AGENDA DA COMISSÃO EUROPEIA ELIMINA FESTAS CRISTÃS

Rádio Vaticano divulga os protestos


BRUXELAS, sexta-feira, 14 de janeiro de 2011 (ZENIT.org) – “Gritos de ira contra uma Europa que nega suas raízes cristãs”: esta foi a manchete divulgada pela Rádio Vaticano ao noticiar os protestos de várias personalidades que denunciam “o desaparecimento dos feriados cristãos da agenda da Comissão Europeia, destinada aos alunos da União Europeia”.
Rádio Vaticano indica que foram distribuídos mais de três milhões exemplares da agenda, que menciona os feriados muçulmanos, hindus, sikhs e judaicos, mas nenhum feriado cristão, nem sequer em 25 de dezembro.
Entre as cartas de reclamação enviadas ao presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barrosso, encontra-se a que a parlamentar francesa Christine Boutin, presidente do Partido Democrata Cristão, dirigiu-lhe em 23 de dezembro de 2010.
A ex-ministra se pergunta: “Como se pode pretender educar os jovens sobre a União Europeia negando uma religião que contribuiu tanto para a sua construção e sua unidade? Como é possível uma discriminação assim?”.
Segundo Boutin, “esta pequena agenda é reveladora do novo pensamento que nos mina por dentro: para entrar, seria preciso apagar a nossa história comum e os nossos valores fundamentais”.
Também apela a “uma grande mobilização, por meio de uma petição que permita chegar ao Parlamento Europeu”.
Na França, indica a mesma fonte, o ministro dos Assuntos Europeus, Laurent Wauquiez, quis levantar “um grito de ira”.
Esta iniciativa, disse, “é representativa de uma Europa já não ama nem se ama”. “Esta Europa nega suas raízes cristãs e cobre com um tímido lenço o que ela é – acrescentou. Uma identidade rejeitada é uma identidade que se vinga.”

BISPOS DO JAPÃO INSISTEM CONTRA O CAMINHO NEOCATECUMENAL


Friday, January 14, 2011

Obispos de Japón no están dispuestos a dejar quieto el asunto con el Camino Neocatecumenal. 

Hemos traducido dos despachos de diferentes agencias noticiosas, los cuales brindan una radiografía de la situación actual del Camino Neocatecumenal y los obispos japoneses. Aquí es donde nos extraña que siendo hispanoparlantes los fundadores del Camino Neocatecumenal, los medios de comunicación en español —nos referimos a los que se denominan católicos— no informen nada o casi nada al respecto.

El presidente de la Conferencia de Obispos Católicos de Japón ha llamado por la colaboración de los sacerdotes y de los laicos para confrontar los “problemas” con el Camino Neocatecumenal, el cual, dice ha tenido un efecto negativo en el país.

“En aquellos lugares tocados por el Camino Neocatecumenal, ha habido una rampante confusión, conflicto, división, y caos”, dijo el Arzobispo Jesuíta de Osaka, Leo Jun Ikenaga, en una declaración publicada en Katorikku Shimbun, el semanario Católico de Japón, ayer.

“En Japón, el efecto de la red ha sido negativo”, dijo el Arzobispo Ikenaga en su declaración. “Nosotros obispos, a la luz de nuestra responsabilidad apostólica pastoral, no podemos ignorar el daño”.

El Papa Benedicto XVI rehusó un pedido de cuatro obispos japoneses, incluido el Arzobispo Ikenaga, de suspender al Camino Neocatecumenal por los cinco años que los prelados hicieron en una reunión en Roma en Diciembre 13.

Unas semanas antes de la reunión, la conferencia episcopal japonesa anunció que suspendería las actividades del movimiento en Japón.

La declaración del Arzobispo Ikenaga sugiere que los obispos no están deseosos de dejar descansar allí el asunto.

“Hasta ahora, la Conferencia de Obispos Católicos de Japón ha sostenido cnversaciones tanto con la Santa Sede como con el Camino Neocatecumenal. Pero ahora ha llegado el momento de que el laicado de Japón adquiera participación”, escribió en una declaración en Diciembre 20.

El Arzobiso Ikenaga dijo que el Papa planea mandar pronto un enviado a Japón.

Dijo que los obispos esperan que aquellos que han tenido contacto personal con el Camino Neocatecumenal relatarán sus experiencias al enviado papal.

“El hecho es que, es muy difícil según el estado real de las cosas, que se traslade a un lugar tan lejano como Roma”, escribió.

“Esperamos que ellos (el Camino Neocatecumenal) tomarán una seria mirada a por qué las cosas no han funcionado aquí hasta el momento y, por primera vez, nos ayuden a erradicar la causa de los problemas, para que así podamos encontrar el camino para una solución”.

A la reunión en Roma fueron El Papa, el Secretario de Estado del Vaticano, Cardenal Tarcisio Bertone, otros cinco cardenales y un arzobispo.

La delegación japonesa incluyó a los Obispos Osamu Mizobe de Takamatsu, Ryoji Miyahara de Fukuoka, e Isao Kikuchi de Niigata. El obispo de 86 años Takaaki Hirayama, quien está retirado en Roma, también asistió.

El Camino Neocatecumenal se estableció en Japón al rededor de 1970 en la Diócesis de Hiroshima. En 1990, el seminario asociado Redemptoris Mater fue construido en la Diócesis de Takamatsu, el cual tiene el menor número de residentes Católicos que en ninguna otra diócesis, sólo 5.000, y están registrados allí.

DOUTRINA DA FÉ ANALISA MINUNCIOSAMENTE AS CATEQUESES DO “CAMINHO NEOCATECUMENAL”




El Papa enviará el lunes a 230 nuevas familias en misión pertenecientes al Camino Neocatecumenal

El próximo lunes, 17 de enero, a las 12 h. en el Aula Pablo VI, el Papa Benedicto XVI recibirá en audiencia a los iniciadores del Camino Neocatecumenal, los españoles Kiko Argüello y Carmen Hernández, y el sacerdote Mario Pezzi, acompañados de los equipos itinerantes responsables del Camino en más de 120 naciones. Además, estarán presentes loa 78 rectores de los seminarios Redemptoris Mater, numerosos sacerdotes y seminaristas, familias en misión, missio ad gentes y communitates in missionem. Durante la audiencia, el Papa enviará 230 nuevas familias en misión en 46 naciones de los 5 continentes que se unirán a las otras 600 ya enviadas en años anteriores por Juan Pablo II y Benedicto XVI.

(InfoCatólica) El Papa inaugurará además 13 nuevas missio ad gentes en Europa (Alemania, Austria, Macedonia, Francia, Ucrania, Suecia, Hungría) y Sudamérica (Venezuela), que se unirán también a las otras enviadas en ocasiones anteriores. Cada una de estas missio ad gentesestá constituida por un presbítero acompañado de dos o tres familias numerosas que, a petición de un obispo, reciben el mandato de evangelizar zonas descristianizadas o paganas, con la misión, como dice el Señor, de hacer presente una comunidad cristiana donde “seamos perfectamente uno para que el mundo crea”.
Juan Pablo II, en 1995, en el VI Simposio de los Obispos Europeos dijo que para responder a la secularización de Europa es necesario volver al “primer modelo apostólico”. Así, estas missio ad gentes se reúnen en las casas en medio de los no bautizados, desarrollando este primer modelo apostólico. Después de 4 años, se puede constatar cómo se están acercando muchos paganos que nunca habían entrado en una iglesia.

En estos días, la Congregación para la Doctrina de la Fe ha comunicado al Pontificio Consejo para los Laicos que “después un minucioso estudio doctrinal en la materia”, las catequesis del Camino utilizados por los equipos de catequistas pasan a ser “Directorio Catequético del Camino Neocatecumenal después de ser corregidos por la Congregación para la Doctrina de la Fe y señalar en cada página varias partes del Catecismo de la Iglesia Católica”.
El Pontificio Consejo para los Laicos ha tomado nota de tal aprobación que concede “seguridad a la actuación del Camino Neocatecumenal, subrayando la conclusión de su recorrido espiritual y ofreciendo además garantías doctrinales a todos los Pastores de la Iglesia“.

SANTA SÉ: BEATIFICAÇÃO DE JOÃO PAULO II SEGUIU TODAS AS NORMAS CANÔNICAS


Santa Sé assegura que a causa de beatificação de João Paulo II seguiu todas as normas previstas pelo direito canónico 
(14/1/2011) A Congregação para as Causas dos Santos, assegurou hoje que o processo de João Paulo II seguiu “integralmente” as disposições do direito canónico para as beatificações e canonizações.
Em nota officia recorda-se que o reconhecimento de uma cura milagrosa “conclui o percurso” que precede o rito da beatificação, cuja causa se iniciou “antes de terem passado cinco anos sobre a morte” do Papa polaco, por “dispensa pontifícia”.
Este procedimento, explica a Congregação, foi solicitado a Bento XVI “por causa da imponente fama de santidade, gozada por João Paulo II em vida, na morte e após a morte”.
O actual Papa anunciou no dia 13 de Maio de 2005, quarenta e dois dias após a morte de João Paulo II, o início imediato do processo de canonização de Karol Wojtyla, dispensando o prazo canónico de cinco anos para a promoção da causa.
A CCS precisa que, entre Junho de 2005 e Abril de 2007, tiveram lugar os inquéritos diocesanos: o principal, em Roma, e outros em “diversas dioceses”, “sobre a vida, as virtudes e a fama de santidade e milagres”.
A validade jurídica destes processos canónicos foi reconhecida pelo Vaticano com um decreto, a 4 de Maio de 2007.
Em Junho de 2009, chamada «Positio super virtutibus» (posição sobre as virtudes do fiel) foi examinada por “nove consultores teólogos” da CCS, que deram o seu parecer positivo.
Seguindo o “procedimento habitual”, elucida o Vaticano, em Novembro de 2009 a mesma documentação foi apresentada ao julgamento dos cardeais e bispo da Congregação, que se “expressaram com sentença afirmativa”.
Poucos dias depois, a 19 de Dezembro, Bento XVI autorizou a promulgação do decreto sobre a “heroicidade das virtudes” de João Paulo II, então declarado “venerável”.
Tendo em vista a beatificação, a postulação da causa apresentou a exame da CCS a cura da “Doença de Parkinson” da irmã Marie Simon Pierre Normand, religiosa do Insituto das Irmãzinhas das Maternidades Católicas (Institut des Petites Soeurs des Maternités Catholiques).
“Como habitualmente, os numerosos actos de inquérito canónico, regularmente instruídos, unidos às detalhadas perícias médico-legais, foram submetidas ao exame científico da consulta médica do Dicastério das Causas dos Santos a 21 de Outubro de 2010”, revela a nota oficial da Santa Sé.
Os peritos da CCS, acrescenta o documento, “depois de ter estudado com a habitual meticulosidade os testemunhos processuais e toda a documentação, manifestaram-se a favor da inexplicabilidade científica da cura”.
Os consultores teólogos, depois de ter visto as conclusões médicas, a 14 de Dezembro de 2010, procederam à “avaliação teológica do caso”, reconhecendo unanimemente que a intercessão de João Paulo II tinha sido “eficaz para o fim da cura prodigiosa”.
Finalmente, a 11 de Janeiro de 2011, teve lugar a sessão ordinária de cardeais e bispos da CCS, os quais emitiram uma “sentença afirmativa unânime” a respeito da cura da irmã Marie Pierre Simon.
A cura, pode ler-se, foi “cumprida por Deus, de modo cientificamente inexplicável, na sequência da intercessão do sumo pontífice João Paulo II, confiantemente invocado, seja pela própria curada, seja por muitos outros fiéis”.
A CCS prepara tudo o que é necessário para que “o Papa possa propor novos exemplos de santidade”, apresentando resultados sobre os milagres, martírio e virtudes heróicas de vários fiéis.

BENTO XVI: “O PURGATÓRIO .. UM FOGO DE AMOR”



CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 12 de janeiro de 2011 (ZENIT.org) – O purgatório não é tanto um “espaço” onde as almas são purificadas, mas um “fogo interior” que purifica a pessoa e a torna capaz de contemplar Deus, afirmou hoje Bento XVI, durante a audiência geral.
Como de costume nos últimos meses, o Papa quis dedicar a catequese de hoje, realizada na Sala Paulo VI, a uma mulher, Santa Catarina de Gênova, conhecida por suas reflexões sobre a natureza do purgatório.
Esta mulher italiana, que viveu no século XVI, teve uma forte experiência interior de conversão, que a levou a renunciar à vida mundana que tinha levado até então, dedicando-se a cuidar dos doentes, até sua morte.
Catarina teve uma série de revelações místicas, que narrou em seu Tratado sobre o Purgatórioe no Diálogo entre a alma e o corpo.
Ainda que nunca tenha tido revelações particulares sobre o purgatório, explicou o Papa, “nos escritos inspirados por nossa santa, é um elemento central, e a maneira de descrever isso tem características originais com relação à sua época”.
A santa descreve o purgatório não tanto como um “lugar”, como era habitual em sua época: “Não é apresentado como um elemento da paisagem das entranhas da terra: é um fogo interior, não exterior”.
“Isso é o purgatório, um fogo interior”, sublinhou o Papa.
A santa, em seus escritos, “fala do caminho de purificação da alma até a comunhão com Deus, partindo de sua própria experiência de profunda dor pelos pecados cometidos, em contraste com o amor infinito de Deus”.
Catarina, no momento de sua conversão, “sente de repente a bondade de Deus, a distância infinita de sua própria vida dessa bondade e um fogo abrasador dentro dela. E este é o fogo que purifica, é o fogo interior do purgatório”.
Outra das características de Catarina é que “não parte do Além para narrar os tormentos do purgatório – como era costume na época e talvez ainda hoje – e, em seguida, apontar o caminho para a purificação ou a conversão”.
Ao contrário, “parte da experiência interior e pessoal de sua vida no caminho rumo à eternidade”.
“Catarina afirma que Deus é tão puro e santo, que a alma, com as manchas do pecado, não pode se encontrar na presença da divina majestade.”
Assim, “a alma é consciente do imenso amor e da perfeita justiça de Deus e, portanto, sofre por não ter respondido correta e perfeitamente a esse amor e, por isso, o próprio amor a Deus torna-se uma chama, o próprio amor a purifica das suas escórias de pecado”.
Utilizando uma imagem da época, a santa explicava que Deus ata o ser humano “com um fio finíssimo de ouro, que é o seu amor, e o atrai a si com um carinho tão forte, que o homem permanece como superado, vencido e todo fora de si mesmo”.
“Assim, o coração humano é invadido pelo amor de Deus, que se torna o único guia, o único motor da sua existência”, acrescentou.
“Esta situação de elevação até Deus e de abandono à sua vontade, expressa na imagem do fio, é utilizada por Catarina para exprimir a ação da luz divina sobre as almas do purgatório, luz que as purifica e as eleva aos esplendores dos raios resplandecentes de Deus.”
Assim, concluiu o Papa, “a santa nos recorda uma verdade fundamental da fé que se torna para nós um convite a rezar pelos defuntos, para que possam chegar à visão beatífica de Deus, na comunhão dos santos”.

UM APELO AO SANTO PADRE



Santo Padre Bento XVI 
Somos alguns católicos  extremamente gratos pela obra feita por Vossa Santidade como pastor da Igreja Universal nos últimos anos, reconhecidos pela sua grande valorização da razão humana, pela concessão do Motu Proprio Summorum Pontificum, por seu fecundo relacionamento com os anglicanos que retornam à unidade, e por muito mais ainda. 

CRISTÃOS DO EGITO ESPERAM SOLIDARIEDADE DO MUNDO INTEIRO





Entrevista ao bispo da Igreja Copto-Ortodoxa, Barnaba El Soryany


ROMA, quarta-feira, 12 de janeiro de 2011 (ZENIT.org) – A resposta aos terroristas do ataque da véspera de Ano Novo à comunidade copta no Egito é “o perdão”, mas é preciso dizer de uma vez por todas: “Chega de ódio e de terrorismo, chega de derramamento de sangue!”.
Durante o dia de manifestação pela solidariedade a favor dos cristãos do Egito, realizado em 9 de janeiro, na Praça da República (Roma), Dom Barnaba El Soryany, bispo copto-ortodoxo da comunidade de Turim e Roma, lança um apelo: “Liberdade religiosa para cada uma das confissões”.
Na manifestação, participaram cerca de 6 mil pessoas, incluindo toda a comunidade copta de Roma, alguns políticos e também delegados do Vaticano.
ZENIT: Excelência, qual foi o motivo da manifestação do domingo?
Dom Barnaba El Soryany: Queremos mostrar a nossa tristeza pelo que aconteceu com a comunidade copta no Egito durante o Ano Novo. Nossos irmãos cristãos do Egito vivem com medo, com dor, com lágrimas nos olhos. Queremos mostrar ao mundo inteiro a nossa dor. Não é um protesto, é um dia de solidariedade: queremos fazer que ouçam, na Itália, as vozes dos nossos irmãos do Egito. Eles pedem a solidariedade de todo o mundo: chega de violência, de terrorismo, não só no Oriente Médio e no Líbano, mas também no Sudão, na África, em qualquer país.
ZENIT: A comunidade copta não quis a presença de muçulmanos na manifestação de hoje. Por quê?
Dom Barnaba El Soryany: A razão pela qual a comunidade não permite que os muçulmanos se unam a nós é para que possamos evitar problemas. Mas nós amamos os nossos irmãos muçulmanos: esperamos que eles se manifestem e, se nos convidarem, vamos participar.
ZENIT: Como é a relação com os muçulmanos?
Dom Barnaba El Soryany: Não há problemas, especialmente na Itália: somos irmãos dos muçulmanos. A comunidade copta vive em paz com todos. Nossos fiéis não os incomodam porque a nossa mensagem é baseada na busca da paz e da solidariedade com todos. Gostaríamos de estar todos unidos contra o terrorismo.
ZENIT: O que o senhor gostaria de dizer aos autores dos atentados do Ano Novo no Egito?
Dom Barnaba El Soryany: Que nós os perdoamos. Nós sempre perdoamos nestas situações. Não é a primeira vez que sofremos ataques: aconteceu há dez anos, também na noite do Ano Novo e no Egito. Também nesse caso perdoamos. Posteriormente, houve outro, em 6 de janeiro do ano passado. Também naquele caso, a nossa resposta foi o perdão, porque a nossa fé nos ensina a perdoar os outros. Nós perdoamos, mas eu também quero dizer: chega de ódio e de terrorismo, chega de derramamento de sangue!
ZENIT: Excelência, os cristãos têm medo de novos ataques?
Dom Barnaba El Soryany: Acho que todo mundo tem medo hoje em dia, especialmente após a ameaça no site islâmico, feita antes do Natal, com o anúncio de novos atentados.
ZENIT: O que o senhor espera da União Europeia e da comunidade internacional?

Dom Barnaba El Soryany: Esperamos que todos condenem o terrorismo, esperamos a solidariedade do mundo inteiro. Mas, acima de tudo, queremos que se garanta a liberdade religiosa; que possamos viver em paz em nossos países.
ZENIT: No mundo inteiro, são muito frequentes os casos de perseguição dos cristãos…
Dom Barnaba El Soryany: Infelizmente, é uma rede que se estende cada vez mais: perseguição dos cristãos no Iraque, Líbano, Oriente Médio, Sudão, Nigéria. Peço à comunidade internacional que faça alguma coisa pelos cristãos perseguidos.

CROÁCIA: PARLAMENTO DECRETA “ANO BOSCOVICH”


Pelos 300 anos do nascimento do grande sábio jesuíta


ZAGREB, terça-feira, 11 de janeiro de 2011 (ZENIT.org) – O Parlamento croata decidiu proclamar 2011 como o “Ano Boscovich” nacional, para marcar o 300º aniversário do nascimento do jesuíta e sábio croata.
Físico, astrônomo, matemático, arquiteto, filósofo e diplomata, Roger Joseph Boscovich nasceu em 1711, em Dubrovnik, e morreu em Milão, em 1787.
Inventor do telescópio acromático e pioneiro do atomismo moderno, recebeu dos papas várias missões científicas e diplomáticas.
Consolidou a cúpula da Basílica de São Pedro, em Roma, e a torre central da Catedral de Milão, entre outras obras.
O 300º aniversário de seu nascimento é parte de aniversários aos quais a UNESCO se associou em 2010-2011.
A decisão do Parlamento croata de proclamar 2011 como “Ano Boscovich” será uma oportunidade para os jesuítas de “promover sua missão e incentivar novas vocações nas instituições acadêmicas e educacionais”, segundo um comunicado da Companhia de Jesus.
Os jesuítas também informaram que a Faculdade de Filosofia de Zagreb organizará um congresso internacional, em novembro de 2011, sobre a figura do sábio.