, olhe para o Papa: ele é um pobre homem que foi escolhido por Deus para levar os homens a Deus”. Após um breve momento de silêncio, Padre Pio continua: “Agora vá, e quando se arrepender, venha reconciliar-se com Deus” [2].
_______
Notas
[1] Não se tem certeza se o infante era um coroinha. Pode ter sido uma simples criança, mas se supõe que tenha sido, de fato, um ajudante do altar.
[2] No dia seguinte, esta senhora volta ao confessionário de Padre Pio e lhe diz: “Padre, esta noite sonhei com o Papa ajoelhado aos pés de Nossa Senhora. Acordei assustada, e chorei muito por ter cometido um pecado tão grave”. Padre Pio a absolveu, e ela se retirou.

Pe. PIO E O “AGGIORNAMENTO”



Vale a pena ler um trecho de um artigo do Fr. João, capuchinho de Morgon, na França, publicado na “Carta aos amigos de S. Francisco”, em 1999.

Salve Maria!

Pe. Marcelo Tenório


_____________________

“Modelo de respeito e de submissão a seus superiores eclesiásticos e religiosos, em particular por ocasião das perseguições contra ele próprio, o Padre Pio de Pietrelcina não podia ficar mudo ante um desafio nefasto à Igreja.
Antes mesmo do fim do concílio, em fevereiro de 1965, anunciaram-lhe que seria preciso em breve celebrar a missa segundo um novo rito “ad experimentum”, em língua vulgar, e elaborado por uma comissão litúrgica conciliar para responder às aspirações do homem moderno.
Antes mesmo de ter o seu texto sob os olhos, escreveu imediatamente a Paulo VI, pedindo-lhe fosse dispensado dessa experiência litúrgica e pudesse continuar a celebrar a Missa de São Pio V.
Tendo-se o cardeal Bacci deslocado para lhe levar esta autorização, Padre Pio deixou escapar esta queixa para o enviado do Papa: “O Concilio, por piedade, acabai com ele depressa!”
No mesmo ano, na euforia conciliar que prometia uma “nova primavera” para a Igreja e para o mundo, confiava a um de seus filhos espirituais: “Rezemos nesta época de trevas. Façamos penitência pelos eleitos.” E sobretudo por aquele que deve ser o supremo pastor da Igreja católica: toda a sua vida ele “se imolará” pelo Papa reinante, cuja fotografia figurará sempre entre as raras imagens da sua cela.
Quão significativas outras cenas: estas reações em face do “aggiornamento” que as ordens religiosas assimilaram no dia seguinte ao Vaticano II (citações extraídas duma obra munida de Imprimatur):
“O Padre Geral (dos franciscanos) veio de Roma antes do capítulo especial para as constituições, em 1966, para pedir ao Padre Pio orações e bênçãos. Encontrou o Padre Pio no corredor do convento: ‘Padre, vim para vos recomendar o capítulo especial para as novas constituições…’ Apenas ouviu “capítulo especial”, Padre Pio fez um gesto violento e gritou: ‘Não são senão parlapatices e ruínas!’ — ‘Mas que quereis, Padre? As novas gerações… os jovens evoluem à sua maneira… há novas exigências…’ — ‘É o cérebro e o coração que faltam, eis tudo, a inteligência e o amor.Em seguida avançou para a sua cela, deu meia-volta, e apontou o dedo dizendo: “Não nos desnaturemos, não nos desnaturemos! Quando Deus nos julgar, São Francisco não nos reconhecerá como filhos!”
Um ano depois, a mesma cena para o “aggiornamento” dos capuchinhos: “Um dia, confrades discutiam com o Padre Definidor Geral sobre a Ordem, quando o Padre Pio, tomando uma atitude espantosa, se pôs a gritar ao mesmo tempo que fixava o olhar longe: “Mas que estais prestes a fazer em Roma? Que combinais vós? Quereis mesmo mudar a Regra de São Francisco!” E o Definidor diz: “Padre, propõem-se estas mudanças, porque os jovens nada querem saber da tonsura, do hábito, dos pés descalços…” — “Expulsai-os! Expulsai-os! Mas quê? São eles que vão fazer um favor a São Francisco ao tomar o hábito e ao seguir o seu modo de vida, ou é antes São Francisco que lhes faz um grande dom?”
Se se considera que o Padre Pio foi um verdadeiro alter Christus, que toda a sua pessoa, corpo e alma, foi tão perfeitamente conforme quanto possível à de Jesus Cristo, esta recusa nítida das inovações da Missa e do “aggiornamento” deve ser para nós uma lição que reter.
É também notável que o Bom Deus tenha querido lembrar-se dele, seu fiel servidor, pouco tempo antes da imposição implacável das reformas do Concílio no seio da Igreja e da ordem capuchinha. E que Katarina Tangari, uma das suas filhas espirituais mais privilegiadas, tenha apoiado tão admiravelmente os padres de Ecône (seminário fundado por D. Marcel Lefebvre) até à sua morte, um ano após as sagrações episcopais.
E Padre Pio ainda era menos complacente em face da ordem — ou antes da desordem — social e política: “confusão de idéias e reino dos ladrões” (em 1966). Profetizou que os comunistas chegariam ao poder “por surpresa, sem desfechar golpe… Nós nos daremos conta disso da noite para o dia”. Chegou a precisar até, a Monsenhor Piccinelli, que a bandeira vermelha flutuaria sobre o Vaticano, “mas isso passará”.
Ainda aqui a sua conclusão coincide com a da Rainha dos Profetas: “Mas por fim o meu Coração Imaculado triunfará!” Como? Pela onipotência divina, certamente, mas provocada pelas duas grandes forças do homem: a oração e a penitência.
Foi a grande lição que Nossa Senhora nos quis lembrar com insistência, em Fátima, no princípio deste século: Deus quer salvar o mundo pela devoção ao Coração Imaculado de Maria, e não há nenhum problema, material ou espiritual, nacional ou internacional, que não possa ser resolvido pelo Santo Rosário e pelos sacrifícios.”


PE PIO – ESPECIAL: Multidão não quer deixar Pe. Pio


(…)Tarde da noite cogita-se em fechar a igreja, para dar uma folga aos carabineiros e à polícia, mas é inútil. A multidão se comprime no adro, grita, pressiona, obriga a reabri-la. 
Durante os quase 4 dias em que fica exposto à homenagem póstuma, mais de 100.000 pessoas desfilam ante os restos mortais de Padre Pio, para o último e comovido adeus.

PADRE PIO – ESPECIAL

JAJÁ, NOS PRIMEIROS MINUTOS DO DIA

23, COMEÇAREMOS A ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO

SACRAMENTO EM HONRA DE Pe. PIO. A ADORAÇÃO SE

ESTENDERÁ ATÉ ÁS 18H, EM NOSSA IGREJA MATRIZ.

S. Pe. PIO, ROGAI POR NÓS



Rua Minas Gerais, 549 – Monte Carlo – Campo Grande, MS